A tarde desta quinta-feira começou tumultuada no Senado Federal. Cerca de trinta estudantes se espalharam pelo Congresso Nacional para dar força ao movimento Fora...

A tarde desta quinta-feira começou tumultuada no Senado Federal.

Cerca de trinta estudantes se espalharam pelo Congresso Nacional para dar força ao movimento Fora Sarney. Com pizza na mão, conseguiram passar pela segurança da Casa.

O único entrave que encontraram foi a retirada da camiseta com a letra “S” que um dos universitários carregava.

Mesmo assim, não houve problemas! O novo movimento “Fora ARNEY” conseguiu despertar a curiosidade de quem passava pelo Túnel do Tempo da Casa também conhecida lá fora como “Circo dos Horrores”.

No protesto, os manifestantes comeram pizza e pediram a renúncia imediata do presidente José Sarney. O ato simbólico é uma alusão ao comentário feito ontem pelo presidente Lula, que disse que “os senadores são bons pizzaiolos”. “Tivemos no mínimo 20 escândalos envolvendo Sarney. A sociedade está inconformada com o Senado e exige moralidade pública”, afirmou o estudante de Ciência Política da Universidade Federal de Pernambuco, João Francisco Araújo. “Eles (senadores) acham que a sociedade não se revolta? Somos apenas trinta entre milhões de brasileiros indignados”.

Segundo João, o movimento não assume posição partidária mas, assim como alguns políticos, exige a renovação do quadro da Casa. “Sarney é o símbolo dessa corja toda. Não dá para ficar com acordo de bastidores”.

Os manifestantes também se mostraram revoltados com a escolha do senador Paulo Duque para presidir o Conselho de Ética, reinstalado ontem depois de meses fora de funcionamento. Para eles, a credibilidade deixou de existir. “Não temos esperanças de que esse Conselho de Ética vá investigar as irregularidades”, conta João Araújo, que também pediu a saída do peemedebista e ex-presidente da Casa, Renan Calheiros.

E a mobilização não dever parar por aí. “Esse é só o primeiro ato secreto de uma série que pretendemos fazer”, reitera o estudante de Pedagogia da Universidade de Brasília, Rodrigo Pilha. De acordo com o universitário, outros movimentos vão ser planejados para assim que o recesso parlamentar terminar.

Twitteiros, blogueiros e membros de comunidades da página de relacionamentos Orkut engrossam o coro, programando reuniões deste tipo pela internet.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *