Um dia antes da reunião que provavelmente decidiria por sua expulsão do partido e minutos após ver naufragar na Justiça seu recurso para evitá-la,...

Um dia antes da reunião que provavelmente decidiria por sua expulsão do partido e minutos após ver naufragar na Justiça seu recurso para evitá-la, o governador José Roberto Arruda (DF) anunciou ontem sua desfiliação do DEM.

A medida, que sepulta suas chances de tentar a reeleição em 2010, acontece 13 dias após a revelação da existência de um mensalão do DEM no DF.
Gravado em vídeo recebendo um maço de notas e, em conversas telefônicas, discutindo uma suposta distribuição de dinheiro a aliados, Arruda se concentrará agora na tentativa de se manter no cargo até o final do seu mandato, o que inclui a estratégia de tentar arrastar até o recesso o andamento da CPI e dos três pedidos de impeachment abertos contra ele na Câmara Legislativa do DF.
De acordo com integrantes do DEM, pesou na decisão do governador -até ontem, o único do partido- a avaliação que a desfiliação voluntária seria menos danosa politicamente.
Ao evitar um embate jurídico aberto e o trauma de uma expulsão, dizem esses congressistas, Arruda reúne mais forças para a tentativa de permanência no governo e ganha “pontos” para uma eventual reaproximação com a legenda.
Os advogados de Arruda recorreram ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para tentar anular a reunião. A ministra Cármen Lúcia, porém, negou o pedido, sob o argumento de que a questão é interna do partido.
“Se ele não saísse por vontade própria, sairia empurrado”, afirmou o senador Demóstenes Torres (GO), desde o início um dos principais defensores de sua expulsão imediata.
O gesto de Arruda repete o de 2001, quando também se antecipou à expulsão pelo PSDB devido ao seu envolvimento na violação do sigilo do painel de votações do Senado.
Em entrevista logo após o anúncio da desfiliação, a cúpula do DEM disse que não orientará seus filiados a deixar o governo do DF e manteve a estratégia adotada dos últimos dias de tentar preservar Paulo Octávio, vice de Arruda, presidente do diretório do partido no Distrito Federal e opção da legenda para a eleição de 2010.
“São casos diferentes e devem ser analisados de formas completamente diferentes”, disse Rodrigo Maia (RJ), presidente da legenda. Octávio também é suspeito de integrar o mensalão do DEM. Há documentos e gravações dando conta de que ele seria destinatário de 30% da propina do esquema.
A direção do partido diz que as citações não têm o peso de vídeos como aquele em que o próprio Arruda aparece. “O vice está mencionado como está o Michel Temer [PMDB]. Temos que ter paciência e processar se tiver profundidade”, disse o líder da bancada no Senado, José Agripino (RN).
Já o presidente licenciado da Câmara Legislativa do DF, Leonardo Prudente, filmado colocando maços de notas na roupa e nas meias, deverá ser expulso.
Na mesma entrevista, o partido deu início ao discurso que elaborou para tentar minimizar os prejuízos à sua imagem.
“Vocês já viram partidos cassar ou desfiliar tesoureiros, nunca viram ter a coragem de cassar e desfiliar governador de Estado”, disse o deputado Ronaldo Caiado (GO), líder da bancada, em referência a Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, acusado de envolvimento no escândalo do mensalão. “Demos uma grande resposta ao talvez caso mais grave de nossa história, nos diferenciando de outros partidos”, reforçou Rodrigo Maia.

Se você é assinante, clique aqui para ler a íntegra da cobertura no site da Folha

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *