Da France Presse O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, se disse “pessimista” nesta segunda-feira, véspera da retomada do diálogo com o governo de...

Da France Presse

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, se disse “pessimista” nesta segunda-feira, véspera da retomada do diálogo com o governo de fato em busca de uma solução à crise política que atinge o país desde o golpe de Estado em 28 de junho último.

“Amanhã [terça-feira] será o dia-chave para ver se tudo isso será resolvido, mas não estou confiante. Acho que o regime golpista se recusar a acatar a resolução da OEA (Organização dos Estados Americanos) e da comunidade internacional”, declarou Zelaya à France Presse.

Depois de três dias de pausa, os representantes dos dois lados voltarão a se reunir amanhã para discutir o ponto central das negociações, o retorno de Zelaya ao poder, que tem sido rejeitado categoricamente pelo governo de fato, apesar das pressões internacionais.

Avanços foram registrados em outros pontos, como a formação de um governo de união nacional, a rejeição de uma anistia e a desistência de Zelaya de convocar uma assembleia constituinte.

Zelaya foi derrubado e expulso do país no dia 28 de junho, quando pretendia organizar uma consulta popular, considerada ilegal pela Corte Suprema, com o objetivo de reformar a Constituição para permitir a reeleição do chefe de Estado.

Neste domingo, o enviado especial da OEA, John Biehl, se disse confiante com as negociações.

“As discussões têm evoluído positivamente. Houve progresso e podemos ter notícias relativamente otimistas na terça-feira”, declarou, ele admitindo, porém, que ainda falta acertar “os pontos mais difíceis”.

Zelaya pediu para ser restabelecido no poder antes da próxima quinta-feira (15), ameaçando exigir um adiamento das eleições gerais de 29 de novembro caso não seja atendido.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *