Contra inflação, governo força queda do preço da gasolina Planalto manda a BR Distribuidora repassar combustíveis a valores mais baixos, para barateá-los em até...

Contra inflação, governo força queda do preço da gasolina
Planalto manda a BR Distribuidora repassar combustíveis a valores mais baixos, para barateá-los em até 10%

O governo resolveu forçar uma redução mais rápida e acentuada dos preços dos combustíveis, para amenizar os índices de inflação. O ministro Edison Lobão (Minas e Energia) afirmou que o objetivo é obter queda de até 10% no caso da gasolina. Para isso, o governo usará a BR Distribuidora. A ideia é fazer com que a subsidiária da Petrobras repasse aos revendedores o produto a preços mais baixos o quanto antes. Como a empresa detém 38,8% do mercado de distribuição, isso poderia contribuir para uma queda generalizada dos preços. Segundo Lobão, a expectativa é que os demais distribuidores acompanhem o movimento da estatal. Na visão da federação de postos de combustíveis, a redução dos preços ocorreria naturalmente com o avanço da safra de cana ao longo do mês de maio. (Págs. 1 e Economia B1)

Redução já começou em SP
A Petrobras baixou ontem os preços para postos revendedores no Estado de 3% a 9% para a gasolina e de 8% a 20% para o etanol. (Págs. 1 e Economia B3)

Alckmin dá reajuste de 42% a professores em quatro anos
O governo de São Paulo anunciou uma nova política salarial para os funcionários da Educação do Estado. A proposta inclui aumento de 42;2%, escalonado em quatro anos, no salário-base do professor – os docentes receberão 13,8% em 1º de julho. Com isso, o piso salarial, de 40 horas semanais, passará de R$ 1.665,05 para R$ 1.894,12. (Págs. 1 e Vida A19)

Entidades pedem mais que aumento
Educadores, professores e sindicatos afirmam que a concessão de aumento salarial para os docentes é decisão “corajosa”, mas criticam o não atendimento de outras demandas. Eles dizem que só o reajuste não vai melhorar o nível de aprendizagem dos alunos. (Págs. 1 e Vida A20)

PCC se resume a 30 presos, diz secretário
O secretário de Segurança de São Paulo, Antonio Ferreira Pinto, diz que o PCC está enfraquecido, cinco anos após a série de ataques na capital. “O PCC são no máximo 30 presos influentes e estão cumprindo pena em Presidente Venceslau”, disse Ferreira Pinto ao Estado. Para ele, os que têm “poder econômico” são “cinco ou seis”. (Págs. 1 e Cidades C1)

Bolsa – Atleta terá antidoping
O Ministério do Esporte determinou que os atletas participantes do programa terão de passar por exames antidoping. Os testes serão realizados pelo menos uma vez por ano e fora das competições. (Págs. 1 e E4)

CNBB critica STF por aval a união entre gays (Págs. 1 e Vida A24)

PMDB usa SP como modelo na briga com PT (Págs. 1 e Nacional A4)

José Serra
Brasil: desenvolvimento adiado
O Brasil parece ter congelado sua vocação para o desenvolvimento rápido, a indústria e a agregação de conhecimento e valor. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Notas & Informações
Já viria tarde
Caso adote medidas contra produtos argentinos, o Brasil estará respondendo na mesma moeda. (Págs. 1 e A3)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *