O vazamento de nomes de investigados em ações da Polícia Federal, Ministério Público e Justiça são “gravíssimos” e atentam contra a democracia, segundo advogados...

O vazamento de nomes de investigados em ações da Polícia Federal, Ministério Público e Justiça são “gravíssimos” e atentam contra a democracia, segundo advogados criminais. Ainda mais preocupante é a falta de punição dos responsáveis pela divulgação entre servidores com acesso às informações.
Nos últimos dias, dados sobre a Operação Castelo de Areia, da Polícia Federal, vazaram, indicando possível pagamento de propina pela construtora Camargo Corrêa a políticos.
Os advogados dos envolvidos afirmam que a divulgação dos nomes é “irresponsável”. No caso da Castelo de Areia, ainda não há denúncia formal por parte do Ministério Público, apenas pedidos de mais investigações.
Segundo Roberto Soares Garcia, vice-presidente do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, os vazamentos são “gravíssimos” e ocorrem muitas vezes antes de a defesa ter acesso aos autos do processo. “Interessante que não haja busca de responsáveis”, diz ele.
Garcia acredita que as informações circulam por poucos órgãos e descobrir sua origem não seria difícil. O vazamento, segundo ele, é quebra de dever funcional. “O cidadão vê que quem quebra a lei é quem deveria protegê-la. Passa a sensação de “eu posso tudo'”, diz Garcia.
O criminalista Eduardo Muylaert afirma que vazamentos são crimes tão graves quanto corrupção. “Ainda há a cultura do vazamento impune no Brasil.”
Como exemplo de um vazamento investigado “até o fim”, citou a quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa -episódio que levou à queda do ex-ministro da Fazenda Antônio Antonio Palocci, em 2006. O STF rejeitou a abertura de processo contra Palocci.
Os dois advogados afirmam que o erro está no vazamento, não na publicação dos dados. “O jornalista que publica não faz nada além de seu trabalho”, diz Garcia.Advogados criticam revelação da identidade de investigados

DA REPORTAGEM LOCAL

O vazamento de nomes de investigados em ações da Polícia Federal, Ministério Público e Justiça são “gravíssimos” e atentam contra a democracia, segundo advogados criminais. Ainda mais preocupante é a falta de punição dos responsáveis pela divulgação entre servidores com acesso às informações.
Nos últimos dias, dados sobre a Operação Castelo de Areia, da Polícia Federal, vazaram, indicando possível pagamento de propina pela construtora Camargo Corrêa a políticos.
Os advogados dos envolvidos afirmam que a divulgação dos nomes é “irresponsável”. No caso da Castelo de Areia, ainda não há denúncia formal por parte do Ministério Público, apenas pedidos de mais investigações.
Segundo Roberto Soares Garcia, vice-presidente do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, os vazamentos são “gravíssimos” e ocorrem muitas vezes antes de a defesa ter acesso aos autos do processo. “Interessante que não haja busca de responsáveis”, diz ele.
Garcia acredita que as informações circulam por poucos órgãos e descobrir sua origem não seria difícil. O vazamento, segundo ele, é quebra de dever funcional. “O cidadão vê que quem quebra a lei é quem deveria protegê-la. Passa a sensação de “eu posso tudo'”, diz Garcia.
O criminalista Eduardo Muylaert afirma que vazamentos são crimes tão graves quanto corrupção. “Ainda há a cultura do vazamento impune no Brasil.”
Como exemplo de um vazamento investigado “até o fim”, citou a quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo Costa -episódio que levou à queda do ex-ministro da Fazenda Antônio Antonio Palocci, em 2006. O STF rejeitou a abertura de processo contra Palocci.
Os dois advogados afirmam que o erro está no vazamento, não na publicação dos dados. “O jornalista que publica não faz nada além de seu trabalho”, diz Garcia.

 

Se você é assinante, clique aqui para ler a íntegra no site da Folha

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *