Terminou à uma da madrugada, depois de quatro horas de conversa, a reunião entre os presidente Lula e 11 dos 12 senadores petistas. Mas...

Terminou à uma da madrugada, depois de quatro horas de conversa, a reunião entre os presidente Lula e 11 dos 12 senadores petistas. Mas a posição da bancada só vai ser conhecida na manhã desta sexta-feira, às 10 horas, em uma entrevista coletiva do líder Alízio Mercadante (PT-SP).

Eduardo Suplicy (PT-SP) foi incumbido de dizer aos jornalistas, que congelavam sob um frio de 13 graus, apenas que todos os senadores tiveram a oportunidade de dizer ao presidente como se sentem em relação à crise. Sobre o que foi dito, Suplicy se limitou a contar que a bancada no Senado reiterou o que tem sido discutido publicamente — ou seja, seu desconforto diante da insistência de Sarney em permanecer na presidência do Senado.

De acordo com Suplicy, a bancada vai se encontrar novamente na próxima terça-feira, “inclusive para discutir o resultado da reunião entre o presidente Lula e o senador José Sarney”. Isso leva à suposição de que os argumentos apresentados — a bancada é majoritariamente a favor de que Sarney se licencie — podem ter influenciado Lula.

Lula defendeu a permanência de Sarney. Mas pelo pouco que disse Suplicy — e considerando-se que ele foi o porta-voz escolhido –, parece claro que não houve o “enquandramento” da bancada, como esperavam Sarney e o PMDB.

Não  se sabe qual a saída construída durante a reunião no Palácio da Alvorada. Se insistir na tese do afastamento temporário, o PT estará entregando nas mãos do PSDB a presidência do Senado durante a interinidade de Marconi Perillo, primeiro vice-presidente, um nome muito indigesto para Lula. Com a renúncia de Sarney, que o próprio cogitou como alternativa, a sucessão duraria apenas cinco dias. O problema é que o desgaste do processo certamente iria comprometer a já fragilíssima aliança de partidos que dá sustenção ao governo.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *