O TRE de Minas Gerais julga, no próximo dia 14, uma das eleições municipais mais viciadas do ano passado segundo o Ministério Público. Se...

O TRE de Minas Gerais julga, no próximo dia 14, uma das eleições municipais mais viciadas do ano passado segundo o Ministério Público. Se os indícios levantados pelos procuradores forem devidamente considerados pela justiça eleitoral mineira, o prefeito João Braz, de Carmo do Paranaíba, vai ser impedido de continuar governando a pequena cidade mineira pela segunda vez consecutiva. O que não falta são evidências de uso da máquina e de compra de votos. O próprio prefeito reeleito admite que prometeu — embora assegure que não tenha feito a entrega — tijolos em troca de votos. De acordo com a legislação, não é necessário cumprir promessas feitas para cabalar votos. Basta prometer para que o candidato seja afastado do mandato.

O processo se arrasta desde o mês de novembro.  Enquanto isso, João Braz continua mandando no Executivo de Carmo do Paranaíba. O caso é emblemático e merece acompanhamento. Se você quer entender o porquê, assista ao vídeo abaixo.

{wmv}prefeito{/wmv}

{comments}

 

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *