China age para vetar Brasil no Conselho de Segurança A China, o mais poderoso país do Brics, grupo que o Brasil integra, ampliou ofensiva...

China age para vetar Brasil no Conselho de Segurança
A China, o mais poderoso país do Brics, grupo que o Brasil integra, ampliou ofensiva diplomática contra tentativas de ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas, uma das reivindicações da política externa brasileira. O Valor apurou que o governo chinês tenta agora torpedear um projeto de resolução que o G-4 – Brasil, Índia, Alemanha e Japão, todos candidatos a um assento permanente no Conselho de Segurança – planeja apresentar em breve à Assembleia Geral da ONU.
O projeto, que tem 71 apoios firmes, procura fazer com que a Assembleia sancione a necessidade de expandir as duas categorias de membros do Conselho de Segurança, os permanentes e os não permanentes. É uma tentativa de dar fôlego politico à discussão e obter o reconhecimento de que o mundo mudou e que as mudanças têm de ser incorporadas na estrutura das instituições de governança global. (Págs. 1 e B9)

CPFL negocia a compra da Multiner
A CPFL Energia está em negociações avançadas para a compra de fatia majoritária na Multiner, empresa de geração de energia com portfólio de mais de 1,3 mil megawatts (MW) baseado fortemente em usinas termelétricas a óleo combustível. O valor da companhia está avaliado em R$ 2,6 bilhões, segundo estimativa dos fundos de pensão que são sócios da empresa e onde investiram cerca de R$ 425 milhões, há dois anos, para deter 20% do capital. Se for bem-sucedida a operação, a CPFL, em apenas dois anos, terá formado um parque gerador de cerca de 5 mil MW, se aproximando da Tractebel, a maior empresa privada de geração. A Multiner tem a concessão de sete usinas termelétricas e dois parques eólicos (com capacidade de gerar 151 MW). Só as eólicas e a termelétrica de Cristiano Viana estão hoje em operação. (Págs. 1 e B9)

Eco Brasil ganha reforço de veteranos
A Eco Brasil Florestas, projeto de reflorestamento constituído pelo empresário Osmar Zogbi, que foi dono da antiga fabricante de papéis Ripasa, acaba de ganhar sócios de peso e investidores tradicionais da indústria brasileira de celulose e papel. Com aporte total de R$ 141 milhões, entraram no capital social da empresa representantes da família Safra, que foi controladora da Aracruz, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e fundos geridos pela Claritas, entre outros investidores.
Com a operação, o capital total da Eco Brasil Florestas subiu a R$ 241 milhões. De acordo com o diretor de operações da Eco Brasil, Romeu Alberti Sobrinho, a recente chamada de capital decorreu do crescimento rápido do projeto de reflorestamento que está sendo implantado em Tocantins. (Págs. 1 e B8)

Foto legenda: Estreia emergente
A Klökcner, a maior distribuidora independente de aço do mundo, fez sua primeira ação no mundo emergente ao comprar, no Brasil, o controle da Freffer. A meta é ter a mesma posição de liderança no mercado brasileiro, diz Gisbert Rühl, principal executivo do grupo alemão.

Cristina lança seus 'sacolões'
A presidente Cristina Kirchner inaugurou há duas semanas no pobre subúrbio de José C. Paz o primeiro de uma série de mercados populares para a classe baixa, os “sacolões” da Cristina. A ideia do governo é abrir os chamados “mercados concentradores” nos subúrbios das grandes cidades, levando produtores e cooperativas de alimentos a vender diretamente para a população. Todos os produtos são vendidos a preços tabelados pelo governo.
A intervenção geral no sistema de preços vitimou o sanduíche mais famoso do planeta, o Big Mac, que não é mais visto em uma única foto nas lojas do McDonald's no país. Seu preço foi congelado em um acordo “informal” com o governo, enquanto que os demais produtos da rede ficaram livres disso. O Big Mac integra a lista de produtos pesquisada pelo Indec, sob intervenção do governo e cujo índice oficial de preços ao consumidor está desacreditado. O sanduíche dá nome ao índice da revista “The Economist” e na última medição, a Argentina liderou o ranking de países em que o sanduíche mais havia subido (19%), o que foi visto como evidência inequívoca de maquiagem da inflação pelo Indec.

Novas rotas da aviação executiva
O Aeroporto Comandante Rolim Adolfo Amaro, em Jundiaí, a 67 quilômetros

buy lasix online no prescription

da capital paulista, triplicou seu movimento em cinco anos e se tornou um dos principais destinos da aviação executiva na Grande São Paulo, com cerca de 6 mil pousos e decolagens mensais – um terço dos 18 mil realizados em Congonhas. A saturação dos grandes aeroportos de São Paulo foi o maior estímulo a esse crescimento, que também atraiu empresas de manutenção de aeronaves a Jundiaí. O espaço, porém, já está prestes a se esgotar e as companhias começam a procurar alternativas.
O comandante Flávio Estiphan, que trabalha como piloto para executivos de um grupo do setor de energia diz que, apesar de mais distante do centro de São Paulo, Jundiaí é a melhor opção para os executivos diante dos frequentes atrasos e cancelamentos de voos na aviação comercial. “A tendência é usarmos cada vez mais o aeroporto de Jundiaí”. A TAM Aviação Executiva deixou em 2004 o aeroporto de Congonhas e transferiu suas atividades para Jundiaí. A mudança permitiu que a empresa aumentasse o atendimento com manutenção de 20 aeronaves para 60 por dia.

Seguro para um precioso ativo líquido
Os donos de adegas agora não se preocupam só com os vinhos. Querem saber quanto custa o seguro para seus “ativos líquidos”. Yannick Daucourt, da XL Insurance, na Suíça, diz que a demanda por seguro de adegas privadas está em rápido crescimento e deve dobrar nos próximos anos. “Hoje em dia, o maior inimigo para o amadurecimento do vinho nas grandes adegas não é a má conservação, e sim o roubo”, diz Daucourt. No Brasil, a moda ainda não chegou. Por enquanto.

Uma elite de conselheiros ganha mais que executivos
Um grupo de companhias que inclui OGX, MPX, Bradesco, banco Cruzeiro do Sul e Ambev paga a seus conselheiros uma remuneração de fazer inveja aos executivos mais bem pagos do país.
Levantamento feito pelo Valor com dados de 189 empresas disponíveis na Comissão de Valores Mobiliários mostra que, em alguns casos, a bolada individual dos conselheiros representou o dobro da maior remuneração paga nas diretorias das empresas nas quais trabalham e até dez vezes mais que o pagamento médio feito aos seus pares do conselho. Nesse grupo, pagamentos de conselheiros estão perto de R$ 1 milhão por ano, mas podem superar R$ 10 milhões.

Christine Lagarde, em vista ao país, pode obter apoio para comandar o FMI (Págs. 1 e A9)

Escassez de etanol deve voltar a ocorrer no próximo ano (Págs. 1 e B12)

Mudança no recolhimento do IR
A perspectiva de crescimento econômico tem feito as empresas repensarem o regime escolhido para recolher o Imposto de Renda (IR) – o regime do lucro real mensal tem perdido espaço na Receita. (Págs. 1 e A2)

Produtividade versus salários
A maior discrepância no ritmo de crescimento dos salários e da produtividade ocorre no setor de serviços. Na agropecuária, a produtividade cresceu 3,8 pontos percentuais acima do salário. (Págs. 1 e A4)

Empresas de TI mais caras
Ao menos 85 operações de fusão e aquisição de empresas de tecnologia da informação foram realizadas em 2010. O maior volume de operações é acompanhado de um aumento nos preços das empresas. (Págs. 1 e B3)

Empresas de ônibus diversificam
Turismo, concessionárias de automóveis, logística e até beneficiamento de mármore. Essas são algumas das atividades que ganham espaço no faturamento de empresas de transporte rodoviário de passageiros. (Págs. 1 e B6)

Sem exportar leite
Preços domésticos mais remuneradores para o leite, baixa competitividade e câmbio valorizado praticamente tiraram o Brasil do mercado exportador de lácteos neste ano. (Págs. 1 e B12)

Especial/Tablets
A medida que reduziu a carga tributária anima fabricantes de tablets, que revêem o tamanho do mercado brasileiro. Há quem projete um mercado potencial de 2 milhões de equipamentos. Doze empresas querem produzir tablets no país. (Pág. 1)

Especial/Portos
Com o comércio exterior brasileiro crescendo mais do que o esperado e a demanda doméstica em alta, o sistema portuário precisa dar novo salto de investimentos – responsável que é pela movimentação de 90% do fluxo brasileiro de cargas. (Pág. 1)

Ideias: Sergio Leo
Há grande resistência em apoiar maior comprometimento orçamentário e político do Brasil com a América do Sul. (Págs. 1 e A2)

Ideias: Martin Feldstein
Uma licença de ausência temporária da região do euro permitiria à Grécia ajustar o nível relativo de preços. (Págs. 1 e A11)

zp8497586rq
Comentários