No dia 4 de setembro de 2006, no auge da eleição para o governo do Distrito Federal, José Roberto Arruda encaminha-se até o escritório...

No dia 4 de setembro de 2006, no auge da eleição para o governo do Distrito Federal, José Roberto Arruda encaminha-se até o escritório do delegado aposentado Durval Barbosa, então secretário do governo e seu coordenador de campanha. Ele aperta a mão de Durval e lhe dá um tapinha nas costas: “Meu presidente!”. Arruda acomoda-se gostosamente no sofá, dá um profundo suspiro e pede um chazinho à secretária. Tira do bolso um papelzinho e diz a Durval: “Queria ver quatro coisinhas com você. Só posso pedir para você porque é algo pessoal”. Arruda começa pela corrupção miúda, pedindo a Durval que consiga emprego para o filho dele numa das empresas que mantêm contratos com o governo. Depois abusa um pouquinho mais e recomenda que o delegado “ajude” a empresa de um amigo. Finalmente pergunta sobre o financiamento para a campanha. “Estou medroso com esse troço”, diz Arruda. Durval tenta tranquilizá-lo: “A gente só não pode internalizar o dinheiro”. Ato contínuo, Durval abre o armário, pega um pacote com 50 000 reais e o entrega a Arruda. “Ah, ótimo”, agradece o candidato. Num lapso de 23 minutos e 45 segundos, com o equipamento do ladino Durval e a desfaçatez de Arruda, produziu-se o primeiro capítulo da mais devastadora peça de corrupção já registrada na história do país.

Leia a íntegra da reportagem no site de Veja clicando aqui.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *