Congresso abdica do poder e deixa de votar 30 mil leis Paralisado, Legislativo ainda examina os atos do governo Collor Para zerar a pilha...

Congresso abdica do poder e deixa de votar 30 mil leis
Paralisado, Legislativo ainda examina os atos do governo Collor

Para zerar a pilha de projetos à espera de votação, o Congresso brasileiro precisaria de um século. Existem hoje na Câmara e no Senado cerca de 30 mil propostas em tramitação, constatou o repórter José Casado. Pela média histórica, só uma em cada dez tem chance de virar lei. O resto irá para o arquivo, mas, até lá, ajudará o Congresso a abdicar de sua função primordial, que é votar as leis do país. Nesse processo de asfixia legislativa, há 2.180 vetos presidenciais à espera da apreciação parlamentar, alguns na fila há uma década. Na análise das contas presidenciais, mais atraso: há contas pendentes de 12 exercícios financeiros. A mais antiga já está na lista de espera há 21 anos e é de 1990, ainda do governo Collor. O Código Florestal, motivo de polêmica na última semana, já está na pauta há 12 anos. (Págs. 1 e 3)

Câmara dividida sobre adoção gay
Enquete com 318 deputados federais mostra que a adoção de crianças por casais homossexuais divide a Câmara: 154 são a favor, 145 contra e 21 votaram em branco. A maioria é favorável à união estável e à criminalização da homofobia. (Págs. 1 e 12 a 15)

Urubus impedem voos em 18 aeroportos
Em meio à degradação ambiental e à proliferação de lixões na Amazônia, quem se multiplica são os urubus: em pelo menos 18 aeroportos da região, os voos diurnos sofrem restrições por causa do avanço das aves que vivem do lixo. Só no ano passado, a Aeronáutica registrou 936 colisões entre aviões e aves. O maior risco de acidentes ocorre no momento da decolagem. (Págs. 1 e 16)

General Enzo Peri
Comandante do Exército diz que militares podem ficar mais tempo no Alemão, se o estado pedir. (Págs. 1 e 26)

Miriam Leitão
Em livro, colunista mostra como o país teve, até o Real, mais de 13 trilhões por cento de inflação. (Págs. 1 e 31)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *