Quando pensa em fazer seu próprio blog, o internauta logo se depara com o primeiro dilema: hospedá-lo em um servidor público (e gratuito) de...

Quando pensa em fazer seu próprio blog, o internauta logo se depara com o primeiro dilema: hospedá-lo em um servidor público (e gratuito) de blogs ou construir seu próprio domínio ?

A solução para esse dilema vai passar necessariamente por algumas reflexões sobre o futuro. A opção de hoje vai determinar os problemas de amanhã. Por isso, considere a extensão de suas pretensões, não apenas a ferramenta que tecnicamente mais lhe convém no momento.

O principal elemento de atração que os servidores públicos de blog oferecem são a facilidade na utilização das ferramentas, possibilidade “customização” (personalização) das páginas e a estabilidade. Sobre isso, há várias resenhas na internet que podem ser acessadas a partir de uma perguntinha simples no Google.

Antecipo que a maior parte dos blogueiros recomenda o WordPress e o  Blogger. Todos os grandes provedores brasleiros também oferecem a seus asssinantes a ferramentas para construir blogs em seus espaços virtuais.

Quero, no entanto, chamar sua atenção para uma questão que deve ser levada em consideração antes de você fazer seu cadastro e começar a blogar feito um compulsivo. Se a proposta é séria e consistente, você certamente vai se interessar pelo controle do seu acervo de conteúdos. E, em alguns deles, você simplesmente não terá como recuperar automaticamente tudo o que foi postado quando quiser “mudar” seu blog de lugar.

Vale a pena pensar em gastar algum dinheiro, registrar seu próprio domínio e hospedar a página num servidor pago. Não é tão caro quanto você pensa e pode ser muito mais conveniente. Mas também é mais complicado.

Registrando o domínio

O domínio é o nome pelo qual você será conhecido na internet. É tudo o que vem antes do “.com” ou do “.com.br”. O domínio deste blog, para ilustrar, é “www.pannunzio.com.br”. Minha intenção ao registrá-lo foi vincular o conteúdo à minha história como jornalista. Confesso que não foi uma boa idéia. Meu sobrenome é difícil de grafar, tem dois “enes” geminados e muita gente erra ao tentar acessar o site.

A sorte é que os mecanismos de busca hoje estão muito inteligentes — mais até do que certos blogueiros incipentes. Assim, quando alguém quer me encontrar e digita “panuzio” ou “pafuncio” vai acabar me encontrando. Seria ainda mais complicado se fosse “www.abdhullmadalh.com.br” ou coisa parecida. E seria mais fácil se fosse “silva.com.br”.

Como regra geral, quanto mais simples, curto e sonoro foi o seu domínio, mais fácil será para os leitores te encontrarem na rede. Imagine que você um dia se torne um blogueiro famoso. Famoso a ponto de ser convidado para dar uma entrevista numa emissora de rádio falando sobre o seu blog. No final, você diz: “quem quiser acessar meu site só precisa digitar www.abdhullmadalah.com.br”. Ninguém vai entender nadica de nada.

Se você tiver uma boa idéia, bem original mesmo, que preencha todos os requisitos para compor um bom domínio — algo como “dilma.com.br” ou “serra.com.br” –, provavelmente alguém já terá tido a mesma idéia antes. E deve ter gistrado o nome. Então, caberá a você ir testando suas boas idéias, às vezes ao cabo de dias, nos sites que registram domínios.

Para quem é nacionalista e desejar bota um brasileiríssimo “.com.br” no site, como eu, o caminho é o site registro.br. É a autoridade certificadora da internet no Brasil. Você também pode fazer isso por intermédio dos provedores de hospedagem — mas terá que se vincular obrigatoriamente a um deles antes de começar o processo, o que custa algum dinheiro e nem sempre representa a solução mais adequada.

Tudo começa com a pesquisa para saber se o nome que você quer está disponível. Para isso existe um mecanismo de pesquisa na página inicial do registro.br. Lá você poderá se certifica de que se o nome que você deseja já foi registrado ou ainda está disponível.

No caso da FAPESP, que é a “dona” do registro.br, registrar um domínio custa R$ 30,00 por ano. Não é caro e, se você tiver mais que uma boa idéia, vale a pena registrar todas. Trinta mangos para cada boa idéia.

O processo de registro é simples. Você se cadastra no site (para começar já basta clicar aqui), preenche o cadastro e crava o nome que você deseja. Não se esqueça de anotar o nome de login que vão dar pra você e a sua senha. Você vai precisar disso mais tarde.

Para que não faz questão do “.br” há várias outras soluções. A mais popular é o site register.com. Mas não é a mais barata. Registrar seu domínio lá vai custa US$ 34,95 por ano — quase o dobro do que a FAPESP cobra no Brasil.

Mas se você entrar no Blue host, o maior provedor de hospedagem do mundo, vai encontrar a mesma oferta por apenas US$ 10,00/ano. O endereço é www.bluehost.com. Guarde esse nome e esse endereço. Eu ainda vou falar bastante a respeito dele porque constitui as opções mais vantajosas, não apenas para registrar, mas também para hospedar seu site. O único problema é que você precisará de um cartão de crédito internacional para pagar a conta.

Hopedando seu blog

Se você optou por um domínio próprio e o registrou, o próximo passo é encontrar um lugar para hospedar suas páginas. Vou me restringir ao maior provedor brasileiro de hospedagem (host) e à alternativa oferecida nos EUA, que é a mais popular do planeta.

Antes, quero lembrar que não há nenhuma relação, na internet, entre o lugar em que você se encontra e o local onde abrigará seu site. No mundo virtual, a maior distância é um clique. Tanto faz se seu blog estiver dentro de um computador na casa do seu vizinho, em Taiwan ou no Vale do Silício. Os  fatores que importam de verdade são o preço do serviço, a velocidade de acesso às suas páginas e a estabilidade do provedor.

No Brasil, o provedor de hospedagem mais popular é a locaweb (www.locaweb.com.br). Foi o primeiro “host” deste site. Mas , sinceramente, o serviço é ruim e muito caro. Há muitas instabilidades. O site ficava fora do ar várias vez por dia. A configuração também não é fácil, especialmente quando você é obrigado a manipular bancos de dados em php sem ter a menor idéia do que é isso.

O valor mensal, no caso da Locaewb, varia entre R$ 18,00 e R$ 179,00. É claro que você, que está começando, não vai escolher a assinatura mais cara. Mas entenda, desde já, que há diferenças enormes entre o que você pode obter por R$ 18,00 e por dez vezes esse valor.

No Blue Host o mesmo serviço, sem nenhuma limitação, custará US$ 6,95 ao mês — cerca de R$ 12,00 mensais. Isso representa uma economia de 33% em relação ao que você gastaria com o provedor brasileiro.

Antes de fechar negócio com um servidor de hospedagem, verifique cautelosamente se o tráfego de dados é limitado ou não. Preste atenção a todos os ítens que têm um asterisco na frente. O mais importante é você se certificar de que não terá que pagar nada além do valor contratado quando o fluxo de dados aumentar. Isso vai ser muito importante no futuro, quando o seu blog bombar na internet. E muito mais ainda se você tiver muitos arquivos gráficos e videos, que consomem uma banda enorme de conexão.

No próximo sábado você vai aprender a configurar o seu site. E irá colocar uma palavra nova no seu vocabulário: Joomla, um gerenciador de conteúdos gratuito, relativamente fácil de usar e muito competente.

Aproveite os próximos dias para encontrar o seu domínio, registrá-lo e escolher um bom provedor de hospedagem.

 

 

 

 

 

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *