Tudo indica que a bancada democrata no Senado vá pedir hoje, em reunião, a renúncia do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP). A afirmação...

Tudo indica que a bancada democrata no Senado vá pedir hoje, em reunião, a renúncia do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP).

A afirmação foi feita pelo líder do DEM, Agripino Maia (RN). Segundo o parlamentar, a mudança de discurso é motivada porque Sarney não apresenta provas que valham como uma defesa contra todas as denúncias que recaem sobre ele. Além disso, os escândalos só continuam.

“Há cerca de um mês, os democratas sugeriram um afastamento temporário do peemedebista. Agora, em nome de uma passagem a limpo dessa situação vou propor a renúncia. A bancada vai ser definidora da postura do partido”, contou. A ideia é levar uma possível decisão pela renúncia ao Conselho de Ética e ao plenário do Senado.

Ainda de acordo com Agripino Maia, o partido pode protocolar uma representação contra Sarney no colegiado presidido por Paulo Duque (PMDB-RJ). Desta vez, a reclamação seria diferente das outras 11 já protocoladas por parlamentares e outros partidos e indicaria a suspeita de grilagem de terra no Maranhão por parte dos Sarney para exploração de áreas com presença de gás natural.

Agripino também defendeu um diálogo entre políticos e rejeitou a guerra que vem sendo deflagrada por aliados de Sarney contra parlamentares que defendem a saída dele da Casa. “Bate boca entre senadores é o pior dos caminhos. As questões têm que ser levadas por grupos, partidos, segmentos, e não individualmente”.

O democrata reiterou ainda que a política é “a arte de promover entendimento nas relações pessoais”. A colocação se refere à baixaria de ontem no plenário envolvendo os peemedebistas Pedro Simon (RS) e Renan Calheiros (AL), e Fernando Collor (PTB-AL). O embate tornou a volta do recesso parlamentar ainda mais tensa. Tudo aconteceu porque Simon pediu a renúncia de Sarney da presidência, enquanto os outros dois senadores, que compõem a tropa de choque do presidente,  defenderam exatamente o contrário.

Comentários


Sem comentários ainda.

Comente!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *