A odisseia da mãe moderna Amor, paciência, dedicação. As mães modernas estão, sim, à altura desses e de tantos outros elogios. Mas, nos dias...

A odisseia da mãe moderna
Amor, paciência, dedicação. As mães modernas estão, sim, à altura desses e de tantos outros elogios. Mas, nos dias de hoje, passam por uma fase de transformação: em blogs e comunidades virtuais, as mulheres abrem o jogo e rejeitam a imagem da mulher perfeita, idealizada. Não fazem mais segredo sobre as frustrações e as dificuldades da maternidade. No Dia das Mães, o Correio conta histórias de guerreiras que enfrentam esse desafio, às vezes com nervosismo e medo de errar. “É preciso pensar muito antes de ter um filho, hoje em dia”, avisa Fernanda Viana de Paula, 30 anos, que divide as aflições da gravidez com as irmãs Patrícia, 35, e Karina, 31 (foto). Conheça casos de mães que, bravamente, lutam no mercado de trabalho e fazem questão de acompanhar as aventuras dos filhos – até quando eles entram no ringue das artes marciais. Um compromisso tão complexo quanto gratificante. Para a vida inteira.

“Maternidade não é algo que você possa ensinar a ninguém, aprende-se no dia a dia”
Eloá de Andrade Rocha Peixoto, 54 anos, três filhos

“Eu vejo na televisão, apesar do nervosismo e da tensão. Fico em pé, lutando junto com ele, fazendo os movimentos e falando coisas. Mas quem está assistindo comigo tem que ficar quieto”
Maria Rogéria Alves Carneiro, 49 anos, mãe do lutador Renato Moicano

“Se eu não tivesse blog, não sei que tipo de mãe seria. Na internet, converso com outras mães, troco ideias, aprendo”
Luíza Diener, 26 anos, mãe de Benjamin, 1 ano

“Tem dia em que me imagino numa gincana”
Simone Bandeira, 37 anos, três filhos

(Págs. 1, 30, 31, Revista do Correio, Págs. 4 a 7, 18, 19, 22 a 27, Trabalho & Formação, Pág. 3 e Super Esportes, Págs. 14 a 15)

Previdência: Fundos põem R$ 17 bi nos bolsos dos aposentados
Os principais fundos de pensão do país, como Previ, Centrus e Funcef, têm resultados positivos sucessivamente. Agora, distribuem o lucro com 158 mil servidores do Banco do Brasil, da Caixa e do Banco Central. O benefício chega a até 36 parcelas de R$ 11 mil ao mês. (Págs. 1 e 12)

O voto “arejado” de Ayres
Influenciado pelo “espírito aberto” e pela “cabeça arejada” da mãe, ministro Ayres Britto ganhou popularidade como relator do processo que legitimou união entre gays. No discurso, citou Caetano Veloso e Chico Xavier. (Págs. 1 e 10)

Serra sob pressão do PSDB
Na mira de aliados, que o acusam de ter se omitido diante da criação do PSD, ex-governador está no centro de um impasse: a eleição do diretório paulista foi
adiada para quinta-feira. (Págs. 1 e 2)

Empreiteiras são campeãs de doações
As construtoras lideram a lista de empresas que mais doaram recursos para os partidos nas eleições de 2010, de acordo com o TSE. Foram repassados R$ 156 milhões. PT foi o partido que mais recebeu. (Págs. 1 e 4)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *