Repercutindo o Blog: Operação Pelada chega ao Global Voices

On February 18, journalist Fábio Pannunzio’s blog [pt] and the TV station Rede Band [pt] released a 13-minute video in which a female desk officer with the state police of São Paulo was discharged and strip searched by male investigators from the statewide Office of Internal Affairs.

Screenshot from the video in which a female desk officer is being handcuffed and stripped by police officers

The case goes back to 2009. At the time, according to Pannunzio and Rede Band, the desk officer had received money from a person accused of carrying a weapon as a bribe for not formally imprisoning the accused. When the delegation of all male representatives from the state police’s Office of Internal Affairs showed up at the precinct, they obligated the female desk officer to submit to a strip search in order to find the money. She did not object to submitting herself to a full search.

To the contrary; she merely asked that she be searched by female police officers. But her cries were in vain. Handcuffed and thrown to the ground, she quickly had her underwear and lingerie ripped off by a representative who subsequently affirmed that he had indeed found the supposed bribe money on the desk officer’s person. On account of the cash found, the desk officer was discharged and now faces criminal bribery charges.

The full video of the incident can be viewed on Vimeo.

The blogosphere immediately expressed its repudiation of the Office of Internal Affairs’ attitude, stressing the illegality of the measures taken and the office’s disregard for the basic principles of a democratic state of law.

A policial sendo despida por delegadosVladimir Aras’ Blog do Vlad states that the search performed by the representatives of the Office of Internal Affairs and the aggression taken towards the desk officer were the true crimes documented in the video [pt]:

Ao desnudarem à força uma mulher algemada e humilhada no chão de uma delegacia, esses agentes da lei não expuseram apenas “as vergonhas” da suspeita. Exibiram de forma exuberante o vexaminoso cotidiano de parte da Polícia brasileira, useira e vezeira em afrontar direitos humanos dos cidadãos.

When the representatives of the Office of Internal Affairs forcefully stripped a handcuffed women who had been humiliatingly thrown onto the precinct’s floor, these officers of the law did more than merely expose the suspect’s “shameful actions.” They exaggeratedly brought to light the Brazilian police force’s shameful, commonplace and frequent disregard for human rights.

In the blog Flit Paralisant, police officer Guerra reminded readers that the desk officer had filed a complaint with the Attorney General’s Office in 2009 to investigate the abuse of power but that the claim had been swiftly dismissed. The state attorney in the case saw no indication of any crimes committed by investigators from the Office of Internal Affairs. Copies of the request for dismissal are available on the blog as is an e-mail relating the case sent by the desk officer that same year [pt]:

O Dr. Eduardo então mandou que eu me despisse por inteira, passei a ficar indignada pois jamais tiraria minhas vestes na frente de oito homens desconhecidos e cheguei a solicitar de joelhos que fosse acionada uma delegada, investigadora ou escriva da corregedoria, visto que propus retirar a roupa somente na frente da policial feminina, respondendo o delegado que não confiava na policial e dizendo com tom ameaçador que só sairia dali ao me ver “pelada” (…)

Dr. Eduardo then ordered me to strip down entirely; and I was offended because I would never take off my clothes in front of eight unknown men. So I begged them on my knees that they call in a female officer, investigator or desk officer from the Office of Internal Affairs since I offered to take off my clothes only in front of a policewoman; the male investigator responded that he did not trust a police woman and threatened that he would only leave the office after seeing me “in the flesh.”

The inspector for the state police of Rio de Janeiro, Eduardo Stein, who also edits the blog Caso de Polícia (Police Case), vented his frustration [pt]:

Infelizmente já vi em vídeos do Youtube centenas de cenas de violência policial praticadas contra cidadãos inocentes ou criminosos. São momentos em que sinto grande e verdadeira vergonha de compartilhar de um cargo policial com determinadas pessoas.

Mas, verdadeiramente, hoje não fiquei só enojado ou envergonhado. Senti na verdade uma ânsia de vômito. Desgosto. Abominável.

Unfortunately, I have seen hundreds of Youtube videos documenting police violence against both innocent citizens and criminals. Every time I feel such immense and profound shame at sharing a profession with certain individuals.

But, truthfully, today I did not feel just disgusted or ashamed. I actually felt sick to my stomach. Nauseated. It’s abominable.

Danillo Ferreira, a police officer with the military police of Bahia, in his blog Abordagem Policial (Police Approach), states that the behavior of the investigators from the Office of Internal Affairs is not proper and is not what one would expect of an officer [pt]:

Um ato que merece o repúdio público, mesmo que haja provas que atestem o crime da ex-policial.

These actions merit public objection, even if there is proof of the former desk officer’s having committed a crime.

After the video was released, the Office of Internal Affairs, cowering from the public outcry, held that is officers committed no irregularities. The blog Escreva, Lola, Escreva (Write, Lola, Write) [pt], by Lola Aronovich, stressed that the incident may be rooted in police officer’s sexual satisfaction:

Isso me fez lembrar o que Susan Brownmiller conta em seu clássico dos anos 70, Contra a Nossa Vontade. Era comum vítimas terem que narrar nos mínimos detalhes o seu estupro para policiais homens que ora não acreditavam nelas, ora pareciam se excitar com a narrativa. Isso quando essas vítimas não ouviam do policial: “Mas quem iria querer te estuprar?”

This reminds me of what Susan Brownmiller recounts in her 1970s classic Against Our Will. It was common for victims to have to narrate their rape down to the most minute detail either because male police officers did not believe them or because the officers seemed to become sexually aroused by the narrative. The victims were subject to this humiliation, of course, when they were faced with male officers’ goading, “But who would want to rape you?”

According to blogger Luka of Bidê Brasil, violence is run of the mill for the Brazilian police force, which assumed its current structure during the years of the military dictatorship:

O caso da ex-escrivã só mostra o quanto os direitos das mulheres são colocados de lado em diversas ocasiões, ainda mais quando vemos que havia 2 policiais femininas no local e que nada fizeram para não acontecer tal afronta, fora a lastimável declaração da Corregedora e do Governador dando razão a ação dos policiais. No final das contas este caso acaba sendo apenas mais uma ilustração de como o tucanato trata os direitos humanos e em especial os direitos humanos das mulheres, como se fossem descartáveis.

The case of the former desk officer simply shows the extent to which women’s human rights are pushed aside on multiple occasions, even more glaring given the fact that two female officers were present and did nothing to prevent the incident. Not to mention the pitiful statement by the Office of Internal Affairs and the governor condoning the male investigators’ actions. In the end, this case is yet another example of how the centrist Brazilian Social Democratic Party views human rights, and especially women’s human rights, as disposable.

Many twitterers defended the female desk officer, but, even more surprising were those who supported the male investigative officers:

@fabioninja [DJ Fabio Ninja]
Pessoal fala em abuso de poder (quanto ao caso da escrivã nua), mas ninguém menciona que, de fato, o delegado estava correto.

@fabioninja [DJ Fabio Ninja] Everyone’s talking about the abuse of power (in the case of the naked desk officer), but nobody’s mentioning the fact that the investigator was actually right.

@rodaabaiana [Iemai]
Sobre o caso da escrivã: se ela não tivesse cometido o crime, o ato não seria necessário. Criminoso tentando sair de vítima me cansa.

@rodaabaiana [Iemai]
As for the case of the desk officer: if she hadn’t committed the crime, this incident wouldn’t even be necessary. The criminal trying to play victim wears me out.

@allandematos [Allan Matos]
Sobre o caso da ex-escrivã nua: Acho que realmente houve exagero, mas a atitude dos delegados foi digna. Corrupção deve sempre ser combatida.

@allandematos [Allan Matos]
As for the case of the naked former desk officer: I think they really did go overboard, but the investigators’ attitude was dignified. Corruption should be fought.

Maria do Rosário, Ministra de Direitos HumanosMaria do Rosário, the Minister of Human Rights Photo by Agência Brasil, distributed under a Creative Commons — Attribution 2.5 Brazil license.

In a message to the press, Human Rights Minister Maria do Rosário called for the discharge of all police officers responsible [pt]. Fearing that the case would head to the federal courts, Governor Geraldo Alckmin, in addition to honoring the minister’s request, discharged the director of the Office of Internal Affairs as well [pt] and further indicated that the state security secretary might also be discharged.

Oddly enough, the investigators had been complaining of the harsh measures [pt] adopted by the state police’s Office of Internal Affairs for some time and had fought to discharge the office’s directors.

The security secretary was appointed by former Governor José Serra, unlike the political group under the current Governor Alckmin, who wished to appoint someone of his personal trust to the post [pt]. Considering the consequences of this case, it will be very difficult to discover who was responsible for releasing the video.

Comentários

7 thoughts on “Repercutindo o Blog: Operação Pelada chega ao Global Voices

  1. Greve dos delegados? e os demais?

    Esse MAL não é privilégio dos delegados. Todas as carreiras são mal remuneradas. Grande parte do efetivo possui dois ou três empregos para conseguir manter a família, continuar estudando…
    Sua maioria está afogada em dívidas com empréstimos além de ter seu nome listado no SPC/SERASA.
    O estado que tem o maior PIB do país maltrata seus policiais deixando-os à mingua.
    Triste situação dos policiais de São Paulo.

  2. É lamentável que este caso tenha repercussão fora do nosso país. Mas por um lado é importante também, já que autoridades brasileiras não tomam providências cabíveis quanto ao ato de tortura, que é repugnante. Assim serão vistos como omissos e “dignos” de vergonha perante a humanidade. Há um desrespeito claro à Carta dos Direitos Humanos. Até quando os responsáveis ficarão impunes? Não basta só transferi-los como o governo fez. Ao fazer isto demonstrou que não tem um pingo de responsablilidade, justiça e respeito com o ser humano, seja de que sexo for. O governo de São Paulo ao deixar que atos como esses, cometidos por seus próprios funcionários, sejam relevados não merecem a confiança do povo. A política para eles é mais importante do que o cidadão que o elege.
    “A lei e a ordem são o primeiro pré-requisito da civilização; em grande parte do mundo elas aparecem estar evaporando; numa base mundial, a civilização parece, em muitos aspectos, estar cedendo diante da barbárie, gerando a imagem de um fenômeno sem precedentes, uma “Idade das Trevas” mundial, que se abate sobre a humanidade” (Samuel P. Huntington, em “O choque das civilizações”)
    Isto só em âmbito mundial? Não. A lei não está sendo para todos, a ordem não está sendo mantida por todos. Uns podem cometer crimes (alto escalão) outros não podem e, ainda correm risco de serem castigados “exemplarmente”. A lei é para todos, o governo tucano tem que mostrar que é imparcial, não pode combater o crime cometendo tantos outros. Sejam responsáveis e façam cumprir a justiça, pois do jeito que está eu não sei não.

    • Sr.Argenaul,

      Não lhe causa estranheza o fato de que o governo federal,estando a par de toda esta bestiliadade cometida pelos agentes da lei,nada faça.Cobrar providências e não acompanhar o que está sendo sendo feito,no mínimo é irresponsabilidade,são 32 ministérios, e para que?
      A Ministra dos Direitos Humanos se manifestou,e nada.
      O Ministro da Justiça,nada fez.
      OCNJ não federalizou o caso,eu realmente não entendo,ou subentendo que aceitam, e se deleitam com discursos formais e de pouca valia funcionalmente falando. Este não é um país sério,De Gaulle.

    • Acredito que esta omissão por parte do governo federal em termos de ação seja de ordem (briga) política. O PSDB (que manda o social para o brejo, de democrático não tem nada e brasileiro que vai se f…) aprontou muito, tem muita sujeira por debaixo do tapete. Muita coisa vai emergir das profundezas do oceano. Um mistério ronda nestes mandos e desmandos do secretário da SSP e o governador de mãos algemadas para trás está com medo que lhe arranquem sua calça e cueca e mostrem as suas vergonhas. O PT no governo federal ganhará com o enfraquecimento do PSDB em SP. Mesmo que isso demore. O PSDB está no comando de SP há muito tempo, quanta sujeira deve ter! Perderam a presidência mais uma vez e agora acho que vão ter o troco. A bolinha de papel que o Serra levou na cabeça pode causar dor futura. A Polícia Civil deveria estar unida para uma greve, mas começaram a discutir entre eles e, isso é ruim para TODO MUNDO. Deveriam se unir para não só pedir aumento mas respeito também. É ISSO AÍ…

  3. Parece-me que a pasta da segurança pública está padecendo de um mal incurável, traição e jogos de interesses, que
    no mínimo vêm trazendo desgastes irreparáveis,onde não se separa o joio do trigo,onde todos são colocados no mesmo ” balaio”(se me permite a expressão), o que além de injusto, demonstra à sociedade que o governo recua diante das mazelas sistematicamente,ou estrategicamente ocasionando prejuízos de ordem moral,física e material,aos contribuintes.
    Infelizmente, as promessas de apurar se somam a cada dia, e com novos fatos, estas “apurações” nunca se darão,lastimável.

  4. Caros Leitores,

    é impressionante constatar que e revista VEJA e o jornal FOLHA DE SÃO PAULO têm sido extremamente lenientes e até mesmo parceiros do ainda Secretário de Segurança Antonio Ferreira Pinto.

    Na reportagem dessa semana, a VEJA compara o Secretário com um chefe de polícia de Chicago dos anos 30 que combateu a corrupção na polícia da época.

    Nada mais mentiroso e demagógico… Notícias dão conta de que o atual (AINDA) Secretário, além de não ter feito nada contra os corregedores que torturaram a escrivã, recebeu-os em seu gabinete e os parabenizou pela sessão de tortura.

    Ora, Isso é digno de intervenção federal no Estado de São Paulo.

    E o pior, tem gente que confunde LIBERDADE DE IMPRENSA COM LIBERTINAGEM DE IMPRENSA…

    Ainda bem que há espaços sérios como o presente!

    G. Falconi.

    • Sr.Giovani,

      Creio que o Sr.já tenha tomado conhecimento desta notícia ,mas mesmo assim postarei :

      Chefe de Departamento de Homicídios de SP é afastado do cargo

      Publicidade

      ANDRE CARAMANTE
      DE SÃO PAULO

      Marco Antonio Desgualdo, ex-delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo e homem de confiança do governador Geraldo Alckmin (PSDB), foi afastado do cargo de chefe do DHPP (departamento de homicídios) na manhã desta segunda-feira.

      Corregedor apura suposta espionagem contra secretário
      Shopping diz que deu vídeo de secretário a “policiais”
      Site divulga vídeo do secretário Ferreira Pinto em shopping

      A saída de Desgualdo ocorreu por “quebra de lealdade”, segundo a Delegacia Geral da Polícia Civil. O nome do novo diretor do DHPP ainda não foi definido.

      A Folha apurou que o ex-chefe da Polícia Civil de SP teria sido identificado como um dos policiais com participação no episódio do vazamento das imagens do circuito de câmeras do shopping Pátio Higienópolis (região central de SP) em que o secretário da Segurança Pública, Antônio Ferreira Pinto, foi filmado durante um encontro com o repórter da Folha Mario Cesar Carvalho.

      As imagens foram divulgadas em sites e blogs –um deles ligado a policiais civis–, que relacionaram o encontro à reportagem do jornalista sobre a venda de dados sigilosos por um funcionário da Segurança, o sociólogo Túlio Kahn, que foi demitido.

      Desgualdo teria admitido aos seus chefes ter sido chamado por um grupo de policiais para obter as imagens no Pátio Higienópolis, mas teria afirmado que não quis participar de nada e preferido ficar quieto. Como não teria comunicado a seus superiores que havia sido procurado para ir atrás da gravação, ele acabou afastado por “falta de lealdade administrativa”.

      A reportagem não conseguiu falar com Desgualdo, que é investigado pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil e também pela CGA (Corregedoria Geral da Administração), órgão vinculado diretamente ao Palácio dos Bandeirantes.

      O governador Geraldo Alckmin disse na manhã de hoje que aguarda as investigações da corregedoria sobre o caso e que punirá aqueles que desvirtuaram o trabalho policial. “Nós agiremos com absoluta firmeza e responsabilidade nesse caso. Então, se alguém desvirtuou seu exercício policial nesse caso, vai ser punido. Agora, vamos aguardar, até por respeito à Comissão Corregedora, aguardar o término desse trabalho.”

Comments are closed.