Com informações da CNN – A explosão da usina nuclear de Fukushima não foi causado por danos ao reator nuclear, mas por um sistema...

Com informações da CNN – A explosão da usina nuclear de Fukushima não foi causado por danos ao reator nuclear, mas por um sistema de bombeamento que falhou enquanto equipes tentavam fazer baixar a temperatura do núcleo.

De acordo com um porta-voz do governo japonês, técnicos que trabalhavam na usina estavam inundando o reator com  água do mar para levar a temperatura do núcleo a níveis seguros.

O governo assegura que ss níveis de radiação caíram desde a explosão e não há nenhum perigo imediato. Mas as autoridades estão ampliando o raio de evacuação para um raio de 20 km (cerca de 12,5 milhas) ao redor da planta.  A evacuação já alcançou a 10 km.

Mais cedo, a Tokyo Electric Power Company informou que, enquanto sistemas de refrigeração em três dos quatro reatores falharam  após o terremoto, os níveis de água nos reatores da planta Daini estavam estáveis ​​e os monitores não teriam detectado níveis elevados de radiação nos limites da usina. Mais de 83.000 pessoas vivem a até 10 quilômetros das duas plantas, de acordo com a agência de energia nuclear japonesa.

Se os reatores não forem refrigerados, as barras de combustível no interior do núcleo podem derreter, o que pode causar enormes danos ao reator ou, no pior dos casos, a liberação de material radioativo no ar ou na água, elevando o risco de câncer e outros problemas de saúde, dizem especialistas.

O governo também estava se preparando para distribuir pastilhas de iodo para os moradores, afirmou a Agência Internacion al de Energia Atômica. O iodo é normalmente prescrito  para ajudar a evitar a exposição da glândula tireóide a altos índices de radioatividade.

A explosão ocorreu por volta das  3h30 deste sábado. Quatro trabalhadores ficaram feridos na explosão. As paredes de um edifício de concreto em torno do reator entraram em colapso, mas o núcleo e seu sistema de contenção não teriam sido danificados.

Um porta-voz da Agência de Energia  Nuclear do Japão declarou anteriormente que material radioativo havia vazado de um dos cinco reatores nucleares na usina Daiichi, localizada a cerca de 160 milhas (260 km) ao norte de Tóquio. A agência nuclear do Japão admitiu que havia uma forte possibilidade de que césio radioativo tenha sido liberado para o meio-ambiente depois do derretimento de uma barra de combustível na usina, acrescentando que os engenheiros continuavam a esfriar o núcleo com o bombeamento de água em torno deles.

O césio é um subproduto do processo de fissão que ocorre em usinas nucleares. Uma fonte da agência ponderou que  “é claramente uma situação séria, mas que por si só não significa necessariamente contaminação (nuclear) maior.”

“Esta é uma situação que tem o potencial para uma catástrofe nuclear. É basicamente uma corrida contra o tempo, porque o que tem acontecido é que os operadores de planta não foram capazes de arrefecer o núcleo de pelo menos dois reatores”, disse Robert Alvarez, estudioso sênior do Institute for Policy Studies, em Washington.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *