Cinco ministros de Dilma têm empresas de consultoria Maioria das firmas atua em gestão empresarial; auxiliares negam conflito de interesse e atuação paralela Pelo...

Cinco ministros de Dilma têm empresas de consultoria
Maioria das firmas atua em gestão empresarial; auxiliares negam conflito de interesse e atuação paralela

Pelo menos cinco ministros da presidente Dilma Rousseff têm empresas de consultoria que continuam ativas em plena exercício do cargo, informa o repórter Leandro Colon. São eles: Fernando Pimentel (Desenvolvimento), José Eduardo Martins Cardozo (Justiça), Moreira Franco (Assuntos Estratégicos), Leônidas Cristino (Portos) e Fernando Bezerra Coelho (Integração). No caso de Antonio Palocci (Casa Civil), cujo enriquecimento nos últimas anos despertou suspeitas, sua empresa de consultoria foi convertida em administradora de imóveis pouco antes de ele se tornar ministro. Mas as empresas de seus colegas se mantém no ramo de consultoria em gestão empresarial. Os ministros mencionados confirmam a sociedade nessas firmas, mas negam conflitos de interesse ou atuação paralela ao exercício do cargo. Fernando Pimentel, por exemplo, afirma que a empresa, da qual detém 99%, “permanece ativa por decisão dos sócios, mas não presta serviço a nenhum cliente desde novembro de 2010”. (Págs. 1 e Nacional A4)

Palocci cita tucanos para se defender
Para justificar seu enriquecimento, Antonio Palocci (Casa Civil) argumentou que é natural ganhar dinheiro após passar pelo governo – e citou Pérsio Arida e Pedro Malan. Disse ainda que “ministros importantes”, como Armínio Fraga e Henrique Meirelles, foram da iniciativa privada para o governo. (Págs. 1 e Nacional A8)

Galpão vira terminal de passageiros em Cumbica
Dois galpões que foram usados por Vasp e Transbrasil no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, serão transformados em terminais de passageiros, segundo projeto da Secretaria de Aviação Civil. O plano é concluir as obras no local até dezembro. Não haverá licitação para a escolha das empresas responsáveis pela transformação dos prédios em terminais de embarque remoto – sem o uso de “fingers”. Por ser emergencial, a obra terá um processo mais rápido de contratação. (Págs. 1 e Economia B1)

Especialistas criticam solução
Eles dizem que a estrutura necessária para deslocar passageiros nos novos terminais de Cumbica pode comprometer toda a capacidade operacional interna. (Págs. 1 e Economia B3)

Cegonha: A gravidez de Carla
O pai do presidente da França, Nicolas Sarkozy, anunciou que a primeira-dama, Carla Bruni, de 43 anos, está grávida. A situação reforça o bom momento de Sarkozy, que tenta recuperar a popularidade para se reeleger – a outra “ajuda” foi a prisão de Strauss-Kahn, um de seus principais adversários. (Págs. 1 e Internacional A11)

Contrato para Olimpíada no Rio favorece o COI
Comparação dos contratos do Comitê Olímpico Internacional (COI) para realização da Olimpíada em Londres (2012) e no Rio (2016) mostra endurecimento das condições financeiras para o Brasil, contradizendo a versão de padronização. No caso brasileiro não está claro de quem são os direitos sobre a venda de transmissão dos Jogos, relatam Wilson Tosta e Jamil Chade. O COI reservou para si parte do faturamento com selos. (Págs. 1 e Esportes E1)

Bill Gates sonda Brasil para produzir vacinas (Págs. 1 e Vida A14)

Coleta de lixo será feita agora com contêineres (Págs. 1 e Cidades C1)

Irlanda recebe rainha em visita histórica (Págs. 1 e Internacional A11)

Medidas podem reduzir preço do tablet em 36%
Os incentivos que o governo está preparando para desonerar a produção de tablets reduzirá em até 36% o preço desses produtos fabricados no País, disse o ministro Paulo Bernardo (Comunicações). (Págs. 1 e Economia B14)

Dora Kramer
Gerente transigente
Dilma não consolidará a fama de durona nem fixará a marca de gerente intransigente se transigir com a conduta de seus auxiliares. (Págs. 1 e Nacional A6)

Tutty Vasques
Caveirão cor-de-rosa
Sempre à frente de seu tempo, o governador do Rio, Sérgio Cabral, não esperou para abrir o armário dos homens de farda. (Págs. 1 e Cidades C6)

Notas & Informações
A ‘ética Jacqueline’ do governo
Para os companheiros, uma figura incomum como Antonio Palocci não deve ser importunada. (Págs. 1 e A3)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *