A foto acima, descoberta pelo jornalista Ricardo Amaral e publicada em seu livro “A Vida Quer é Coragem”, é o emblema de um dos...
Reprodução do livro "A Vida Quer é Coragem, de Ricardo Amaral

Dilma enfrenta seus algozes com dignidade...

A foto acima, descoberta pelo jornalista Ricardo Amaral e publicada em seu livro “A Vida Quer é Coragem”, é o emblema de um dos período mais tristes da história brasileira. Aos 22 anos de idade, a militante Dilma Rousseff enfrenta a corte militar com altivez  e dignidade — enquanto seus algozes, envergonhados, escondem o rosto. Os signos aí expostos denotam de maneira contundente o embaraço moral reservado aos que tinham, por ofício, o dever de defender (ainda que no contexto das instituições golpeadas) a ditadura brutal que se instalara no País seis anos antes.

Reprodução do Acervo Digital de Veja

... enquanto o editor de Veja enaltecia o "único antídoto de seguro efeito contra a subversão".

Mas nem todos os brasileiros se sentiam constrangidos em apoiar enfaticamente o regime dos quartéis que aposentou a política, calou a imprensa e perseguiu de maneira atroz e determinada os que a ele se opunham. Naquele momento da história , a revista Veja, a exemplo de vários outros órgãos da imprensa brasileira, apoiava declaradamente o golpe de 64. Alguns jornalistas que lá trabalhavam faziam uma defesa entusiasmada do regime. O texto que reproduzo ao lado é parte da Carta ao leitor da edição número 82, de 1º de abril de 1970. Foi escrito e assinado pelo jornalista Mino Carta.

Deve-se reconhecer que, anos depois, Mino se lançou de corpo e alma nas várias campanhas pela reinstitucionalização do Brasil. Mas, naquele momento complicado da vida institucional de País, ele e a revista que dirigia estavam em outra condição — a de áulicos do regime militar. Não é necessário mais do que uma releitura dos arquivos do Acervo Digital de Veja, que podem ser consultados gratuitamente por qualquer um, para a checagem da veracidade desta afirmação.

Pode-se argumentar que os jornalistas eram acossados pelos censores. Eram mesmo. Quando Vladimir Herzog foi morto, anos depois, Veja saiu sem a seção Brasil. Imagino que todo o material que se pretendia publicar tenha sido  censurado. Porque era exatamente isso o que  censura oficial fazia: suprimir.

Não obstante, não há registro de que a vigilância do Estado sobre a imprensa tenha feito com que um jornalista escrevesse, contra suas convicções e o universo fático,  elogios ao regime.

Nas páginas da edição 82, os militares (como os que escondem a cara na foto que antecede este post) são descritos desta forma: “Esses homens saídos dos quartéis destrincharam aos poucos as sutis malhas da crise brasileira. Para enfrentá-la dispunham da formação idealista e combativa que receberam nas escolas e unidades e da unidade de objetivos que cultivaram na vida da tropa”. Longe dos olhos da opinião pública, outra ala de “idealistas combativos” submetia a atual Presidente às mais abjetas formas de tortura durante 22 dias consecutivos.

A matéria descreve os milicos dos anos 70 como homens que, “entre o apego às origens [humildes] e o fascínio pela pompa que revestia o poder, preferiram desmistificar a importância dos cargos” . E segue enaltecendo os hábitos austeros da nova burocracia de farda. Homens que “perceberam que havia outras tarefas, além do combate à subversão e à corrupção — e pensaram no futuro”, como se pode ler na Carta ao Leitor.

A linha-dura do regime mereceu menções elogiosas à parte.  Veja afirma que “o militar que em 1964 lutava contra a subversão e a corrupção, hoje, sem transigir com nenhum dos seus antigos inimigos, está empenhado ao mesmo tempo na construção de uma nova política social e econômica para o País”. Seria uma referência velada ao militar de 68 em diante, quando o monstro da ditadura se apresentou com sua pior face após o fechamento do Congresso,  a edição do AI-5 e a supressão do habeas-corpus?

Sem esboçar a mais dócil crítica ao governo, a reportagem foi prodigiosa em apontar as conquistas do regime. “A ação dos militares em cargos técnicos deu resultados surpreendentes em muitos casos”, pontifica o texto. Um dos personagens enaltecidos é o então Coronel Cesar Cals Filho, que “mora em casa alugada, não tira férias de 1958 e só janta em restaurantes aos domingos, em companhia de toda a família”.

Ao final da reportagem, Veja assevera que “para alguns setores, os militares representam uma intromissão estranha, que modifica radicalmente o jogo social, econômico e político; para outros, ao contrário, a intervenção dos militares é recebida como a última — e única — alternativa à preservação do regime”. Para concluir que, até a chegada do momento de devolver o Poder aos civis, “os militares continuarão a exercer o poder político com o mesmo sentido de missão a cumprir que um jovem oficial cultiva, comandando uma companhia de fronteira, ou que um velho general aplica no último posto de comando”.

Imagino o que teria sentido aquela menina de 22 anos da foto ao ler essa reportagem entre um choque elétrico e uma sessão no pau-de-arara. Imagino também que a farsa engendrada pela Imprensa Golpista de então — aquela que idolatrava o golpe — tenha relação com a altivez dos olhos da prisioneira Dilma Rousseff. E que o o contraste entre o mundo dourado  da oficialidade, projetado por reportagens como essa, e o mundo real dos porões, seja a causa da vergonha que deve ter levado os juízes da ditadura a esconder o rosto do fotógrafo. Os homens sem rosto sabiam o que estavam fazendo.

Os editores de vejam, também.

abaixo, a íntegra do texto, que pode ser lido também no Acervo Digital da Revista Veja.

Comentários

  • AlexRio

    02/05/2012 #1 Author

    Num outro post, de hoje, acho, o Pannunzio defende a Veja e o Policarpo Jr no atual caso do Cachoeira. Em vários outros mostra as ordinarices da mesma – e de seus editores de então – durante a ditadura.

    Juro que não vi nada assim na blofosfera antes.

    Será q finalmente achei um jornalista imparcial pra ler, que cobre todos os mal feitos, não interessa a ideologia ou os partidos de quem os cometeu?

    Responder

  • Hélio

    20/03/2012 #2 Author

    Quem diria! Quem te viu, quem te vê. Mino e PHA já se lambuzaram no puxa-saquismo militar. E hoje posam de vestais, pelo menos formalmente né, pois o que eles gostam mesmo é de um bom anúncio de estatal, ou um belo banner da Caixa tremulando no seu (dele) blog. Uma vez JEG, ou BESTA, meu caro, é para sempre! Dinheiro chapa branca vicia.
    abs

    Responder

    • Flávio Furtado de Farias

      20/03/2012 #3 Author

      Você acha que a Caixa, Petrobrás, e outros não deviam realizar anúncios em veículos midiáticos… como Globo, Band, Veja, Carta Capital, sites diversos?
      É isso?
      Ou apenas uma parte da mídia é que deveria ficar de fora para receber verbas publicitárias?
      Não estou fazendo juízo algum neste momento quanto ao posicionamento contrário ou favorável à situação (Governo), mas apenas tentando entende…

    • Fábio Pannunzio

      20/03/2012 #4 Author

      Acho que deveriam sim. Com base nos critérios constitucionais da impessoalidade e da moralidade. E orientados por análises técnicas de audiência.

    • Flávio Furtado de Farias

      20/03/2012 #5 Author

      E como é feito hoje em relação a todos estes veículos?
      Veja, Época, Isto é, Carta Capital…
      Globo, Band, SBT, Record…
      Folha de São Paulo, Estado de São Paulo…
      PHA, Nassif,…
      pequenas rádios, pequenos jornais, …
      etc…
      Como é feito? não é com base nos critérios constitucionais da impessoalidade e da moralidade?
      Você poderia explicar e trazer dados confiáveis sobre isto?
      Em nível nacional, e também em relação aos estados mais ricos, como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais…
      Assim, teríamos parâmetros para uma discussão.
      Enfim, a relação dos governos e a mídia, qual é?

  • Fernando

    19/03/2012 #7 Author

    Parece que o texto do Mino é de uma sutil ironia. Sendo assim, não é o caso de pensar que ele se manteve coerente com o que é agora?

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      19/03/2012 #8 Author

      Sutil ironia? São páginas e páginas de elogios.

    • Mario

      19/03/2012 #9 Author

      Pannunzio, eis um caso de lavagem cerebral…

    • Fernando

      19/03/2012 #10 Author

      Achei que por aqui podia-se debater assuntos, mas o Mario deu a deixa de que não é bem assim. Trevas mode: ON.

    • Fábio Pannunzio

      19/03/2012 #11 Author

      Pode sim, Fernando. Sua contribuição é bem-vinda.

  • Marlon

    19/03/2012 #12 Author

    Olá Pannunzio,

    acho que eles esconderam o rosto para não serem identificados pela guerrilha, seriam alvos fáceis. Abc.

    Responder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *