A Corregedoria da Polícia Civil arquivou o inquérito que investigava dois delegados suspeitos de abuso de autoridade na prisão de uma escrivã, no 25º...

A Corregedoria da Polícia Civil arquivou o inquérito que investigava dois delegados suspeitos de abuso de autoridade na prisão de uma escrivã, no 25º DP, no bairro de Parelheiros (zona sul).

Conforme a denúncia, os policiais Eduardo Henrique de Carvalho Filho e Gustavo Henrique Gonçalves, ambos da Corregedoria, tiraram a calça e a calcinha da escrivã.

Ela era investigada sob suspeita de receber propina.

Um vídeo divulgado pelo blog do jornalista Fábio Pannunzio (www.pannunzio.com.br) mostra que, na prisão em flagrante, os delegados determinaram que ela tirasse a roupa para checar se havia escondido dinheiro de propina na calcinha.

O caso aconteceu em junho de 2009. Os policiais retiram a calça e a calcinha dela e encontram R$ 200. “Foi um excesso desnecessário. Ela não queria passar pelo constrangimento de ficar nua na frente de homens”, diz o advogado Fábio Guedes.

A escrivã foi expulsa da polícia em outubro de 2010. Ela já foi libertada e seus advogados recorreram da decisão que a exonerou.

Para a corregedora Maria Inês Trefiglio, a ação respeitou o limite do poder de polícia. Ela diz que a divulgação tem motivação política.

Ouvido no inquérito que investigou os policiais, o promotor Everton Zanella disse que a retirada da roupa foi uma consequência do transcorrer da operação.

A Folha não encontrou os delegados investigados.

via Folha de S.Paulo – Corregedoria arquiva caso de abuso contra escrivã – 20/02/2011.

Comentários

  • Carlos

    09/03/2011 #1 Author

    Esses delegados são uns bandidos, covardes e merecem ser punidos com todo o rigor da lei!!

    Se houver justiça, eles tem que ser presos, processados e expulsos da polícia!!

    Responder

  • Efigênia

    28/02/2011 #2 Author

    Absurdo ainda maior é o fato de um Promotor de Justiça ter achado tal ação normal – era a única instituição em que ainda colocava credibilidade, espero que a instituição corrija tamanha falha. Se não fosse pela reportagem, esse bando de criminosos continuariam ilesos para cometer barbáries maiores. Duvidoso encontrar notas na calcinha que não tinham sequer um amassado; ainda, não consegui enxergar de onde aquelas notas foram tiradas, pois vi apenas uma vítima ser molestada por um bando de marmanjos – todos, sem exceção devem ser demitidos e responderem por crime, pois ali todos foram coniventes, vez que ninguém impediu tal barbárie. Covardes. Criminosos. Corregedora tão criminosa quanto os demais.

    Responder

  • George

    24/02/2011 #3 Author

    Talvez a corregedora Maria Inês Trefiglio ache normal, respeitoso e dentro de limites aceitáveis o poder de polícia ao constrager alguém. Acharam R$ 200,00 na calcinha da escrivã, será que a corregedora Maria Inês Trefiglio tiraria sua calcinha por quanto?

    Responder

  • paulo

    24/02/2011 #4 Author

    Por um momento pensei que estivéssemos no oriente médio.onde lá a mulher é só uma sombra dos homens,e outra se fosse um marmanjo fortão ,duvido que esses "policiais" fariam tanta questão.essa democracia é a nossa vergonha,essa corregedoria não tem peso de seriedade.

    Responder

  • luciana

    21/02/2011 #5 Author

    estou perdida!!!! Uns acham uma barbaridade a ação dos policiais…e com isso fica de lado o também absurdo que é receber propina. Gente é violencia de td lado. Os padroes eticos e morais estão completamente distorcidos, ambos estão errados. Mais o que é errado pra vc?

    Responder

  • Joel

    21/02/2011 #6 Author

    Os fatos demosntrados em video com reflexos mundiais, demonstram a barbarie que se oculta a Corregedoria da Policia Civil do Estado de São Paulo. Um ato vergonhoso e sem prescedentes na história. Cenas bizarras, dantescas, infamantes, etc. Espero que a OAB e os orgãos de defesa da mulher que se restringem a retóricas pífias, hipócritas e demagógicas. O ministério Público queda-se inerte diante de tamanha aberração moral, humana e legal. Tudo foi para o lixo, constituição, leis ordinárias e os mais elementares principios de direito.

    Responder

  • TIGRE

    21/02/2011 #7 Author

    Lastimável, lastimável. Os policiais tem apenas que cumprir a lei. Corregedoria! Afinal que casos as corregedorias estiveram realmente ao lado da lei?

    Responder

  • revoltado

    21/02/2011 #8 Author

    Corregedoria de merda…
    E
    Ministério Público de merda…
    Ser essa Porra fosse um País sério esses merdas estariam presos!!!

    Responder

  • Luciano Prado

    20/02/2011 #9 Author

    Quando todos – corregedoria, polícia e ministério público paulista – acham tudo isso muito normal é porque o câncer evoluiu para metástase.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *