Juízes federais marcam greve por reajuste de 14,79% best places to buy cigars online Teto de R$ 30,6 mil teria efeito para toda a...

Juízes federais marcam greve por reajuste de 14,79%

best places to buy cigars online

Teto de R$ 30,6 mil teria efeito para toda a categoria; para magistrados, aumento não tem de passar pelo Congresso

Juízes federais marcaram uma paralisação nacional para o dia 27 de abril, para forçar a aprovação de um reajuste de 14,79% para os magistrados que, afirmam, tem base na Constituição. Paralelamente, a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) protocolou uma ação no Supremo Tribunal Federal pedindo que o tribunal reconheça suposta omissão do Congresso, ao não aprovar o reajuste, e determine a revisão. Segundo a Ajufe, há no STF defensores da tese de que a própria corte pode conceder o reajuste diante de omissão do Congresso. Se o aumento for definidO nos moldes do que foi pedido ao Legislativo, o salário dos ministros da STF, que é o teto do funcionalismo, passará dos atuais R$ 26.723 para R$ 30.675. Como a remuneração dos juízes é toda escalonada com base no teto, um reajuste do salário do STF representará imediato aumento para toda a categoria. (Págs. 1 e Nacional A6)

Blatter critica atraso do País para a Copa
Em entrevista ao correspondente Jamil Chade, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, mudou o tom em relação ao Brasil e criticou o andamento das obras para o Mundial: “A Copa é amanhã, mas o Brasil acha que é depois de amanhã”. (Págs. 1 e Esportes E1)

BC tenta frear, mas crédito segue alto
Apesar das medidas dos últimos meses do Banco Central para reduzir o crédito, pesquisas mostram que os financiamentos para consumidores e empresas subiram em fevereiro em ritmo insuficiente para conter o consumo e a inflação. (Págs. 1 e Economia B1)

Kassab: 'Nem direita nem esquerda'
O Partido Social Democrático, nova legenda do prefeito Gilberto Kassab, “não será de direita, não será de esquerda, nem de centro”, mas “a favor do Brasil”. A definição foi feita por Kassab em entrevista ontem à radio Estadão ESPN. O prefeito comentou a polêmica sobre o domínio “JK.com” na internet – que ele registrou para o PSD (mesma sigla do partido de Juscelino) e do qual terá de abrir mão após críticas da família do ex-presidente: “Nós fizemos a reserva. Ainda bem, imagina se isso cai na mão de malandro”. (Págs. 1 e Nacional A7)

Gilberto Kassab
prefeito de São Paulo

'Democracia precisa de partidos. Tenho dedicado a isso algumas horas, geralmente sábados à tarde'.

Coalizão viola resolução para Líbia, diz Rússia
A Rússia criticou ontem as operações da coalizão militar sob mandato da ONU que permitiram o avanço dos rebeldes da Líbia. Para Moscou, essa interferência na guerra civil líbia não está autorizada. Londres e Paris exigiram a saída de Kadafi. (Págs. 1 e Internacional A8 e A10)

USP decide investir em curso noturno
A Universidade de São Paulo finaliza o maior projeto de reformulação de cursos noturnos de sua história. O plano, de cerca de R$ 23 milhões, prioriza a infraestrutura e a organização acadêmica e pretende frear a evasão de estudantes. (Págs. 1 e Vida A19)

Em protesto, 'Clarín' sai com capa em branco (Págs. 1 e Internacional A18)

Usinas de Angra reforçam plano de fuga (Págs. 1 e Vida A21)

Celso Ming
Esvaziamento do MST
O caldo de pobreza em que o MST sempre buscou seus integrantes se resolve com políticas de renda e emprego, não com distribuição de terra. (Págs. 1 e Economia B2)

Notas & Informações
Dilma, a Vale e a sombra de Lula
Ao insistir na saída de Roger Agnelli, Dilma Rousseff seguiu o caminho aberto pelo antecessor. (Págs. 1 e A3)

zp8497586rq
Comentários