Com negativa menos incisiva do que o habitual em relação a uma eventual campanha antecipada, o governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência...

Com negativa menos incisiva do que o habitual em relação a uma eventual campanha antecipada, o governador de São Paulo e pré-candidato à Presidência da República, José Serra (PSDB), disse que sua visita, no sábado, a projetos problemáticos do governo federal no sertão pernambucano teve “propósito político indireto”.

A convite do prefeito de Petrolina (770 km de Recife), Júlio Lóssio (PMDB), Serra visitou dois projetos criados ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), hoje em condições precárias.

O primeiro foi o projeto de irrigação Pontal, incluído no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), mas parado há seis anos, segundo políticos locais. Depois, visitou um assentamento do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), que enfrenta êxodo de famílias em decorrência de falta de infraestrutura.

Por telefone, Serra disse à Folha que a agenda não era de campanha e serviu para “aprender a ver como as coisas são”. Segundo ele, a visita a projetos federais em más condições não teve “nenhum propósito político direto”. Questionado se havia propósito indireto, disse: “Indireto, tudo é. Mas minha visita não está inscrita em nenhuma estratégia”.

A visita ocorre oito dias após Ciro Gomes (PSB) ir a Petrolina e dias antes da passagem da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) e do presidente Lula pela região. Serra ainda investiu no corpo a corpo em Petrolina. À noite, foi à Festa da Uva e do Vinho, em Lagoa Grande.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *