Flávio Freire O comando de campanha do PSDB já fala em transição de governo, numa clara demonstração de que o aumento das intenções de...

Flávio Freire

O comando de campanha do PSDB já fala em transição de governo, numa clara demonstração de que o aumento das intenções de votos detectado pelas pesquisas  a favor de José Serra criou, em ninho tucano, o mesmo clima que eles tanto criticavam na candidatura de Dilma Rousseff (PT) no primeiro turno. Em entrevista coletiva convocada às pressas no comitê oficial, o presidente nacional do partido e coordenador nacional da campanha, senador Sérgio Guerra, chegou a dizer no início da noite desta quinta-feira, em São Paulo, que o PT não está disposto a entregar o governo.

– Tenho certeza de que não vão fazer uma transição democrática. Nada parecido com o que fez Fernando Henrique Cardoso. Eles (petistas) não estão dispostos a entregar o governo – disse Guerra, alimentando a animação tucana com a tese de que “muita gente enxerga em Serra a chance de vencer”.

Indagado se não havia na declaração um tom indisfarçável de “salto alto”, o dirigente retrucou:

– O que estamos fazendo é trabalhar para que essa convicção de vitória dos nossos adversários se quebre.

Na entrevista, Guerra ainda saiu para o ataque contra o PT, o governo federal e a campanha de Dilma em diferentes temas. Disse que os adversários adotaram tom mais assertivo no segundo turno porque estariam reconhecendo o esvaziamento das intenções de voto no PT.

– Se ela (Dilma) estivesse tranquila, não teria mudado orientação e atitude na campanha – disse ele, com duras críticas também ao uso da Petrobras na campanha eleitoral.

– Esse pessoal tem uma conspiração contra nós. Eles usam serviços e instituições públicas para nos atacar. Mas não nos ameaçam porque não vai dar certo – disse Guerra, sem citar recentes ataques feitos por Dilma de que o empresário Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, teria fugido com R$ 4 milhões da campanha de Serra.

Clique aqui para ler a íntegra no site do Globo

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *