Tive uma tumultuada entrevista com o vereador Fernando Holiday hoje no meu programa Bastidores do Poder da Rádio Bandeirantes. O tema era o uso de... Fernando Holiday é o velho travestido de novo

Tive uma tumultuada entrevista com o vereador Fernando Holiday hoje no meu programa Bastidores do Poder da Rádio Bandeirantes. O tema era o uso de dinheiro não declarado à Justiça Eleitoral para o pagamento de cabos eleitorais responsáveis por panfletagens feitas durante a campanha dele. A assunto foi levantado pela jornalista Tatiana Farah e Severino Motta em uma alentada reportagem. Para lê-la no BuzzFeed, é só clicar aqui.

Li a matéria e fui atrás das provas que ela havia reunido. Tecnicamente, a reportagem é perfeita. Perscrutei a contabilidade da campanha do vereador pelo DEM e realmente não havia ali a declaração correspondente ao pagamento do trabalho de 26 pessoas que receberam R$60 por dia para distribuir santinhos para o então candidato.

Fernando Holiday foi eleito com a promessa de mudar as velhas práticas políticas que transformaram o País nisso que ele virou. Não tinha o direito, nem por um deslize, de se valer de práticas que ele e o MBL deploravam. Ele era o garoto da mudança. O novo vestido de novo. Gay, preto e honesto. Uma boa aposta para o futuro.

A contabilidade oficial revela uma campanha pobre, que só foi bem sucedida pela empatia gerada pela tese que o candidato defendia. Foram menos de R$ 60 mil arrecadados e gastos. Há despesas escrituradas de até R$ 8,00.

Mas lá não está o pagamento desses cabos eleitorais. Lá não há menção aos prestadores de serviço que botaram a cara no site do BuzzFeed para contar como ajudaram a eleger Fernando Holiday em troca de dinheiro oficioso.

Fernando Holiday pensou que iria jogar um blá-blá-blá qualquer e que as pessoas iriam engolir seu argumento pífio e enganador de que há uma resolução do TSE que permite o caixa dois em pequena escala. Antes, tentou atribuir a informação bem apurada pela repórter do BuzzFeed a uma conjuração da extrema esquerda. Mentira!

Fui duro ao questionar o vereador no programa da rádio. E duro ao criticá-lo. Ele não tinha o direito de se valer de expedientes que foi eleito para combater. Mas ele já começou me desqualificando e desqualificando o site que publicou a matéria.

A entrevista terminou com gritos e palavrões. Não os defendo, mas acho que a hipocrisia de gente como esse garoto deve ser repudiada com toda a veemência.

Quinze anos atrás, era Lula falando as coisas que agora ele, Fernando, prometeu durante a campanha. Todo mundo acreditou.

Quando começaram a ficar evidentes os primeiros deslizes, ninguém cobrou.

Deu no que deu.

Ouça a entrevista se quiser. O link para o arquivo de audio está logo abaixo.

Comentários