LEONARDO SOUZA, da Folha de São Paulo DE BRASÍLIA Investigação da Polícia Federal fez conexão entre a quebra do sigilo fiscal de pessoas ligadas...

LEONARDO SOUZA, da Folha de São Paulo

DE BRASÍLIA

Investigação da Polícia Federal fez conexão entre a quebra do sigilo fiscal de pessoas ligadas ao candidato José Serra (PSDB) e o dossiê preparado pelo chamado “grupo de inteligência” da pré-campanha de Dilma Rousseff (PT).

A PF já descobriu quem encomendou as informações: o jornalista Amaury Ribeiro Jr., ligado ao “grupo de inteligência”.

Também identificou o homem que intermediou a compra dos dados obtidos ilegalmente em agências da Receita no Estado de São Paulo. Trata-se do despachante Dirceu Rodrigues Garcia.

O elo foi estabelecido a partir do levantamento de ligações entre o despachante e o jornalista revelado pelo cruzamento de extratos telefônicos obtidos pela PF com autorização judicial.

O uso de informações confidenciais de tucanos no dossiê petista foi revelado pela Folha em junho.

Em depoimento à polícia neste mês, Garcia confirmou que Amaury pagou pelos dados da filha e do genro de Serra, Verônica e Alexandre Bourgeois, do dirigente tucano Eduardo Jorge e de outros integrantes do PSDB. O despachante disse ter recebido R$ 12 mil pelo trabalho.

O “grupo de inteligência” era responsável pelo levantamento de informações e confecção de dossiês que pudessem ser usados na campanha contra os adversários.

Amaury até hoje negava que estivesse trabalhando para a campanha do PT. Mas ele participou de reunião da “equipe de inteligência” em 20 de abril deste ano, num restaurante de Brasília.

Na época, o responsável pela comunicação da pré-campanha de Dilma era o jornalista Luiz Lanzetta, que participou do encontro. O flat em que Amaury estava hospedado em Brasília era pago pelo partido.

Desde que a existência do grupo foi revelada pela revista “Veja”, Amaury atribui a uma ala do PT o furto de informações de seu computador pessoal e o vazamento “por interesse político”.

Em um primeiro momento, o despachante Garcia afirmou à PF não ter envolvimento com o caso. Mas, confrontado com o histórico de telefonemas dele com Amaury, admitiu o pedido e a execução dos serviços.

A investigação foi aberta a partir de reportagem da Folha revelando que cópias de cinco declarações de renda de Eduardo Jorge faziam parte do dossiê que circulava entre pessoas ligadas ao “grupo de inteligência”.

Ontem, a advogada de EJ foi à Superintendência da PF em Brasília para obter novas informações e cópias de depoimentos do inquérito.

Segundo a investigação, quando os dados dos tucanos foram encomendados em outubro de 2009, Amaury ainda mantinha vínculo profissional com o jornal “O Estado de Minas”.

O PT atribui ao diário proximidade política com o ex-governador tucano Aécio Neves, eleito senador.

A partir de depoimentos e cruzamentos telefônicos, a PF mapeou a cadeia da quebra dos dados fiscais.

Amaury não só fazia a encomenda, segundo a PF, como ia a São Paulo buscar os documentos. As viagens eram pagas pelo jornal.

Garcia fazia contato com o office-boy de São Paulo Ademir Cabral. Este acionava um outro despachante, Antonio Carlos Atella.

Atella tinha dois caminhos para obter os dados. O primeiro por meio da falsificação de uma solicitação de cópia de documentos da Receita. O segundo era contatar o despachante Fernando Araújo Lopes.

Segundo a PF, Lopes pagava Adeildda dos Santos, funcionária lotada na agência da Receita em Mauá (SP), que acessou os dados.

Assinante, leia mais na Folha de S.Paulo – PF liga quebra de sigilo à pré-campanha de Dilma – 20/10/2010.

Comentários

  • Marcelo Idiarte

    20/10/2010 #1 Author

    Primeiro: não foram apenas pessoas do PSDB que tiveram o sigilo violado. Lula, Guido Mantega e Tarso Genro, entre outros, também estavam no rol: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/699422.pd

    Segundo: Serra já sabia disso pelo menos desde outubro de 2009. E na época não ele estranhamente viu nenhuma motivação "política" no caso, conforme ele próprio dá a entender em entrevista ao SBT, no dia 09/10/2009:

    Terceiro: a própria SPTV, afilhada da Globo em São Paulo, veiculou matéria meses antes, em 04/07/2009, citando o vazamento de dados da Receita:

    Quarto: o que dizer da própria filha do Serra, Verônica Serra, que abriu uma empresa em Miami para concorrer com a SERASA e deixou vazar dados de 60 milhões de cidadãos brasileiros? http://www.cartacapital.com.br/politica/sinais-tr

    Aliás… cabe dizer que essa empresa da Verônica Serra tinha ligações com outra Verônica: a Dantas, irmã do inexpugnável Daniel Dantas. Se puxar o fio desse nó, com certeza sai mais coisas do que o vazamento que interessou tanto à nossa imprensa.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *