Daiane Cardoso – O secretário municipal de Esportes e Lazer de São Paulo, Walter Feldman, anunciou hoje que deixará o PSDB junto com os...

Daiane Cardoso –

O secretário municipal de Esportes e Lazer de São Paulo, Walter Feldman, anunciou hoje que deixará o PSDB junto com os seis vereadores que desembarcaram da legenda na semana passada. Feldman, que é um dos fundadores do PSDB, disse que o partido está se “desviando” de seu caminho original e negou que a saída da legenda tenha relação com a criação do PSD, do prefeito paulistano Gilberto Kassab.

“O PSDB está hoje no desvio, o Fernando Henrique tem apontado isso, a saída dos vereadores aponta isso. Um partido que despreza a participação dos vereadores na organização do diretório e depois trata como mal pequeno a saída deles está no desvio”, afirmou.

Feldman argumentou que sua saída do PSDB está relacionada ao racha de 2008, quando o governador Geraldo Alckmin decidiu disputar a Prefeitura de São Paulo, contrariando o acordo da legenda em manter a aliança com o DEM em torno do nome de Kassab. “O time maravilhoso que acaba de deixar o PSDB é o meu time. Eles compreenderam que em 2008 era um equívoco o governador Geraldo Alckmin sair candidato à Prefeitura. O PSDB cometeu esse equívoco e fez um racha interno por teimosia nessa posição”, justificou.

Para Feldman, o grupo liderado por Alckmin não conseguiu compreender o “erro” de 2008 e essa inflexibilidade é a raiz das mudanças de hoje.

Clique aqui para ler a íntegra no site do Estadão

Comentários

  • PELEGRINI

    26/04/2011 #1 Author

    SEM COMENTARIOS

    Responder

  • zé francisco

    26/04/2011 #2 Author

    Feldman ajuda a construir a tese jurídica que justificará a debandada dos detentores de mandato eleitivo: o partido desviou-se de seus objetivos.

    O que fará o PIG? Como será o desempenho político e administrativo do governo paulista?

    Espero que o povo paulista entenda os malefícios do governo neoliberal fundamentalista que arrasou o estado mais rico da federação. O PSDB está para SP assim como Menem está para a Argentina.

    Responder

  • PELEGRINI

    25/04/2011 #3 Author

    "Saulo mexe com armas e bandidos, o que não é bandeira do PSDB". O que, afinal, seria a bandeira desse partido?

    UOL Notícias – Acredita que o governador Geraldo Alckmin tem alguma influência nesse episódio?
    Feldman – Se ele permitiu que cinco secretários atuassem com total liberdade, no mínimo o governador foi omisso. Em 2000, eu era forte candidato à prefeito, mas abri a candidatura para o Geraldo, que tinha a metade das intenções de voto. Em 2004, eu disse a ele: ‘agora é a minha vez’, mas ele me respondeu: ‘eu quero o Saulo [de Castro Abreu Filho, então secretário de Segurança Pública]’. Eu argumentei, dizendo que o Saulo mexe com armas e bandidos, o que não é bandeira do PSDB. Disse também que o Saulo não existia antes do Alckmin e nem existiria depois, mas ele respondeu: “eu sou governador e eu comando”. O que fizeram agora é muito semelhante. Isso não é o PSDB.

    Responder

  • PELEGRINI

    25/04/2011 #4 Author

    Feldman teria dito mais: que "bandidos e armas nunca foram a bandeira do PSDB", referindo-se a uma suposta conversa que tivera com Alckmin sobre o Saulo, na época Secretário da Segurança.
    Ponho-me a imaginar o que seria propriamente a bandeira do PSDB. Em não sendo a Segurança Pública, seria acaso a Educação ou a Saúde? O que seria?

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *