Deputado causa polêmica ao chamar ministro do STF de 'moreno escuro'

Josie Jeronimo, do Correio –

Uma declaração do deputado Júlio Campos (DEM-MT), ao escolher o critério racial para distinguir o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa de seus 10 colegas, provocou polêmica no Congresso. Durante reunião da bancada do DEM na terça-feira (22/3) na Câmara, o parlamentar e ex-governador de Mato Grosso referiu-se a Barbosa como o “moreno escuro lá no Supremo”. Campos discutia o tema do foro privilegiado quando fez a declaração. “Esta história de foro privilegiado não dá em nada. O nosso Ronaldo Cunha Lima precisou ter a coragem de renunciar ao cargo para não sair daqui algemado, e, depois, meus amigos, você cai nas mãos daquele moreno escuro lá no Supremo, aí, já viu”, afirmou.

Parlamentares negros e defensores de ações afirmativas contra o racismo reagiram com indignação. O deputado Domingos Dutra (PT-MA) cita as ações que o DEM encaminhou ao Supremo para argumentar que a frase de Campos foi “coerente” com as posições do partido. “A declaração do deputado Júlio Campos está coerente com as ações do DEM. O Democratas está com ação direta de inconstitucionalidade (Adin) para anular o decreto que regulamenta as terras de quilombos e tem uma outra ação no Supremo questionando a política de cotas para negros. No Congresso, ainda tem uma maioria que pensa como o Júlio Campos, mas é uma maioria silenciosa que não fala tão sinceramente.” Dutra afirmou que consultará o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), sobre a possibilidade de a Casa divulgar nota de repúdio contra a afirmação de Campos.

Campos divulgou nota em que pede desculpas a Barbosa e argumenta que se referiu ao ministro como “moreno escuro”, porque não lembrou o nome do magistrado.

Clique aqui para ler a íntegra no site do Correio

zp8497586rq
Comentários