Ana Carolina Moreno, da Folha – O ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (ex-DEM) e o ex-secretário de Transportes e agora deputado Alberto...

Ana Carolina Moreno, da Folha –

O ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (ex-DEM) e o ex-secretário de Transportes e agora deputado Alberto Fraga (DEM-DF) foram indiciados nesta sexta-feira (13) pela acusação de formação de quadrilha e peculato (apropriação de dinheiro público por servidores).

Eles já são suspeitos de dispensa ilegal de licitação no inquérito deflagrado pela Operação Drakkar 1 e apresentado na tarde de hoje pela Decap (Divisão Especial de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública) do DF.

De acordo com o delegado Henry Perez Lopes, diretor-adjunto da Decap, a investigação verificou que um total de 1.200 ônibus foram ilegalmente colocados em circulação dentro do sistema de transporte coletivo do Distrito Federal.

Para os usuários, os “ônibus piratas” eram iguais aos regulares e incluíam o mesmo sistema de validação do bilhete eletrônico, oferecido pela empresa Fácil, que é alvo da investigação porque seu serviço foi contratado pelo governo distrital sem licitação.

A diferença, porém, é que os veículos não existiam no sistema da DFTrans e, portanto, não repassavam à autarquia do governo a taxa de 3,84% do pagamento feito pelos usuários e também não passavam por inspeções.

Estima-se que R$ 14 milhões possam ter sido desviados através do esquema.

“Eles recebiam livremente, era uma quadrilha orquestrada e bem organizada para não pagar inclusive os impostos relativos ao ônibus”, explicou Perez Lopes.

O delegado afirmou que mil “ônibus piratas” já haviam sido encontrados durante a Drakkar 1 e que, na segunda operação, os investigadores descobriram outros 200 ônibus em situação irregular. A maioria foi lacrada nesta sexta-feira.

Ainda segundo o diretor-adjunto da Decap os “ônibus piratas” eram velhos, sem condições de rodar, e alguns deles nem sequer tinham registro no Detran. “Eles compraram ônibus e colocavam uma placa qualquer, não pagavam IPVA, não pagavam multa porque não existia a placa”, afirmou.

Clique aqui para ler a íntegra no site da Folha

Comentários

  • Alberto da Silva

    10/06/2011 #1 Author

    E por fala em corrupção o que está me preocupando agora em relação ao sistema de transporte público de Brasília é o tal do VLT, pois quem vai fazer as obras é a Via Engenharia e essa empresa está envolvida em vários processos de corrupção e uso de material abaixo do recomendado Será que vamos ter isso de novo com o PT?

    Responder

  • caio

    10/06/2011 #2 Author

    A coisa boa que ele fez foi a de tirar as vãns aquilo sim era um transporte pirata! Precisamos promover melhorias com urgência para o transporte….

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *