Destaques dos jornais de hoje – Valor Econômico

Ricos ampliam pressão para assegurar o controle do FMI
A reação do presidente da França, Nicolas Sarkozy, ontem, mostra o nível de tensão a que chegou a relação entre os países ricos e os emergentes para a indicação do novo diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI). A Europa já fez muitas concessões aos emergentes, disse Sarkozy, para justificar a provável eleição de mais um europeu para dirigir o organismo. E acrescentou que a França já “trava um combate” para o Brasil fazer parte do Conselho de Segurança da ONU. Sarkozy fez as declarações após oito horas de reuniões com os outros líderes do G-8, o grupo dos países ricos, em Deauville, uma estação balneária a cerca de 200 km de Paris.
Na atual divisão de poderes, os ricos têm larga margem de votos – europeus e americanos contam com 50% – para eleger sem problemas sua principal candidata, a ministra da Economia da França, Christine Lagarde. Ontem, em entrevista ao “Financial Times”, ela prometeu que os países em desenvolvimento serão razoavelmente representados no alto escalão do Fundo. E anunciou que fará uma turnê pelas capitais de mercados emergentes para persuadi-los de que um europeu deveria mais uma vez ocupar o posto mais alto no mundo financeiro mundial – ela chegará a Brasília na segunda-feira. Brasil, Rússia, Índia, África do Sul e China assinaram uma declaração conjunta pedindo o fim da “convenção não escrita e obsoleta”, em vigor desde 1947, segundo a qual o diretor-gerente do FMI deve ser um europeu.(Págs. 1, A9 e A10)

Cana ganha importância para Bunge
O grupo americano Bunge vai investir US$ 350 milhões neste ano em seu negócio de cana-de-açúcar, sendo que a maior parcela será destinada ao aumento da área plantada. É o maior volume de recursos entre todos os negócios da multinacional no Brasil, segundo Pedro Parente, presidente da companhia no país.
Em três anos, a área em fase de plantio deverá representar grandes volumes de matéria-prima para processamento nas usinas. Na safra encerrada em 31 de março, as sete usinas brasileiras do grupo processaram 13,4 milhões de toneladas, 7,6 milhões de toneladas abaixo de sua capacidade. Em dois meses, começa a operar a oitava unidade sucroalcooleira, em Pedro Afonso, no Tocantins. (Págs. 1 e B12)

Cheques compensados por imagem
Em vigor desde o dia 20, a compensação de cheques por meio da digitalização da imagem movimenta investimentos dos bancos e as estratégias de fornecedores de tecnologias. Sob o novo modelo, a imagem dos cheques é capturada por um scanner e enviada com os dados do documento por meio de um arquivo eletrônico. Não há mais necessidade de transporte do cheque físico, que fica retido na agência até que seja liquidado na compensação digital.
Para Walter Tadeu de Faria, diretor-adjunto de serviços da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a compensação digital é o embrião de um processo mais abrangente. “A partir desse modelo, os bancos poderão eliminar o trânsito de papel e migrar toda a sua documentação para o ambiente digital”.(Págs. 1 e B3)

Curso superior não garante renda maior
O rendimento médio real dos trabalhadores com curso superior cresceu apenas 0,3% entre 2003 e o ano passado, segundo dados do IBGE na pesquisa realizada nas seis principais regiões metropolitanas do país. No mesmo período, o rendimento médio da população ocupada em geral avançou 19%. A estagnação da renda de trabalhadores com nível superior foi puxada por São Paulo, onde o rendimento caiu 6,6%.
Para especialistas consultados pelo Valor, a expansão do ensino superior e o consequente retardamento da entrada de jovens no mercado de trabalho aumentaram a oferta de mão de obra qualificada e puxaram o salário desses profissionais para baixo, já que a remuneração do primeiro emprego tende a ser baixa. “O Brasil está de cabeça para baixo em relação ao resto do mundo”, diz Marcelo Neri, economista-chefe do Centro de Políticas Sociais da FGV. “Enquanto todos lá fora que têm educação estão tendo ganho de renda maior, aqui acontece o oposto”. (Págs. 1 e A3)

Cresce busca por trainees mais ecléticos
A escassez generalizada de mão de obra qualificada no país está levando muitas companhias a rever suas prioridades e reduzir as exigências em relação à formação acadêmica dos candidatos. Tornou-se mais comum programas para trainees aceitarem jovens com formação em outros cursos além dos tradicionais, de administração, e

conomia e engenharia.
A gerente-geral de recursos humanos da Whirlpool Latin America, Úrsula Angeli, acredita que não restringir a formação dos trainees tem um impacto positivo na inovação. “A estratégia é evitar a procura por competências muito específicas, pois isso cria pensamentos limitados”, afirma. A empresa aceita inscrições de formados em qualquer curso que esteja ligado ao seu negócio, inclusive gastronomia e arquitetura. Denise Asnis, gerente da Natura, acredita que é mais fácil formar aspectos técnicos do que valores. Dar um curso de informática, por exemplo, é mais simples e barato do que tentar inocular uma cultura. (Págs. 1 e D12)

HRT compra 45% da Petra em 21 blocos
A HRT decidiu exercer seu direito de compra da participação de 45% de sua sócia Petra em 21 blocos exploratórios que dividem na Amazônia por R$ 1,28 bilhão. A quantia equivale a US$ 796 milhões pelo câmbio de ontem. A decisão da HRT foi tomada após a Petra, controlada pelo empresário Roberto Viana, recusar oferta de US$ 1,050 bilhão da TNK-BP, joint-venture entre a russa TNK (Alfa Group e Access Renova) e a inglesa BP. O Valor apurou que a Petra entende que sua participação vale mais do que isso, podendo chegar a US$ 3 bilhões. (págs. 1 e B8)

Especialista afirma que novo Código é “pior que o de 1934”
A aprovação do Novo Código Florestal pela Câmara foi uma vitória dos ruralistas sobre os ambientalistas. Mas o tamanho da conquista de um sobre o outro ainda está em disputa. Para o advogado Raul Silva Telles do Valle, especialista na área e ligado às lideranças verdes, a emenda 164 – proposta pelo PMDB e aprovada na noite de terça para quarta-feira pelo placar de 273 a 182 votos – vai modificar a legislação de tal forma que as florestas estarão menos protegidas do que em 1934, quando foi aprovado o primeiro Código Florestal brasileiro.
Segundo Telles, o texto final é muito pior do que aquele que havia sido acordado com o governo. “É uma lei cheia de regras ambíguas. O texto diz uma coisa, mas nas entrelinhas diz outra”. (págs. 1 e A14)

Maquiagem carregada
As vendas do varejo de produtos de beleza e cuidados pessoais somaram US$ 37,4 bilhões no Brasil no ano passado, com crescimento de 30%. O país é o terceiro maior mercado do setor, atrás de EUA e Japão. (Págs. 1 e B1)

Heineken e Diageo miram Schin
A holandesa Heineken e a britânica Diageo poderiam se unir em uma joint venture para adquirir a Schincariol. Segundo o Valor apurou, um dos entraves para o negócio seriam dúvidas em relação às dívidas da cervejaria brasileira. (Págs. 1 e B6)

Novo Nordisk lança 'blockbuster'
A Novo Nordisk lança no Brasil o Victoza, para controle do diabetes tipo 2. A multinacional aposta no produto como seu novo campeão de vendas e projeta receitas mundiais de US$ 1 bilhão até o fim do ano. (Págs. 1 e B7)

Petrobras assume Suape II
A Petrobras assumiu o controle da térmica Suape II, que tinha o grupo Bertin como maior acionista. A estatal, que era minoritária, exerceu direito contratual para garantir o término da obra no prazo previsto. (Págs. 1 e B8)

Calçada 'resgata' Palace II
A construtora Calçada vai erguer um novo prédio de apartamentos no terreno que abrigava o Palace II, na Barra da Tijuca, palco de um dos maiores desastres ocorridos no Rio, quando o edifício desmoronou em 1998. (Págs. 1 e B8)

Verba recorde para a nova safra
Os recursos do Plano de Safra 2011/12 que será anunciado pelo Ministério da Agricultura até meados de junho terão um aumento de 7% em relação a atual temporada, para o recorde de R$ 107 bilhões. Cana e pecuária terão atenção especial. (Págs. 1 e B12)

Negócios sustentáveis
Entulho da demolição do antigo estádio da Fonte Nova, em Salvador, é reaproveitado nas fundações da nova arena, em obras viárias na capital baiana e até como suvenir para turistas e aficionados, com renda destinada a obras assistenciais. (Págs. 1 e Caderno especial)

Valor Financeiro/Seguros
Em meio a mudanças regulatórias, mercado segurador brasileiro deve ultrapassar R$ 200 bilhões em faturamento neste ano, com taxa de crescimento duas vezes superior a do PIB. Entre os desafios do setor estão a conquista da nova classe média e a busca por mão de obra qualificada. (Págs. 1 e Valor Financeiro)

Ideias
Claudia Safatle
Na visão do mercado, ou Palocci prova que nada fez de errado e permanece no cargo ou sua presença perde sentido. (Págs. 1 e A2)

Ideias
Zaki Laidi
Os Brics não constituem um grupo político coerente no cenário mundial e, a cada dia mais, o Brasil perceberá isso. (Págs. 1 e A11)

zp8497586rq
Comentários