Márcio Falcão O governador afastado e preso do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), foi notificado à revelia nesta segunda-feira de que a Câmara...

Márcio Falcão

O governador afastado e preso do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), foi notificado à revelia nesta segunda-feira de que a Câmara Legislativa abriu processo de impeachment contra ele. Suspeito de comandar um esquema de pagamento de propina, Arruda tem a partir de hoje 20 dias úteis para apresentar defesa.

Acompanhado de dois procuradores da Câmara Legislativa, o primeiro-secretário da Câmara, Batista das Cooperativas (PRP), foi até a Superintendência da Polícia Federal para formalizar a abertura do processo. O encontro entre Arruda e Batista durou cerca de uma hora e o governador afastado não teria assinado o documento. Dois policiais serviram de testemunha.

“O governador se recusou a assinar o documento. Nós o intimamos e agora ele tem um prazo de 20 dias úteis para apresentar a defesa”, disse.

Após a entrega defesa, um parecer será elaborado pela comissão especial da Câmara Legislativa criada para analisar o impeachment. Se aprovado, será encaminhado ao plenário. Pela regras da Câmara, Arruda pode renunciar ao mandato para escapar da cassação até o início da segunda votação em plenário para evitar a perda dos direitos políticos.

A expectativa é de que o processo seja analisado pelos deputados em abril. Caso seja referendado por 16 dos 24 deputados, Arruda fica afastado e um tribunal formado por cinco desembargadores e cinco parlamentares analisa a cassação do governador.

Saúde

Arruda deixou hoje a Polícia Federal para realizar exames no Hospital Juscelino Kubitschek, no Sudoeste, bairro nobre da capital federal. Essa foi a primeira saída dele desde que foi preso no dia 11 de fevereiro.

Arruda reclamou que estava com inchaço e sentindo fortes dores no tornozelo direito, que foi operado no final do ano passado após a ruptura nos ligamentos. Os médicos da Polícia Federal aconselharam que ele fosse levado para avaliação em um hospital. O resultado dos exames ainda não foi divulgado. A consulta levou uma hora e meia.

Os advogados de Arruda disseram ontem que ele apresentava inchaço no tornozelo por causa do quadro de diabetes. Desde que Arruda foi preso, os advogados reclamam das condições do atendimento médico do governador e chegaram a afirmar que reivindicaram uma consulta do médico da família que teria sido negada pela Polícia Federal.

Clique aqui para ler a íntegra no site da Folha

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *