Da Folha de São Paulo O comando da campanha de José Serra (PSDB) avalia que houve uma perda de fôlego nos últimos dias e...

Da Folha de São Paulo

O comando da campanha de José Serra (PSDB) avalia que houve uma perda de fôlego nos últimos dias e estuda como manter a candidatura em ascensão.

Um reflexo disso foi o abandono do tema do aborto e de questões religiosas pelo tucano, que, ainda no fim do primeiro turno, identificou o assunto como calcanhar de Aquiles da campanha de Dilma Rousseff (PT) e como fator que contribuiu para sua chegada ao segundo turno.

O tema, contudo, já começa a ser visto com potencial negativo pelo PSDB, especialmente depois que a mulher de Serra, Monica, acabou incluída involuntariamente no noticiário, após o relato, feito por uma ex-aluna sua, de que ela havia feito um aborto no exílio no Chile.

No último debate, na RedeTV!, o tema foi escanteado pelos dois lados e deixou de aparecer no programa de TV.

PESQUISA

Ontem, o partido demonstrou publicamente uma contrariedade em grau ainda não manifestado em relação a uma pesquisa do Vox Populi que apontou crescimento da vantagem de Dilma Rousseff (PT) sobre o tucano, após uma onda positiva para Serra desde o primeiro turno.

A pesquisa deu início a um procedimento raro na campanha de Serra. O presidente do PSDB e coordenador da campanha, Sérgio Guerra, decidiu conceder entrevista coletiva com o objetivo de desqualificar o instituto e os números da pesquisa, que apontam ampliação da vantagem de Dilma sobre Serra.

Guerra fez um pronunciamento de nove minutos recheado de duros ataques ao instituto. Apesar das críticas, ele não anunciou nenhuma medida judicial em relação à pesquisa ou ao instituto.

Ao fim do prounciamento, não concedeu entrevista, como previsto inicialmente (leia mais nesta página).

Um tucano também afirmou ontem que a expectativa do partido é que a próxima pesquisa Ibope, que deve ser divulgada hoje, também aponte um crescimento de Dilma, interrompendo a trajetória ascendente de Serra.

No quesito escândalos, o caso do ex-diretor de engenharia da estatal Dersa, Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, responsável pelas principais obras viárias do governo Serra em São Paulo e que teria “fugido” com R$ 4 milhões destinados à campanha tucana, assumiu, para o PT, o papel que o caso Erenice Guerra teve para os tucanos no primeiro turno.

Exemplo disso é que, agora, sempre que questionada sobre o suposto envolvimento de sua ex-braço direito em tráfico de influência na Casa Civil, Dilma passa a usar o caso Paulo Preto como uma espécie de contraponto.

Ontem Serra obteve no TSE direito de resposta no programa da petista Dilma Rousseff no rádio e na TV. A maioria dos ministros do tribunal considerou que a campanha petista errou ao dizer que Serra participou da privatização de 31 empresas quando governou o Estado de São Paulo. Segundo a defesa do tucano, foram apenas nove empresas privatizadas.

Serra terá direito de usar, como resposta, dois minutos no programa de Dilma na TV e um minuto no rádio.

via Folha de S.Paulo – Campanha de Serra vê perda de fôlego e traça mudanças – 20/10/2010.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *