O ministro Reinhold Stephanes (Agricultura) disse que a Camex (Câmara de Comércio Exterior) decidirá sobre o aumento da tarifa de importação do trigo quando...

O ministro Reinhold Stephanes (Agricultura) disse que a Camex (Câmara de Comércio Exterior) decidirá sobre o aumento da tarifa de importação do trigo quando houver pedidos de importação.

Segundo o ministro, o mercado “está parado” no momento, mas, quando forem feitos pedidos, o governo deverá aumentar a tarifa de importação dos atuais 10% para 35%. O aumento, porém, terá que ser avaliado novamente pela Camex.

Mais cedo, Stephanes disse que a tarifa de 10% é pequena porque países produtores de trigo subsidiam os agricultores. “Nós temos uma safra que acabou de ser colhida e é importante protegê-la. Hoje, uma alíquota de 10% é muito pouco em razão dos subsídios de outros países’, afirmou.

Além de Stephanes, participam da reunião os ministros Paulo Bernardo (Planejamento) e Miguel Jorge (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

No último dia 8, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou que a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas deve atingir 133,5 milhões de toneladas em 2009, estimativa que reduz ainda mais a expectativa para a colheita de grãos, que seria, assim, 8,6% inferior ao observado em 2008, quando atingiu 146 milhões de toneladas.

A nova projeção é 0,7% inferior a que fora feita no mês passado, que previa 134,4 milhões de toneladas em 2009. Segundo o IBGE, a revisão para baixo da estimativa deve-se, principalmente, às reavaliações negativas ocorridas na segunda safra de milho no Mato Grosso do Sul e Goiás, e às estimativas das culturas de inverno, especialmente o trigo no Paraná.

Ao todo, a safra será colhida ao longo de uma área de 47,1 milhões de hectares, o que indica redução de 0,4% frente ao registrado em 2008.

Ainda de acordo com o IBGE, o Mato Grosso vai ultrapassar o Paraná, e com produção 1,7 p.p. (ponto percentual) maior, passará a ser o maior produtor nacional de grãos.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *