BB busca crescer em segmentos mais lucrativos O Banco do Brasil (BB) quer encerrar 2011 com ativo total de R$ 1 trilhão (cerca de...

BB busca crescer em segmentos mais lucrativos
O Banco do Brasil (BB) quer encerrar 2011 com ativo total de R$ 1 trilhão (cerca de US$ 617 bilhões). A meta, fixada pelo presidente do banco, Aldemir Bendine, em reunião com seus principais executivos, representará, se for cumprida, crescimento de 22% em relação ao ano passado, mas de apenas 15,3% quando comparada à posição já alcançada no primeiro trimestre deste ano.
O número é simbólico. Seria o primeiro banco brasileiro a alcançar a marca. O Itaú Unibanco, segundo colocado no ranking, chegou a R$ 778,4 bilhões em ativos em 31 de março e o BB, a R$ 866,6 bilhões. A diferença é que o lucro do BB é bem menor – R$ 2,9 bilhões no primeiro trimestre, enquanto o Itaú obteve R$ 3,5 bilhões. (Págs. 1 e C10)

Empresas aceleram oferta de ações
O primeiro semestre do ano deve ser movimentado em ofertas de ações, com o esforço das empresas para se anteciparem às férias de verão no Hemisfério Norte. Apenas na semana passada, quatro companhias – Qualicorp, Perenco, Brazil Pharma e Technos – pediram à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) registro para ofertas iniciais de ações na bolsa. Já estão em análise, desde o início do ano, as colocações de Camil e Enesa Participações.
Outras companhias se preparam para entrar na fila ainda neste ano: a empresa de turismo CVC, a sucroalcooleira Copersucar e as petroleiras Petroserv e Petrogal. Além das novatas, a movimentação deve incluir empresas já listadas. Também preparam ofertas Rossi Residencial, Gafisa, Tereos Internacional (Açúcar Guarani) e Banco do Brasil.(Págs. 1 e D11)

Justiça admite a penhora de conta conjunta
A penhora on-line de dinheiro pode ser aplicada também para contas conjuntas em banco. Em decisão recente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) permitiu que a conta de um casal divorciado fosse penhorada para o pagamento de uma dívida fiscal da mulher. O advogado do caso alegou que os depósitos eram efetuados apenas pelo ex-marido, para despesas dos filhos. O tribunal, porém, entendeu que, a partir do momento em que há depósito nessa modalidade de conta, os valores passam a ser solidários. Por esse motivo, não importa que o débito seja de apenas um dos titulares da conta. No ano passado, a Justiça bloqueou R$ 20,13 bilhões por meio do sistema eletrônico Bacenjud. (Págs. 1 e E1)

Gás natural anima polo gesseiro de PE
A chegada, ainda como projeto-piloto, do gás natural ao “Chapadão do Araripe”, no extremo oeste de Pernambuco, aumenta as expectativas de crescimento do polo gesseiro em quatro municípios da região. Cerca de 95% do gesso consumido no Brasil, algo em torno de 5 milhões de toneladas por ano, vêm dessa área. O dinamismo da construção civil já acelerou a procura pelo gesso, mas as cidades do polo e as empresas sofrem com problemas de infraestrutura. Praticamente todas as fábricas se abastecem de lenha e coque. Em uso há pouco mais de um mês, o gás natural, mais limpo e eficiente, pode ajudar o setor a atender melhor a demanda, que em 2010 avançou 30%. (Págs. 1 e A16)

Preço alto não desanima comprador de imóvel no Rio
Mesmo com preços entre os dez mais caros do mundo, a venda de imóveis na cidade do Rio de Janeiro continua a crescer. O interesse é tão grande por apartamentos de alto padrão na zona sul, especialmente em prédios de frente para o mar, que as construtoras nem montam mais estandes de venda nos prédios em lançamento. Os apartamentos são oferecidos por telemarketing ou simplesmente por e-mails enviados a clientes que já demonstraram interesse e estão na fila de espera. A demanda por escritórios e outros imóveis comerciais também está superaquecida.
Depois de uma valorização de 44% nos últimos 12 meses, cresce o debate sobre a existência ou não de uma bolha imobiliária no Rio, onde o metro quadrado chega a R$ 50 mil na avenida Delfim Moreira, no Leblon. Especialistas lembram que a cidade atravessou pelo menos uma década sem a atenção dos governos, o que desestimulou os lançamentos imobiliários. A redução da violência e os preparativos para a Copa e a Olimpíada voltaram a animar a demanda por imóveis,suportada pela maior oferta de crédito imobiliário. (Págs. 1, B1 e B12)

Aduana brasileira adota retaliação ‘branca’ contra Argentina (Págs. 1 e A3)

CCJ do Senado aprova mudanças na tramitação de Medida Provisória (Págs. 1 e A10)

DuPont aumenta aposta em defensivos para cana, diz Okamura (Págs. 1 e B16)

Logística de alimentos
A América Latina Logística (ALL) lançou nesta semana um serviço de trem expresso que vai abreviar de 15 para 5 dias o transporte de arroz do Sul do país para o Estado de São Paulo. (Págs. 1 e B2)

Vivendi avalia aquisições no país
A Vivendi avalia novas aquisições no Brasil para expandir sua operadora GVT no país. Os negócios avaliados podem, inclusive, estar fora de suas áreas de excelência, como telecomunicações, TV paga, gravações fonográficas e videogames. (Págs. 1 e B2)

IPO da Atento no exterior
A Atento, unidade de call center da Telefônica, vai vender ações em uma oferta pública inicial, como parte do esforço da operadora de reduzir seu endividamento e focar a operação na América Latina. (Págs. 1 e B4)

Ticket de compras
O Brasil é o maior mercado da francesa Edenred, dona da empresa de cartões de benefício Ticket. O lucro em 2010 foi de R$ 192 milhões. Agora, a CEO mundial, Jacques Stem, avalia aquisições no país. ”Atrás das líderes existe uma centena de pequenos concorrentes. Há espaço para consolidação”. (Págs. 1 e B4)

Gomes da Costa cresce em SC
O grupo espanhol Calvo, dono da fabricante de pescados em conserva Gomes da Costa, vai investir R$ 30 milhões na ampliação de sua fábrica em Itajaí (SC). O projeto prevê a construção de novos armazéns frigorificados na unidade. (Págs. 1 e B14)

Fonterra compra fazenda em GO
A cooperativa neozelandesa Fonterra, maior exportadora de produtos lácteos do mundo, vai investir na produção de leite no Brasil. A empresa fechou acordo para a compra de uma fazenda na região de Cristalina (GO). (Págs. 1 e B16)

Debêntures do Minerva
O frigorífico Minerva vai emitir R$ 300 milhões em debêntures que serão obrigatoriamente convertidas em ações no vencimento. Os papéis serão oferecidos publicamente, o que é uma novidade para esse tipo de título. (Págs. 1 e C3)

Ideias
Jose Antonio Sorge
Não devemos permitir que ideologias nos impeçam de ver que, a longo prazo, a energia nuclear terá papel relevante no país. (Págs. 1 e A14)

Ideias
Barry Elchengreen
Autoridades europeias fariam melhor se projetassem um acordo sob medida para a dívida grega, como o Plano Brady. (Págs. 1 e Al5)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *