BR puxa queda de até 11 % nos combustíveis Outros postos também baixam preços ao consumidor no Rio Um dia após a BR Distribuidora...

BR puxa queda de até 11 % nos combustíveis
Outros postos também baixam preços ao consumidor no Rio

Um dia após a BR Distribuidora ter anunciado que reduziria os preços da gasolina e do álcool nos postos para forçar a concorrência a fazer o mesmo, os combustíveis já estavam ate 11,5% mais baratos no Rio, ontem. O freio dado pela BR foi decisão do governo na tentativa de conter a inflação, conforme noticiado pelo GLOBO na terça-feira. A BR é subsidiária da Petrobras e controla 40% do volume de combustíveis vendidos no país. Pesquisa em 10 postos no Rio mostrou que, em seis deles, a gasolina baixou e, em oito, caiu o preço do álcool. A baixa mais expressiva foi a do posto BR na Lagoa, que diminuiu o preço do etanol de R$ 2,599 para R$ 2,299. O litro da gasolina recuou de R$ 3,149 para R$ 2,999 em uma semana – queda de 4,76%. As reduções, contudo, não ficaram restritas aos postos BR. Na Praça da Bandeira, no posto Mini Praça, sem bandeira, o preço do álcool caiu 4,84%. A gasolina ficou quase 2% mais barata no Esso da Rua Pinheiro Machado. (Págs. 1 e 23)

Padre defende casamento entre gays
Professor de teologia em Minas e adepto da Teologia da Libertação, o padre Gilvander Moreira é uma voz religiosa na contramão e defende a decisão do Supremo que reconheceu a união homossexual. Para ele, Deus é amor e não discrimina pessoas pela opção ou orientação sexual. “Há famílias tradicionais, famílias em barracos, famílias sem filhos, por que não famílias homossexuais?”, indaga. (Págs. 1 e 3)

Evangélicos travam projeto anti-homofobia
Parlamentares da bancada evangélica conseguiram impedir a discussão, na Comissão de Direitos Humanos do Senado, do projeto que criminaliza a homofobia. Houve confusão, com troca de insultos entre o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) e a senadora Marinor Brito (PSOL-PA). (Págs. 1 e 3)

Editorial
Dilma marcará seu governo com um avanço histórico se modernizar a gestão no Estado. Mas precisa estar consciente de que se chocará com castas e donatários de capitanias – muitos do PT. (Págs. 1 e 6)

Alckmin e Kassab loteiam cargos como PT
Em São Paulo, o prefeito Kassab (PSD) e o governador Alckmin (PSDB) repetem o que criticam no PT: o loteamento de cargos. No DEM e no PSD, Kassab instalou políticos aliados em secretarias e conselhos de estatais. No governo Alckmin, 5 das 26 secretarias são feudos de aliados. (Págs. 1 e 11)

Brasil segura importação de veículos
Em retaliação ao protecionismo argentino, o governo brasileiro retirou o licenciamento automático das importações de automóveis. Com a nova regra, que acaba atingindo todos os países que vendem ao Brasil, o desembaraço na alfândega acontecerá em até 60 dias. (Págs. 1 e 21)

FMI: risco de ‘exuberância’ virar ‘lágrimas’
O diretor do FMI Nicolas Eyzaguirre alertou que o boom econômico da América Latina pode acabar em crise, caso os preços de commodities caiam ou os EUA subam juros. Sobre o Brasil, disse que Dilma deve evitar que a “exuberância” acabe “em lágrimas”. (Págs. 1 e 22)

Aldo confessa que ajudou acusado de crime ambiental
Para atacar a ex-senadora Marina Silva, o deputado Aldo Rebelo contou ter atuado, como líder do governo, para evitar investigação sobre o marido dela – a quem chamou de contrabandista. Para tentar votar o Código Florestal, 88 governistas se juntaram à oposição. (Págs. 1, 9 e Miriam Leitão)

Guerrilheiros das Farc assaltados em 2003 em SP (Págs. 1 e 29)

Guerra gelada
EUA, Rússia e outros seis países disputam as reservas de petróleo e gás do Ártico, colocando em risco uma das regiões mais vulneráveis do planeta. A perda recorde de gelo dos últimos anos abriu caminho para explorar imensas reservas, antes inacessíveis. (Págs. 1 e 30)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *