O post que reproduzo abaixo foi publicado pelo Luis Nassif, um profissional de longa história que eu respeito. Sei que ele apoia o Paulo...

O post que reproduzo abaixo foi publicado pelo Luis Nassif, um profissional de longa história que eu respeito. Sei que ele apoia o Paulo Henrique Amorim e é por isto que reproduzo o conteúdo integral do artigo do José Roberto Militão, com a introdução escrita pelo Nassif. Acho que ele está do lado errado desta vez, mas respeito o direito dele de se posicionar como bem entender. O fato a anotar é que, a despeito de contrariar seu convicção pessoal, Nassif foi bastante honesto ao publicar o texto. O que estabelece uma distinção clara entre ele e outros que sequer admitem comentários críticos em suas páginas eletrônicas.

Enviado por luisnassif, sex, 02/03/2012 – 13:11

Hesitei antes de publicar este artigo. Primeiro, pelo fato de o episódio Heraldo estar sendo utilizado para tentar detonar o colega Paulo Henrique Amorim. Depois, pela presença de pequenos oportunistas, blogs que falam para públicos específicos e que sempre de aproveitam de momentos de vulnerabilidade para ataques pelas costas.

O artigo em questão é do José Roberto Militão, que o blog tem na maior consideração por suas posições corajosas e humanistas. Privar o blog do artigo significaria não dar luz a um ângulo relevante nas discussões do movimento negro.

Publico e reitero minha solidariedade a PHA, caso Heraldo à parte, pelo conjunto de ações que vêm sofrendo, visando sufocá-lo financeiramente.

O Movimento Negro apóia as ofensas racistas?

Por: José Roberto F. Militão – 28/2/2012

http://www.afropress.com/colunistasLer.asp?id=954

Ouso discordar com a devida veemência do artigo de Marcos Rezende, http://www.afropress. com/colunistasLer.asp?id=953., que na condição de militante do movimento negro, faz a defesa do polêmico jornalista PAULO HENRIQUE AMORIM, que fez uma degradante ofensa racial contra um afro-brasileiro do porte de HERALDO PEREIRA, nosso principal jornalista que integra o primeiro time da principal rede de TV do Brasil. No artigo REZENDE outorga o direito de Paulo Henrique Amorim, que se encontra em “guerra” profissional e pessoal com a Rede Globo de TV, utilizar-se de uma ofensa racial contra o mais importante afro-brasileiro do jornalismo, advogado e professor universitário em nível de pós-graduação. Um jovem ainda, HERALDO PEREIRA, com trajetória exemplar, de office-boy a estrela do jornalismo nacional, jamais deixou de reconhecer o racismo no Brasil. PHA o acusa de ser um “negro de alma branca”.

Apesar do racismo que conhecemos razão única da própria existência do próprio Movimento Negro que Rezende atua, HERALDO em 2002, foi destaque nacional, pois estava rompendo barreiras para orgulho de todos afro-brasileiros, pela primeira vez, um homem preto apresentava o mais importante jornal da TV brasileira: o Jornal Nacional. (http://www.terra. com.br/istoegente/ 174/reportagens/heraldo pereira. htm -Isto é Gente, 02/12/2002) “O sábado 23 foi um dia atípico na vida do jornalista Heraldo Pereira. Ele acordou por volta das seis horas, tomou café da manhã duas vezes e foi à igreja. O único hábito rotineiro foi a feijoada no almoço. Mesmo assim, não conseguia fazer o tempo passar. “Queria que o jogo começasse logo”, diz. Somente às 14h chegou à Rede Globo, onde apresentaria o Jornal Nacional em sua primeira participação nos rodízios de fim de semana. Sua estréia foi cercada de mais expectativa do que o normal: Heraldo se tornou o primeiro negro a se sentar na famosa bancada. “Sinto orgulho de ser negro e de apresentar o Jornal Nacional”, diz ele, que repetiu a dose nos dias 25 e 26. Num país de maioria negra como o Brasil, o fato não deveria causar espanto, mas são raras as oportunidades dadas às pessoas da raça. “O Brasil é racista”, afirma Heraldo Pereira, 41 anos. “Todo negro sofre preconceito. Ande atrás de uma mulher com bolsa para ver. Já passei por isso, passo e passarei”, diz.
A imputação de ofensas raciais degradantes como de “capitão-do-mato” ou “negro-de-alma-branca” feita por Paulo Henrique, da TV Record e do blog “Conversa Afiada” sob o pretexto de Heraldo não militar ostensivamente na defesa da segregação de direitos raciais é um absurdo.

Mais absurda a defesa do agressor, em nome do movimento negro. É um despautério. REZENDE foi inclusive testemunha de defesa judicial do acusado de agressão. Como se possível alguém aferir e testemunhar o foro íntimo de sentimentos, a não ser pelo que vem expresso em palavras e manifestações públicas. As palavras de PHA expressaram uma injúria racial contra HERALDO, aliás, reconhecida na retratação. As centenas, quase milhares de comentários de apoios ao ofensor, revelam o quanto a presença do afro-brasileiro ocupando o relevante destaque no jornalístico incomoda às elites, seja de direita ou de esquerda.

A falta de melhor argumentação para a defesa de cotas raciais conduz o debate ao confronto e ataques pessoais e aleivosias amorais dessa monta. Na defesa de políticas raciais, se tivessem, bastaria a boa argumentação que, como diz OBAMA, não pode ser na base do chororô e da vitimização que reduzem, ainda mais, a auto-estima dos afro-descendentes.

Infelizmente, consta que Heraldo também apóia as cotas sociais, porém, não é um militante da causa, razão do ataque raivoso e dos apoios suspeitos. Porém, ninguém, nenhum profissional de qualquer área tem o dever de engajamento em demandas políticas, quaisquer que sejam. 

MILTON SANTOS, que muitos abusam de citá-lo, confidenciava aos interlocutores que ficava muito contrariado com a insistência para que ele fosse um militante do Movimento Negro e ele costumava brincar: “não sou obrigado a ser militante de nada além de minhas idéias que já são muitas.”

Talvez o único debate formal que MILTON participou como debatedor, ou um dos únicos, a convite do movimento negro anti-racista, tenha sido na nossa Comissão de Negros e Direitos Humanos da OAB/SP, em 1997, e ao aceitar o convite, impôs como condição a ressalva de que aceitava ir à OAB na condição de intelectual e não na condição de racial de ´negro´.

Em apoio a Heraldo, contra a segregação de direitos raciais, está o fato relevante dela exigir a produção artificial de raças estatais – raça negra para incluir e branca para excluir – com a legitimação estatal da classificação e hierarquia racial, além de trazer implícita a violação à dignidade humana de todos os afro-brasileiros com a presumida inferioridade declarada pelo estado. 

Significando em médio prazo, liquidar com a auto-estima dos beneficiários como fizeram as leis raciais com os afro-americanos, além de induzimento a pertencimentos raciais e seus ódios inerentes e bem conhecidos, que não interessa ao combate do racismo.

O estranho ainda é que na mesma situação do Heraldo encontra-se mais de 2/3 dos afro-brasileiros que são contrários a segregação de direitos raciais, 70 milhões de pretos e pardos, que não aprovam às cotas raciais conforme a única pesquisa exclusiva publicada em 19/11/2008 – CIDAN/IBPS – realizada no Rio de Janeiro onde, desde 2001, vige lei de cotas raciais: 62,3% dos pretos e 64,1% dos pardos se posicionam contra as leis de segregação de direitos raciais. (essa pesquisa foi escondida pelos ativistas racialistas que a encomendaram): está aqui http://www.ibpsnet.com.br/descr_pesq.php?cd=83 ). Somos todos “Negros de Alma Branca”.

Que Paulo Henrique, por motivos pessoais – histórico-profissionais – faça a ofensa racial compreende-se. Cabe à vítima, como fez Heraldo, levá-lo às barras dos Tribunais. Porém, totalmente equivocado que um pretenso líder afro-brasileiro que se propõe a combater o racismo faça a defesa dessa ofensa racial dirigida a importante personalidade afro-brasileira pelo simples fato dele e de milhões de outros não fazerem a apologia da segregação de direitos raciais. 

A trajetória de Heraldo sem privilégios de berço e enfrentando toda a máquina racista que tão bem conhecemos, merece respeito e deve ser louvado por quem queira ser um verdadeiro anti-racista.

O artigo de Marcos Rezende, invocando as palavras do então radical Malcolm X que tinha o propósito de dividir a luta dos afro-americanos liderados pela doutrina pacifista do Dr. Luther King, não condiz com a realidade dos afro-brasileiros nem guarda fidelidade histórica.

O sonho sonhado pelo Doutor King era o fim das leis de segregação racial. O de Malcolm era o ódio e o confronto racial com a tese da revolução racial com o uso de todos os meios, inclusive da violência racial. Porém, o próprio Malcolm X, alguns anos depois, após sua peregrinação a cidade sagrada de Meca abandonou o radicalismo da Nação do Islã, renunciando ao radicalismo racial e declarou o arrependido de seus erros.

O mesmo radicalismo que ataca e destrói reputações de irmãos e que norteia Rezende neste episódio, inclusive atacando a afro-brasileiros que, tal como Martin Luther King queiram apenas a luta pela dignidade humana e nenhuma luta racial.

Para se compreender o grau de ódio que os discursos raciais produzem, ao desistir do ativismo pelo ódio racial, em sua famosa Carta de Meca dizendo que a partir dali passava a lutar pela humanidade dos afro-descendentes e pelos ideais socializantes de direitos universais.

Malcolm também foi rotulado de traidor dos ideais raciais – foi designado por coisas piores do que “negro de alma branca” – e acabou sendo covardemente assassinado por pretos radicais que, tal como Rezende, almejavam a qualquer custo, a condição de lideres “raciais”.

Não é assim que faremos o bom combate ao racismo. Não será com a artificial criação de uma “raça negra” estatal, através da inescrupulosa manipulação estatística, violando a voz dos pesquisados com a soma dos auto-declarados pretos e pardos, retirando-lhes a identidade humana para a imposição de uma identidade jurídica racial. Não será assim que construiremos a igualdade e harmonia social que sonhamos.

Como dizia o saudoso Milton Santos, tantas vezes invocado em sua insuperável ausência: “nós não queremos pertencimento racial. Queremos apenas que sejamos considerados em nossa inteira humanidade. Não precisamos abrir mão de nossa “relativa” tolerância racial. Não preciso ser um afro-brasileiro, quero ser visto apenas como um brasileiro. Um brasileiro comum”. Nas palavras de nosso maior intelectual afro-brasileiro neste vídeo: http://www.youtube.com/watch? v= xp9fPuYHXc

Como ativista contra o racismo considero inadmissível que o estado faça segregação de direitos raciais, pois isso implica na legitimação de “raças” estatais e da crença na divisão e classificação racial dos humanos o que vem na contra-mão da luta contra o racismo. 

Somos a ampla maioria de afro-brasileiros, favoráveis às cotas sociais em que os pretos/pardos pobres competirão em igualdade de condições e dignidade com os demais pobres oriundos do mesmo ambiente social. Também é inadmissível que o movimento negro apóie quem desfira ofensas raciais, desqualificadoras, injuriosas, a qualquer afro-brasileiro que tenha dignidade.

Por fim é bom que se diga: suspeita-se, com razoáveis razões, que as cotas raciais por leis de segregação de direitos raciais que unem Paulo Henrique e Marcos Resende seja mesmo um projeto imperialista a cargo das Foundation’s denunciadas desde 1998 no meio acadêmico. 

Essas Foundation’s, tem revelado a história com a revelação de documentos sigilosos do Governo dos EUA sempre foram o braço civil da inteligência norte-americana. Todo analista sabe que em cinqüenta anos o Brasil será uma potência mundial em disputa com os Estados Unidos.

O projeto ianque, então, seria nos retirar aquela relativa tolerância, uma vantagem demográfica que jamais conseguirão. O que justificaria os milhões de dólares, investidos todos os anos, desde 1990, nas universidades para formação de lideranças raciais, políticas e acadêmicas.

Configura-se, no apoio de Rezende em nome do Movimento Negro, com o alinhamento de um movimento social ao agressor de um digno afro-brasileiro, apenas o fato do ofensor ser aliado das políticas de cotas raciais de inspiração ianque.

A principal característica desse tipo de política pública em bases raciais é que foi inspirada no Brasil pelo progressista Senador Sarney, na época do PFL/MA. Portanto, além do patrocínio por milhões de dólares das Fords Foundation’s, o esforço de racialização no Brasil conta com os vínculos reacionários e populistas da direita norte-americana, e de Sarney a Antonny Garotinho.

O próprio Paulo Henrique em sua defesa oral no processo movido por Heraldo, http://www.con versaafiada.com.br/brasil/2012/02/28/gilmar-heraldo-e-a-globo-quem-processa-pha/ ) confessa que ele próprio, residente por muitos anos nos Estados Unidos, onde foi convencido das vantagens das leis de segregação de direitos raciais, não se sabe ainda, se foi alguma Foundation ou se foi a própria CIA que o convenceu.

Neste episódio, de todo lamentável, com a palavra o “Movimento Negro”.

O título original do artigo é “O movimento negro apóia as ofensas racistas a Heraldo Pereira?”

Comentários

  • Lucas

    03/03/2012 #1 Author

    bora tentar uma conversa civilizada?

    o paulo henrique amorim já falou com todas as letras a suas ideias e seus ARGUMENTOS.

    Aos que discordam dele, com que argumentos vocês contrapõe os do paulo henrique amorim quando ele diz que o heraldo pereira é negro de alma branca POR QUE (argumentos do pha) ele não está do lado dos negros e, sim, do lado dos brancos quando NÃO defende e posiciona-se a favor dos negros no veículo de comunicação em que trabalha?

    argumento claríssimo o do pha

    e o contra argumento dos que discordam dele?

    em tempo, leiam o post desse blog http://devir.wordpress.com/2011/12/18/o-cao-o-garoto-gay-o-politico-corrupto/ para evitar falácias e vamos direto ai ponto??

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      03/03/2012 #2 Author

      Ok, Lucas, assim está bem. Debater idéias, não a desqualificação pela injúria. Adotei e quero agradecer sua sugestão. O artigo está publicado com o devido crédito. Obrigado.

    • Lucas

      04/03/2012 #3 Author

      Obrigado. Que se debatam ideias, então! O mundo precisa disso.

    • Airton

      03/03/2012 #4 Author

      E porque o PHA não se posiciona contra os seus patrões da Rede Record por eles não terem nenhum jornalista ou ancôra negro ?
      Porque o PHA não se posiciona contra os seus patrões quando eles fazem exorcização de ” gay ” ?
      Simples , por ele tem três inimigos : a rede Globo , José Serra ( que para não tomar nenhum processo , em matérias caluniosas o chama de Cerra ) e Fernando Henrique Cardoso.Pro resto ele está se lixando.

    • Lucas

      04/03/2012 #5 Author

      Airton , se tu ler o post que sugeri e o pannunzio postou talvez mude tua fala. O fato do PHA não falar mal dos seus patrões não invalida seus argumentos contra o heraldo pereira e a rede globo. certo? Desqualificar o PHA, não muda o que ele pensa – e não vai mudar o que eu penso das posições dele.

      O fato é que o cara apresentou argumento. Forte, baseado em justificativas pra dizer que o heraldo pereira é negro de alma branca. Por que ninguém contrapôs os argumentos dele até agora? Heim pannunzio?

      Entretanto, eu concordo totalmente contigo, Airton, quando tu fala que o PHA poderia, também, olhar pra própria Record. Mas, quem sabe, não se inicia agora uma ampla discussão sobre o racismo no telejornalismo brasileiro? Tu acha que o Heraldo Pereira iniciaria ou participaria dessa discussão?

      O PHA e outros revolucionaram o noticiário político no Brasil, sendo eles um contraponto aos jornalões de sempre. E isso dói no bolso e na alma. Pra quem trocou a televisão pela internet, como eu por exemplo, isso é simplesmente um tapa na cara dessa gente que acha que pode dizer o que a gente tem que pensar.

      Pannunzio, valeu por publicar o texto. Tem outro melhor, mais restrito a homossexualidade aqui -> http://criticanarede.com/homossexualidade.html
      Como falei, ARGUMENTOS, meu povo. ARGUMENTOS!!!

    • Fábio Pannunzio

      04/03/2012 #6 Author

      Vai lá, Lucas. Você vai acabar mudando de idéia. Vou contrapor, mais uma vez, as falácias usadas por ele para injuriar o Heraldo (e todos os negros por extensão). Vamos ao glossário oficial do governo Lula, que é inquestionável e com o qual eu concordo. O Dicionário do Politicamente Correto, editado pela Presidência em 2004, traz os seguintes verbetes:

      “PRETO: Ver o verbete “Negro”

      PRETO DE ALMA BRANCA: Um dos slogans mais terríveis da ideologia do branqueamento no País, que atribui valor máximo à raça branca, e mínimo aos negros. “Apesar de ser preto, é gente boa” e “É negro, mas tem um grande coração” são variações dessa frase altamente racista, segregadora.”

      Como se vê, não é preciso mais do que duas frases para destruir a argumentação falaciosa do reincidente Malcom-XYZ da blogesfera brasileira.

      Sua vez do novo. Pelo menos você não pode dizer que este espaço não é democrático.

    • Lucas

      04/03/2012 #7 Author

      Se tu pegar só UMA fonte pra suportar teus argumentos, acho no mínimo, superficial.

      Quando se fala essa expressão “negro de alma branca”, eu não tenho em mente a definição que tu colocou acima. Não preciso aceitá-la como a única e verdadeira.

      Assim como o PHA, o trecho final do video http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=RvrjFyPt2xI apresenta a ideia. Negro de alma branca seria, então, um “vendido” – e acredito que foi nessa visão que o PHA falou.

      Se foi na visão do vídeo, concordo com ele.

      Se foi na visão do Dicionário, discordo completamente dele.

      Afinal o que ele quis dizer?

    • Fábio Pannunzio

      04/03/2012 #8 Author

      Lucas, as injúrias foram cometidas para dar suporte a uma mentira. A informação infamante era a de que Heraldo era professor do IDP, funcionário do “Gilmar Dantas” e membro do Conselho Estratégico da TV Justiça. Já mandei os links pra você. Não cabe a mim ficar discutindo a hermenêutica paulohenriqueana. Acho só que o cara é um boquirroto que, na ausência de argumentos para sustentar suas mentiras — e no afã de atacar qualquer um — não se importa de lançar mão do racismo para desqualificar seus contendores. Se você quiser outra fonte para o léxico racial do conversafiada, leia meu último post. Ali está a condenação — repito, condenação — por outra injúria igualmente racista. A fonte é um juiz de direito. Com esta, já são duas fontes. Melhorou meu repertório de referências em 100 por cento.

    • Lucas

      05/03/2012 #9 Author

      e onde está o crime de racismo, nesse caso?

    • Airton

      04/03/2012 #10 Author

      Gostaria de entender no que o PHA revolucionou o jornalismo brasileiro ?
      No puxa-saquismo que ele pratica é que não foi .
      Quer dizer que os negros só tem a opção de aderir a causa ?
      E o branco não precisa se posicionar em nenhuma situação ?

    • Lucas

      05/03/2012 #11 Author

      airton, a revolução foi de desvincular o eixo do jornalismo político dos grandes conglomerados de mídia para um blog na internet.

      não foi o único, há outros exemplos, como o escrevinhador.

      pra mim isso é muito revolucionário. ainda mais no Brasil

  • leosaneng

    03/03/2012 #12 Author

    acompanho o blog do PHA, nao por gostar do seu estilo (de pessimo gosto, por sinal) mas por ficar espantado tanto com sua má-fé, ignorância e irresponsabilidade quanto com o grande numero de seguidores fieis. Confessso que tem um “que” de masoquismo nessas minhas visitas diarias: visito o site pra me assustar e me revoltar com tanto odio vindo, muitas vezes, de internautas com a melhor das boas intenções. Pannunzio, seu primeiro texto sobre PHA x Heraldo foi excelente, so fiquei triste por ter constatado que vc publica com baixissima frequencia. Publica mais !!!!

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *