Nem fiança de US$ 1 milhão tira chefe do FMI da cadeia Prisão de Strauss-Kahn faz bolsas na Europa caírem e abre crise na...

Nem fiança de US$ 1 milhão tira chefe do FMI da cadeia
Prisão de Strauss-Kahn faz bolsas na Europa caírem e abre crise na França

A juíza Melissa Jackson, do tribunal penal de Manhattan, recusou ontem a fiança de US$ 1 milhão oferecida pelos advogados de defesa para libertar o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, acusado de sete delitos, entre eles tentativa de estupro de uma camareira de hotel. Strauss-Kahn ficará detido até uma nova audiência, na sexta-feira, e pode pegar 25 anos de prisão, num caso comparado ao do diretor Roman Polanski, que escapou para a Europa, condenado nos EUA pelo estupro de uma menina de 13 anos. A juíza aceitou o argumento da Promotoria, considerando elevado o risco de que Strauss-Kahn fugisse do país.
A detenção do diretor, de 62 anos, fez com que o euro registrasse queda de 0,5% ontem, na cotação mínima do dia, e levou bolsas na Europa a fechar em baixa pelo temor de que a Grécia fique sem a ajuda de US$ 110 bilhões defendida por ele. Na França, o Partido Socialista já estuda nomes para substituir Strauss-Kahn nas eleições de 2012. (Págs. 1, 24 e 25)

Míriam Leitão
O FMI pode aproveitar a crise e mudar a regra, totalmente desatualizada, que divide o poder nas duas instituições financeiras mais importantes entre EUA e Europa. (Págs. 1 e 18)

Novas diretrizes do Vaticano não tornam obrigatória denúncia de crimes sexuais (Págs. 1 e 25)

Livro com erros pode levar a ações contra MEC
A procuradora Janice Ascari, do MP Federal, previu que o MEC enfrentará ações judiciais por ter distribuído um livro didático que defende o uso da linguagem popular, com erros grosseiros de português: “É um crime contra nossos jovens.” A editora admitiu modificar o livro numa próxima edição. (Págs. 1, 3, 4, Merval Pereira e Dos Leitores)

Secretários são presos no Sul por desvio
A Polícia Federal prendeu 12 secretários municipais de Saúde e Fazenda, no Rio Grande do Sul, por desvio de verbas públicas destinadas à compra de remédios. Ao todo, foram presas 58 pessoas. (Págs. 1 e 10)

Rio, cidade oficialmente arco-íris
Uma questão de foro íntimo – participar ou não de uma parada gay – provocou polêmica pública ontem quando o governador Sérgio Cabral, ao lançar a campanha Rio sem Homofobia, com 125 metas a atingir até 2014, anunciou que bombeiros e PMs poderão ir fardados e usando veículos oficiais. O presidente da Associação dos Ativos, Inativos e Pensionistas das Polícias e Bombeiros, Miguel Cordeiro, disse que vai entrar na Justiça para impedir o uso de viaturas. (Págs. 1, 11 e Luiz Garcia, 7)

Razão Social
Biocombustível produzido com óleo de cozinha em Arraial do Cabo será usado nas Olimpíadas de 2016. (Pág. 1)

Câmara do Rio já pagou todos os Jettas para os vereadores (Págs 1 e 13)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *