Polícia ocupa última favela da Tijuca para criar 13ª UPP Ação protege área de estádios e cria cinturão de segurança no bairro A três...

Polícia ocupa última favela da Tijuca para criar 13ª UPP
Ação protege área de estádios e cria cinturão de segurança no bairro

A três dias de completar um ano do ataque de traficantes, que derrubou um helicóptero da PM e causou a morte de três policiais a partir de disparos feitos do Morro dos Macacos, policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) ocuparam ontem a favela em Vila Isabel, dando início a primeira etapa da implantação da 13ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio. Ao todo, 110 homens do Bope, 40 do Batalhão de Choque e 25 dos batalhões da Tijuca (6º) e do Méier (3º) estão na favela e em dois morros vizinhos. Os bandidos teriam deixado a região na noite anterior. Essa ocupação policial é estratégica para a segurança da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, por causa da proximidade do Maracanã e do Engenhão, e vai fechar o cinturão de segurança na Grande Tijuca. A nova unidade vai beneficiar diretamente 12 mil moradores do morro e 27 mil do entorno. (Págs. 1, 19 e 20)

Foto legenda: Policiais do Bope contemplam a vista do alto do Morro dos Macacos, onde não houve resistência dos traficantes que…

Foto legenda: … há 1 ano derrubaram um helicóptero da PM.

Eleições 2010: O novo resgate dos mineiros
Em ato com Serra, Aécio reúne prefeitos contra ‘Dilmasia’

A força do ex-governador e senador eleito Aécio Neves reuniu 450 prefeitos e líderes municipais em apoio a José Serra – muitos adeptos, no primeiro turno, do “Dilmasia”. Serra se disse “o mais paulista dos mineiros e o mais mineiro dos paulistas”. Para contrabalançar o efeito Aécio, a coordenação da campanha de Dilma fez reunião ontem também em Minas. (Págs. 1 e 3)

Foto legenda: Anastasia, Índio, Aécio, Serra e Itamar: “O mais paulista dos mineiros, o mais mineiro dos paulistas” (pág. 1)

Foto legenda: Padilha exibe adesivo de Dilma, ao lado de Patrus, Pimentel e Dutra.

Eleições 2010: Comunidade gay aponta retrocesso
Para militantes, discurso vago de candidatos estimula homofobia e deturpa reivindicações

Líderes do movimento de gays e lésbicas se queixam da atitude dos candidatos José Serra e Dilma Rousseff e da falta de propostas deles para reivindicações dos homossexuais. Na avaliação dos militantes, a pressão dos setores conservadores deturpa a luta por direitos e estimula a homofobia. A principal reclamação é a confusão entre união civil de homossexual – bandeira do movimento – e casamento gay – que as igrejas não aceitam, mas que o movimento não reivindica. “Estão firmando acordos com os conservadores, achando que, no segundo turno, é melhor o voto religioso e conservador que o voto progressista”, diz André Fischer, do Mix Brasil, maior portal GLS do país. (Págs. 1 e 15)

Entre evangélicos, Serra dobrou intenções de voto (Págs. 1 e 9)

Luiz Garcia
0 2º turno é uma caixinha de surpresas – a única que deveria existir… (Págs. 1 e 7)

Heróis do Chile relatam desespero
Após 70 dias, os mineiros chilenos passaram a 1ª noite numa cama de verdade, e relataram momentos de desespero na mina e tentativas frustradas de fuga. 0 grupo se recupera bem e três tiveram alta.(Págs. 1 e 35 a 37)

Reservatórios têm pior nível desde 2006
Com a seca que afeta o país, o nível dos reservatórios das hidrelétricas de Sudeste e Centro-Oeste caiu para 47,2%, o mais baixo desde 2006 para um mês de outubro. No Nordeste, passou a 43,5%, abaixo do patamar seguro. (Págs. 1 e 32)

Os dois lados da moeda
Calculado pela “Economist”, o índice Big Mac mostra as moedas brasileira e chinesa em extremos opostos: o real esta sobrevalorizado em 42%, e o yuan, subvalorizado em 40%. Com o preço do Big Mac aqui (US$ 5,26) daria para comprar dois sanduíches na China (US$ 2,18). (Págs. 1 e 30)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *