TCU vai investigar contrato superfaturado nos Correios Para procurador, licitação deveria ter sido anulada depois que vencedor apresentou preço superior ao teto O contrato...

TCU vai investigar contrato superfaturado nos Correios
Para procurador, licitação deveria ter sido anulada depois que vencedor apresentou preço superior ao teto

O contrato superfaturado pelos Correios em R$ 2,8 milhões para favorecer a Total Linhas Aéreas, revelado ontem pelo Estado, será investigado pelo Tribunal de Contas da União. O procurador Marinus Marsico, representante do Ministério Público no tribunal, defendeu a anulação dessa licitação, formalizada em setembro mesmo depois que o vencedor apresentou proposta acima do preço máximo previsto. O processo foi aprovado pelo presidente da estatal, David José de Matos, nomeado pela então ministra Erenice Guerra (Casa Civil). Matos negou haver irregularidade e disse que variações no preço máximo são “comuns”. Para o procurador, porém, “o valor acima do estimado deveria resultar no fracasso da licitação, e não na contratação”. (pág. 1 e Nacional, pág. A4)

Empresa contratada nega irregularidade
A Total Linhas Aéreas argumentou que não há irregularidades na sua recente contratação pelos Correios. Em nota, afirmou que os Correios fixaram um preço de referência e que sua oferta, superior a esse teto, levou em conta “todos custos inerentes à operação” – que, segundo a empresa, não estavam Contemplados na planilha da licitação. (pág. 1 e Nacional, pág. A4)

Túnel para resgate de mineiros fica pronto hoje
Deve ser concluído hoje o revestimento do túnel pelo qual serão resgatados os 33 mineiros presos na mina San José, a 680 metros de profundidade, desde o dia 5 de agosto. “Será como subir em um elevador da base até o topo do Pão de Açúcar”, disse o ministro da Saúde chileno, Jaime Mañalich. (pág. 1 e Internacional, pág. A14)

Taxa sobre investimento asfixia indústria
A elevada carga tributária sobre o investimento produtivo tem asfixiado a indústria nacional. Segundo estudo da Fiesp, um projeto que custaria R$ 75,7 milhões caso não houvesse tributação sobe para R$ 100 milhões. A diferença refere-se a impostos pagos e juros de tributos recuperáveis. (pág. 1 e Economia, pág. B1)

Foto-legenda: Negócios
Nova presidente da GM no Brasil, Denise Johnson fala de sua difícil missão: aumentaras vendas em um mercado atacado pelos asiáticos. (pág. 1)

Belém: 2,2 milhões de fiéis no Círio de Nazaré (pág. 1 e Vida, pág. A18)

A. P. Quartim de Moraes: Não é nada engraçado
De consciente o voto em Tiririca pode ter tido, no máximo, a intenção do deboche. No resto, é pura despolitização e ignorância. (pág. 1 e Espaço Aberto, pág. A2)

Visão global: Nobel chinês

Premiação de Liu Xiaobo desafia Ocidente a repensar a ideia de que avanço econômico levaria à abertura democrática, escreve Fang Li-Zhi. (pág. 1 e Internacional, pág. Al6)

Raul Velloso: A pior solução
A manter-se a tradicional inércia da política fiscal, o ajuste do balanço de pagamentos com o exterior se dará via aumento da taxa básica de juros. (pág. 1 e Economia, pág. B2)

Notas & informações: A sucessão sequestrada
A sucessão presidencial foi sequestrada pelo ativismo de grupos conservadores cristãos. (págs. 1 e A3)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *