Há algo cheirando mal no Senado. Muito mal mesmo. E desta vez o odor não exala do plenário. Vem do Comitê de Imprensa. No...

Há algo cheirando mal no Senado. Muito mal mesmo. E desta vez o odor não exala do plenário. Vem do Comitê de Imprensa.

No início, os jornalistas que lá trabalham perceberam, trocaram olhares suspeitos e decidiram ficar quietos. Mas uma prova cabal das “irregularidades” logo foi identificada.

A primeira reação foi de espanto. “Quem seria capaz de uma atrocidade dessa natureza?”, perguntavam-se os repórteres. Ou melhor: as repórteres. Sim, havia motivos de sobra para supor que uma mulher fosse a autora.

Uma comissão informal logo foi criada. Servidores terceirizados entraram em campo para cumprir a espinhosa missão de apagar os vestígios. Tudo parecia sob controle quando….

… Apareceu a segunda prova.

Pasmo. Espanto geral. Reuniões. A comissão informal passou a inquirir, não sem um certo constrangimento, todos os que potencialmente estiveram nas instalações envenenadas. Tudo corria à boca miúda. Era preciso manter a imprensa (a imprensa masculina) longe do caso. A desconfiança recíproca aumentou, chegando ao ponto de quase esgarçar algumas relações.

Quem teria motivos para fazer aquilo? As suspeitas recaíram sobre duas servidoras que nada têm a ver com as atividades desenvolvidas naquele local. O fato foi entendido como uma espécie de sabotagem feita por pessoas que concorrem pelas mesmas funções.

Em outras palavras, uma disputa política — com sutilezas que normalmente não se encontram no Congresso. Nem o Renan, nem o Sarney, nem a Ideli, nem o Almeida Lima, nem o Wellington Salgado, nem o Arthur Virgílio, nenhum deles jamais sequer cogitou usar esse tipo de artimanha para emporcalhar adversários.

As provas coletadas não foram suficientes para apontar o autor. A solução foi afixar o aviso (na foto à direita)  no local do crime pra prevenir novas ações. Desde então, ninguém mais fez cocô no chão do banheiro feminino.

O Comitê de Imprensa pode, finalmente, respirar aliviado.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *