<img class="aligncenter size-full wp-image-5028" src="http://www.pannunzio.com.br/wp-content/uploads/o-globo-logo-principal1.jpg" alt="" width=" What’s He Really Thinking 212″ height=”41″ /> Palocci fala, mas não revela clientes nem melhora crise Ministro...

<img class="aligncenter size-full wp-image-5028" src="http://www.pannunzio.com.br/wp-content/uploads/o-globo-logo-principal1.jpg" alt="" width="

What’s He Really Thinking

212″ height=”41″ />

Palocci fala, mas não revela clientes nem melhora crise
Ministro nega tráfico de influência e diz que conta com boa-fé das pessoas

Após 19 dias de silêncio diante das suspeitas sobre a evolução de seu patrimônio, o ministro Antonio Palocci (Casa Civil) falou pela primeira vez sobre seus negócios como consultor, entre 2006 e 2010, como determinara a presidente Dilma. Em entrevista ao “Jornal Nacional”, da Rede Globo, Palocci assegurou que não praticou tráfico de influência como ex-ministro da Fazenda e não assessorou empresas que têm negócios com o governo. Mas não revelou a lista de clientes nem o faturamento da consultoria. Disse que conta com a boa-fé das pessoas porque não tem como provar que não fez tráfico de influência. Agradou ao Planalto ao dizer que a responsabilidade no caso é só dele, e não do governo. Para os aliados no Congresso, o ministro se explicou; para a oposição, agravou sua situação. (Págs. 1, 3, 4 e Merval Pereira)

Em livro de matemática do MEC, 10 – 7 = 4
Outra publicação patrocinada pelo Ministério da Educação, desta vez para alunos do ensino fundamental em escolas públicas rurais, traz erros grosseiros. No volume de matemática da Coleção Escola Ativa, a conta 10 menos 7 tem resultado igual a 4. Em outra, 16 menos 8 é igual a 6. Além de resultados errados, há frases que não terminam e problemas de revisão. O material com erros custou R$ 14 milhões aos cofres da União. As falhas foram divulgadas pelo próprio MEC, que acionou a CGU para apontar responsáveis. André Lazaro, então chefe da Secretaria de Educação continuada, pediu demissão. (Págs. 1 e 10)

Supremo cancela 5 milhões de multas
O Supremo Tribunal Federal manteve a decisão do TJ do Rio de anular mais de 5 milhões de multas aplicadas no estado até 2005, por falta de notificação dos condutores. Não cabe mais recurso. Já as provas práticas de direção passarão a ser monitoradas por câmeras instaladas até dentro dos carros. O Detran já descredenciou 65 autoescolas. (págs. 1 e 20)

PIB cresce, mas famílias gastam menos
O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,3% no 1º trimestre em relação ao fim de 2010. A expansão forte foi puxada por investimentos, mas as famílias consumiram menos por causa do freio no crédito, da inflação e da renda menor. (Págs. 1, 33 a 35 e Miriam Leitão)

Verbas para as obras na Serra, 5 meses depois
Cinco meses após a tragédia na Região Serrana, a presidente Dilma Rousseff e o governador Sérgio Cabral anunciaram obras no valor de R$ 678 milhões que darão início ao programa de recuperação de encostas e pontes, e construção de moradias. (Págs. 1, 18 e 19)

Bombeiros do Rio agora invadem Quartel Central
Em mais uma tentativa de discutir aumento salarial com o comandante-geral, cerca de mil bombeiros invadiram o Quartel Central, arrombando portões. Levaram crianças e mulheres para evitar confronto com a Tropa de Choque da PM, que cercou o local com a cavalaria e viaturas. (Págs. 1 e 22)

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *