O senador Expedito Júnior (PSDB-RO) voltou atrás e desistiu de lutar pelo mandato, recém-cassado pelo Supremo Tribunal Federal. O recurso que o parlamentar enviou à...

O senador Expedito Júnior (PSDB-RO) voltou atrás e desistiu de lutar pelo mandato, recém-cassado pelo Supremo Tribunal Federal.

O recurso que o parlamentar enviou à Mesa Diretora na última semana e que causou uma indisposição na Casa chegou a ser enviado  à Comissão de Constituição e Justiça, depois de decisão contrária à vontade do presidente José Sarney (PMDB-AP).

Segundo o presidente da CCJ, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), antes da desistência de Expedito, o colegiado já tinha decidido devolver à mesa a solicitação. “Na realidade, (o senador Expedito) queria mais era transformar a CCJ em um tribunal e não consultar como a mesa deveria proceder. Eu não tenho que dar parecer. Quem tem que resolver isso é a mesa. A CCJ não é um tribunal”, afirmou o parlamentar ao dizer que não exiiste competência legal nem constitucional para revisão de decisões do STF. “Acima do STF, só Deus. Todo rolandolerismo dá nisso”, complementou ao dizer que o impasse mandou “a imagem de todo o Senado para o ralo”.

Com essa decisão, foi aberto o caminho para José Sarney empossar o mais novo senador da República, Acir Gurgacz (PDT). A solenidade acontece neste momento. Gurgacz foi o segundo colocado nas eleições passadas e desbanca Expedito, condenado por compra de votos e abuso de poder no pleito de 2006.

Ele está sendo empossado pelos senadores João Tenório, João Nery e João Durval. O detalhe é que o único que está na Casa por ter efetivamente vencido as eleições é Durval.

Agora, o mais o novo parlamentar também terá que lutar para limpar a própria imagem. Isso porque ele enfrenta acusações semelhantes às do oponente. Há quem diga que Gurgacz tem nas costas mais de 200 processos, que apontam inclusive homicídios. Ele nega, mas no Senado, a notícia não é considerada novidade. “Esse problema só vai se resolver com a aprovação do Projeto Ficha Limpa, que está na Casa”, ressaltou Demóstenes Torres.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *