Destaques dos jornais de hoje – O Globo

<img class="aligncenter size-full wp-image-5028" src="http://www.pannunzio.com.br/wp-content/uploads/o-globo-logo-principal1.jpg" alt="" width="

156″ height=”30″ />

Pioneira, Alemanha fechará todas as usinas nucleares
País da primeira fissão atômica promete investir em energias renováveis

Fornecedora da tecnologia que serviu de base para os programas de Angra II e III, a Alemanha anunciou ontem que, até 2022, não terá mais usinas nucleares em funcionamento em seu território. Novas fontes de energia, incluindo renováveis, serão adotadas. A decisão foi tomada três meses deis do terremoto seguido de tsunami que abalou as usinas nucleares no Japão e 64 dias após derrota importante do governo de Angela Merkel para os verdes. O país, onde aconteceu a primeira fissão atômica da História, em 1939, torna-se assim a primeira potência industrial a prometer abrir mão da energia nuclear. O anúncio foi visto também como manobra eleitoral, e o governo da França – país que mais depende das usinas nucleares – advertiu que será impossível para a União Europeia atingir metas de redução de gases de efeito estufa sem este tipo de energia. O funcionamento dos reatores de Angra não deve ser afetado porque a empresa alemã vendeu sua participação no negócio a franceses. (Págs. 1 e 28)

Aumento recorde de emissão de gás-estufa
As emissões dos gases-estufa atingiram recorde no ano passado – 5% a mais que em 2008. Segundo especialistas, será impossível limitar aumento global da temperatura a 2 graus Celsius.(Págs. 1 e 30)

Sem proteção, 14 ameaçados morrem por ano no Pará
Parentes de casal de ambientalistas assassinado semana passada dizem que as denúncias foram ignoradas

Desde que foi palco do maior massacre de sem-terra no país – o de Eldorado do Carajás, com 19 mortos, em 1996 -, o Pará teve 212 pessoas assassinadas em conflitos agrários. A média é de 14 execuções por ano no estado. Os dados são da Comissão Pastoral da Terra, que contabiliza também mais 809 pessoas ameaçadas e reclama da falta de proteção. Parentes dos ambientalistas assassinados semana passada disseram que as ameaças recebidas por eles foram informadas à Polícia Civil e à PF, mas deixadas de lado. Em entrevista, Maria do Espírito Santo avisava: “A gente está correndo risco mesmo, em constante ameaça.” Depois de quatro mortes só na semana passada, o governo fez ontem uma reunião de emergência, comandada pelo presidente interino, Michel Temer, para conter a violência na Amazônia. (Págs. 1, 3 a 5 e Luiz Garcia)

Reconciliação chapa-branca
Após as ameaças do ministro Palocci ao vice-presidente Temer, que estremeceram as relações entre a presidente Dilma e o vice, os dois se reencontraram, na Base Aérea de Brasília. Mas a fotografia oficial, feita pelo Palácio à medida para a ocasião, não disfarçou o mal-estar, que continua. (Págs. 1, 10 e editorial “Governabilidade”)

Senado apaga impeachment de Collor
Exposição sobre os principais fatos da História do Senado suprimiu o impeachment de Collor. O presidente da Casa, José Sarney, classificou o impeachment de “um acidente”. (Págs. 1 e 11)

No Brasil, Lagarde pede apoio para comandar FMI. (Págs. 1 e 21)

‘Ex-favelas’ com velhos problemas
Comunidades beneficiadas com programas sem continuidade têm lixo e moradias insalubres

Comunidades agora consideradas bairros pela prefeitura como Pavão-Pavãozinho, Borel e Vidigal – beneficiadas nos últimos anos seja com obras de infraestrutura como Favela-Bairro e PAC, seja com investimentos em segurança como UPPs – ainda apresentam problemas comuns aos de qualquer favela, como lixo, esgoto a céu aberto, moradias insalubres e “gatos”, devido à falta de continuidade dos programas. Diante da crítica do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, à falta de investimentos sociais nas favelas com UPP, o Estado decidi antecipar em um mês a instalação do Comitê Executivo de Políticas Sociais nos Territórios Pacificados. (Págs. 1, 12 e Dos Leitores)

Editorial
Encruzilhada à qual se refere Beltrame é virtual. Cumpre evitar que vire um real beco sem saída. (Págs. 1 e 6)

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *