Eleições 2010: Candidatos invocam Deus e se atacam na propaganda da TV Serra mostra FH e defende governo do antecessor; Dilma exibe Lula As...

Eleições 2010: Candidatos invocam Deus e se atacam na propaganda da TV
Serra mostra FH e defende governo do antecessor; Dilma exibe Lula

As estratégias para o segundo turno dos Candidatos à Presidência, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), ficaram claras na reestréia do programa eleitoral no rádio e na TV, ontem: troca de acusações, comparação entre os governos Lula e FH, e apelos a Deus, à família e à pátria, em meio à polêmica com evangélicos sobre o aborto. Desta vez, porém, Serra já estreou defendendo o legado de FH, cuja imagem foi mostrada quatro vezes no programa. O tucano lembrou que o PT não apoiou o Plano Real e a eleição de Tancredo Neves. Já a propraganda de Dilma levou ao ar um depoimento do presidente Lula, que fez uma invocação de fundo religioso, e defendeu programas como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida. Amanhã, os dois candidatos se enfrentam no primeiro debate. (Págs. 1 e 3)

Dilma defende diretor da EPE
Dilma Rousseff defendeu o ex-assessor Ibanes Cássel, diretor da estatal EPE, e dono de empresa com negócios, com a Petrobras: “É especulação contra a maior empresa do Brasil”. A Petrobras perdeu R$ 19 bi de valor em 4 dias. (Págs. 1, 4 e 35 e editorial)

Marina diz que PV não cairá no fisiologismo
Em entrevista ao GLOBO, a verde Marina Silva, disputada por Dilma e Serra após obter 20 milhões de votos no 1º turno, diz confiar que o PV não cairá no fisiologismo: “Não tenho dúvida de que no PV as pessoas fizeram c1aramente uma opção por discussão programática”. (Págs. 1, 15 e Flavia Oliveira, 38)

Dutra: ‘Houve prostração’
0 presidente do PT, José Eduardo Dutra, admitiu que a necessidade de segundo turno da eleição presidencial causou “prostração” na campanha de Dilma Rousseff. “Mas foi rapidamente superada”. (Págs. 1 e 9)

‘Ausência do BC’ prejudica o câmbio, diz assessor de Serra. (Págs. 1 e 10)

Nobel da Paz a dissidente desafia China
Governo censura notícias sobre premiação de Liu Xiaobo, que cumpre pena de 11 anos por subversão

A China reagiu duramente a premiação do dissidente Liu Xiaobo, de 54 anos, ao Nobel da paz de 2010. Considerado inimigo do regime, o professor, crítico literário e ativista político está preso e condenado a 11 anos, sob a acusação de incitar a subversão contra o poder do Estado, e não foi informado sobre a prêmio. 0 governo considerou a premiação “uma blasfêmia contra os próprios princípios do Nobel” e acionou a máquina estatal da censura, a chamada Muralha de Fogo, bloqueando notícias sobre o Nobel. Horas após o prêmio, sites oficiais mencionaram o anúncio enfatizando apenas o protesto do governo. A casa de sua mulher foi cercada pela polícia. Liu é um dos autores de um manifesto em defesa da liberdade política. “Temos que falar pelos que não podem”, justificou o presidente do Comitê do Nobel, Thorbjoern Jagland. (Págs. 1, 41, 42 e editorial
“Contradições chinesas”).

Inspetor chefiava milicianos no Rio
Oito pessoas foram presas, entre elas um inspetor da Polícia Civil, um subtenente do Exército e dois PMs, numa operação para desarticular mais uma milícia que atuava na Zona Oeste do Rio. Só com a exploração de TV a cabo, o grupo faturava mais de R$ 1,2 milhão por ano. 0 inspetor que foi preso, chefe do grupo, há meses tinha prendido outros milicianos, assumindo o lugar. (Págs. 1 e 22)

Voos: feriadão tem até 39% de atraso
As companhias aéreas começaram mal o feriadão: houve atrasos de ate 39%, no caso da Gol. Mas outras empresas não ficaram longe: 31,9% na Webjet e 29,7% na TAM. A partir de março de 2011, o número de voos será reduzido em Guarulhos para obras. (Págs. 1 e 37)

Bolívia aprova nova lei que ameaça mídia
Controlado pelo partido do presidente Evo Morales, o Senado deu sinal verde a uma polêmica legislação que prevê punição para meios que divulguem informações racistas. A oposição e os meios de comunicação acusaram o governo de buscar a censura. (Págs. 1 e 43)

Brasília tem tremor e superbacteria
Um tremor de 4,5 graus na escala Richter, na divisa entre Goiás e Tocantins, assustou moradores de Brasília, onde uma bactéria resistente a quase todos os antibióticos já tinha provocado um surto de infecção hospitalar, que teria matado 18 pacientes. (Págs. 1, 20 e 21)

Governo prorroga por sete meses franquias dos Correios (Págs. 1 e 37)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *