A oposição abandonou nesta quarta-feira a reunião CPI da Petrobras convocada para ouvir Erardo Barbosa Filho, gerente da área de exploração e produção da...

A oposição abandonou nesta quarta-feira a reunião CPI da Petrobras convocada para ouvir Erardo Barbosa Filho, gerente da área de exploração e produção da estatal. Irritados com a demora dos senadores governistas em marcar reunião da CPI para votar requerimentos e discutir os próximos passos da comissão, senadores do DEM e PSDB se retiraram da reunião –e impediram que representantes da Petrobras fossem ouvidos.

DEM e PSDB estudam abandonar a CPI em definitivo. Os senadores oposicionistas acusam o governo de impedir as investigações, marcando depoimentos de acordo com a sua conveniência.

“A minha proposta é a gente se retirar da CPI e encaminhar o que consideramos grave para o Ministério Público. Os depoimentos que queremos realizar são negados. Prosseguir é compactuar com essa farsa do governo. Vamos nos reunir para ver o que fazer, mas prosseguir nessa comissão, só se for em outras condições”, disse o senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

A polêmica começou depois que o senador João Pedro (PT-AM), presidente da CPI, marcou o depoimento de Barbosa Filho para hoje sem o conhecimento da oposição –que reivindica uma reunião administrativa para a análise de requerimentos. Ao lado do senador Sérgio Guerra (PSDB-PE), Dias anunciou que não compactuaria com uma “farsa” e anunciou a saída da reunião.

A oposição se irritou mais ainda depois de constatar que Barbosa Filho, convidado para depor, enviou outros representantes da Petrobras no seu lugar para prestar esclarecimentos sobre a estatal. “O convidado não veio, vieram dois substitutos. Isso desmoraliza a comissão, não podemos compactuar com isso. Eles querem fazer exposições técnicas sem investigar falcatruas”, afirmou Dias.

O senador Antônio Carlos Júnior (DEM-BA) mostrou um comunicado enviado pela Petrobras na última segunda-feira com a informação de que Barbosa Filho não prestaria depoimento por não ser, dentro da Petrobras, responsável pelos esclarecimentos necessários aos parlamentares.

Segundo o senador, a oposição não foi informada sobre a mudança nos depoimentos pelo comando da CPI. “Na última audiência ficou combinado que haveria reunião administrativa para discutir requerimentos e procedimentos. Eu não virei a nenhuma reunião enquanto não houver a reunião administrativa. Se for para ficar essa palhaçada que está aí, vamos abandonar”, afirmou Júnior.

João Pedro e o senador Romero Jucá (PMDB-RR), presidente e relator da CPI, não estavam na comissão no momento em que a oposição anunciou a debandada da reunião.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *