Paulo Henrique Amorim esconde o seu passado. Até mesmo quando ele tenta revelá-lo. Por exemplo, em seu site, Conversa Afiada, ele faz um longo...

Paulo Henrique Amorim esconde o seu passado. Até mesmo quando ele tenta revelá-lo. Por exemplo, em seu site, Conversa Afiada, ele faz um longo retrospecto de seus empregos e feitos passados. A certa altura, ele conta que entre 1970 e 1974, foi editor de Economia da Revista Veja. E acrescenta, orgulhoso, referindo-se a si próprio na terceira pessoa: “Recebe o ‘Prêmio Esso’ de reportagem Econômica por um trabalho na Veja sobre a distribuição de renda.” Bonito. O site do Prêmio Esso confirma. Ganhou CR$ 5 mil (para os mais jovens, cinco mil cruzeiros, a moeda de então) pela reportagem “A renda dos brasileiros”, publicada na edição de 7/6/1972.

O Prêmio Esso não mente: a reportagem é mesmo de PHA. Isso pode ser comprovado pela leitura da “Carta ao leitor”, assinada por Mino Carta, que editava a revista, segundo o próprio PHA, com total independência, sem dar ciência aos patrões sobre o que publicava. Na carta, está dito que PHA “conseguiu a mais autorizada análise dos dados essenciais do estudo do professor Langoni e, em geral, das questões mais importantes da renda dos brasileiros”. A reportagem é dele mesmo. E, como não poderia deixar de ser, é vergonhosamente uma reportagem chapa branca. Uma tristeza.

Apesar de ter conseguido destroçar aqueles que pegaram em armas para combatê-la e de se orgulhar de um crescimento econômico de dois dígitos, a ditadura sentia um desconforto enorme: números do Censo de 1970 mostravam uma brutal concentração de renda. A oposição, quando podia, não deixava de apontar para essa ferida. O que fez então a ditadura, com o apoio de jornalistas como PHA? Encomendou um estudo para desmentir os números do Censo, que havia sido divulgado no início daquele ano.

E PHA escreveu uma reportagem como que a indagar: “Concentração de renda? Dores do parto de nossa grandeza!” São nove páginas para provar que a concentração existia, mas era transitória e até um bom sinal. Quando a ditadura, pela primeira vez, se sentia no corner, acusada de enriquecer os ricos e empobrecer os pobres, Paulo Henrique Amorim lançou uma tábua de salvação. Fez, não uma reportagem, mas uma peça de propaganda da ditadura, como se verá.

PHA, como sempre, começa tortuoso:

“A expressão ‘distribuição de renda’ adquiriu mágicos poderes de persuasão. Bastava enunciá-la para subitamente surgir um poderoso arsenal de dúvidas e suspeitas sobre os sucessos da economia brasileira. Principalmente depois da divulgação dos dados preliminares do Censo de 1970, no início deste ano, quando, sem sofismas ou malabarismos estatísticos, ficou possível localizar uma desagradável concentração.  (…) Um economia que atribui a 28% de sua população uma renda inferior a 99 cruzeiros, como mostra a tabela acima, seria certamente uma economia frágil. Porém, um recente estudo encomendado pelo Ministério da Fazenda e que se utiliza, inclusive, de dados do Censo, mostra que o adjetivo frágil no caso é impróprio.” (…)

Ou seja, de cara, PHA já repudia a tese de que a economia do Brasil era frágil. A seguir, já parte para acuar a oposição de então:

(…) “Também no Brasil, a questão da distribuição da renda deixou, inevitavelmente, de ser um tema apenas econômico para engrossar os cáusticos argumentos dos que alimentam insatisfações políticas. No caso, o argumento era ainda mais contundente porque se sustentava em números insuspeitos do Censo – um trabalho do Instituto Brasileiro de Estatística, vinculado ao Ministério do Planejamento. Há pouco tempo, Roberto de Oliveira Campos, ex-ministro do Planejamento,escreveu um artigo sobre distribuição de renda e utilizou como epígrafe um frase que ele mesmo já recorrera em vários artigos: ‘As estatísticas são como biquíni: o que revelam é importante; o que ocultam, essencial’. O economista Mario Henrique Simonsen, em discurso recente, inventariou, então, os motivos por que as estatísticas do Censo sobre a distribuição de renda poderiam estar ocultando o essencial. Os censos distribuem a população remunerada – explica Simonsen – em apenas oito classes de renda. As duas extremas, as do que ganham menos e mais, são abertas, isto é, indicam o número de indivíduos com renda menor do que x e maior do que y. Para estimar a renda média dessas classes, costuma-se apelar para o ajustamento de certas curvas estatísticas, o que provoca muitas vezes erros graves.”
E, então, a reportagem nos traz um momento curioso. Há pouco tempo PHA tripudiou do conceito de renda não monetária, e disse que é um absurdo supor que um pobre é um pouco menos pobre por ter uns porcos no quintal, um roçado. Em 1972, quando adulava a Ditadura, ele não pensava assim. Veja o que PHA escreveu para explicar os erros a que Simonsen se referia:

“Simonsen mostra ainda que os dados dos censos se referem à renda monetária recebida pelos indivíduos, e isso, de alguma forma, distorce as comparações, pois não são computados os serviços gratuitos prestados pelo governo, as diferenças regionais de renda e, ainda, a renda não monetária derivada do autoconsumo – as roças do fundo do quintal, onde algumas famílias plantam o mínimo necessário para a subsistência.”

E PHA prossegue:

“Finalmente, Mário Henrique Simonsem fornece outro argumento para se desconfiar de que o Censo está ocultando demais: os dados classificam as rendas por indivíduos Se classificassem as rendas por famílias, os resultados nas camadas mais pobres seria provavelmente melhores, pois exatamente entre os mais pobres há um número maior de pessoas trabalhando numa mesma família. Já que o Censo era muito sovina com suas informações, o governo decidiu patrocinar estudos mais completos. O Ministério da Fazenda financiou o Instituto de Pesquisas Econômicas da Faculdade de Economia e Administração da USP, que incumbiu Carlos Geraldo Langoni, 27 anos, um de seus mais jovens e talentosos professores, de realizar a tarefa.” (…)

E quem divulgou na capa de uma grande revista esse estudo contra o Censo, acolhendo-o como verdadeiro? Paulo Henrique Amorim! Ele enumera os achados do estudo do Governo:

“Foi bastante expressiva a redução da população economicamente ativa (os que trabalham e têm algum tipo de renda) que vive no campo e, paralelamente, houve um aumento dos que foram para as cidades; em nenhuma das categorias chegou a haver diminuição dos rendimentos – ou seja, todos, com exceção dos analfabetos, que ficaram praticamente onde estavam em 1960, melhoraram de renda; aumentou drasticamente a proporção dos que na população economicamente ativa têm um nível de instrução superior ao primário (além da diminuição do número de analfabetos); quanto mais alto o nível de instrução, maiores os ganhos em renda;e, finalmente, uma descoberta de valor inestimável – a renda é pior distribuída na cidades que no campo e vai ficando mais concentrada à medida que se passa dos analfabetos para melhores níveis de instrução. (…) Porém, parece sintomático que nenhum dos setores da população tenha perdido dinheiro na década.”

E para confirmar o estudo da ditadura, PHA foi buscar, distorcendo-o, um estudo de um economista que, anos depois, se tornaria um de seus maiores desafetos: José Serra. Seria engraçado, se não causasse enjôo (mas mostra, pelo menos nesse ponto, coerência, com PHA no campo oposto de Serra):

“Aliás, até um estudo, ‘Além da Estagnação” de autoria de M.C.Tavares e J. Serra [isso mesmo, José Serra], economistas da Cepal, com sede em Santiago do Chile, tradicional opositora da política econômica brasileira, admite: ‘O esquema de distribuição de renda em 1970 mostraria uma maior taxa global de desigualdade, uma maior concentração na cúpula, se comparado com 1960; em compensação, tanto os grupos médios alto quanto os médios em seu conjunto aumentaram significativamente sua participação na renda.’”

E, então, PHA dá a grande notícia: se houve concentração de renda, ela era apenas transitória. Por quê? Porque a educação oferecida ao povo pela ditadura não parava de melhorar. Querem piada melhor? Pois leiam:

“Outro dado revelador é que aumentou brutalmente a oferta de educação para os níveis ginasial, colegial e superior. (…) Conclui-se daí que a concentração de renda é maior nas cidades e entre os universitários porque a agricultura não faz grandes distinções entre os qualificados e não qualificados; e porque a rápida evolução da economia exigiu uma mão de obra qualificada. Como não havia suficiente oferta para essa demanda no primeiro momento, ocorreu uma valorização brusca dos que tinham diploma universitário, colegial ou ginasial. A educação parece ser, portanto, a maior causa da diferenciação da renda e do aumento da desigualdade na década de 60. (…) A situação brasileira seria grave se a concentração da renda estivesse aumentando ao mesmo tempo que diminuíssem as possibilidades de acesso à educação. O que acontece é exatamente o contrário. Parece estar havendo uma ampliação das oportunidades, pois a base de lançamento – o acesso á educação – é cada vez mais ampla. (…) No momento em que a oferta [de educação] for se ajustando à demanda, haverá ma redução das desigualdades – o país será mais qualificado e a renda melhor distribuída.”

E PHA termina triunfante, para a alegria da ditadura:

“Os números sobre a distribuição de renda indicam que o Brasil está apenas pagando o preço do seu desenvolvimento.(…)”

A reportagem, para cumprir tabela, traz também um artigo de Albert Fishlow, já na época, aos 36 anos, um especialista em Brasil (hoje ele é diretor do Instituto de Estudos Latinos Americanos e do Centro para Estudos Brasileiros da Universidade de Columbia). Fishlow era dos maiores críticos da política econômica dos militares, pondo o dedo na ferida: ela era desgraçadamente concentradora de renda. Mas Paulo Henrique Amorim, ao introduzir o artigo, trata de antecipar que não concorda com ele: “Veja considera poucos realistas muitas teses de Fishlow – mas encomendou o seguinte artigo para permitir uma visão mais completa dos argumentos que alimentam o debate em torno da distribuição da renda dos brasileiros.” Argumentos, evidentemente, desmentidos pela reportagem de PHA.

Aquela edição traz também uma entrevista de PHA com Delfim Netto, o todo-poderoso ministro da Fazenda da ditadura. Para um desavisado, a entrevista pode parecer correta, com perguntas que vocalizam os argumentos da oposição de então. Mas, na verdade, para usar uma metáfora inspirada no vôlei, PHA levanta para que Delfim cortar. E, o mais importante, Delfim convenceu PHA de cabo a rabo, pois todas as teses do então czar da Fazenda foram acolhidas na reportagem que ele publicou. Basta verificar que o fecho da reportagem de PHA é quase integralmente uma cópia de uma das respostas de Delfim:

PHA: “(…) Não seria justo exigir uma distribuição melhor de uma economia que cresce tanto?”

Delfim: “Não creio. O que se pode exigir é o seguinte: um processo de rápido crescimento tende a gerar um processo de melhor distribuição. Essa experiência é universal. O que eu acho é que não é possível colocar essa distribuição como objetivo superior ao da produção. Se não, você acaba querendo distribuir o que não existe.”

Em outra resposta, Delfim disse:

“Os dados agora levantados [por Langoni] não dão ao Brasil nenhuma grandeza maior. É apenas um caso típico de desenvolvimento econômico. Mas os dados também não deixam o Brasil numa posição incômoda quanto à dua distribuição de renda.”

Ou como disse PHA no fim de sua reportagem, acolhendo integralmente as teses de Delfim:

“Os números sobre a distribuição de renda indicam que o Brasil está apenas pagando o preço do seu desenvolvimento.(…)”

Taí um Prêmio Esso que não dá orgulho a ninguém. Em vez de deixar a ditadura acuada, com os inequívocos dados do Censo, PHA preferiu dar guarida a um estudo cujo objetivo foi servir de bóia de salvação. Só PHA mesmo.

Abaixo, a íntegra da reportagem, reproduzida do Acervo Digital da revista Veja

Comentários

  • Caio Ribeiro Correia

    02/06/2012 #1 Author

    Decada (escreve agora sem acento, não é?) de 1970
    Decada do “milagre economico brasileiro”.
    Período no qual os empresários tupiniquins financiaram a viagem de Lula e caterva para a Alemanha para aprender a fazer greve contra … os militares. Sim, os empresarios enviaram o Molusco Cefalópode Eneadactilo Etilico e grupo para a Deutschland atendendo a pedido dos sindicatos de lá visando a sincronizar os movimentos sindicais de ambas as nações para “beneficiar” os trabalhadores germanicos.
    Pelo lado brasileiro, os empresários lucrariam pois “cutucariam” o Golbery/Leitão de Abreu com vara curta, exigindo maior “protecionismo” ao produto tupiniquim. O que conseguiram! Até que veio o “caçador de marajás” corrupto e deu “uma abertura” .
    Quer saber de uma coisa? Tudo que se relaciona com o Lula fez mal para o pais.

    Responder

  • Jover P. Maya Rosado

    24/05/2012 #2 Author

    Ótimo texto … quanto mais leio sobre a década de 70 e me convenço que foram os “anos de ouro” da nossa economia. O crescimento concentrou renda, mas a sociedade como um todo ficou mais rica, números são números.

    Responder

  • ALUIZIO

    22/05/2012 #3 Author

    Senhor Pannunzio,
    Parabéns pelo blog. É a primeira vez que leio e estou muito satisfeito pela qualidade. Pretendo voltar muitas vezes. É disso que precisamos: jornalistas de verdade.
    Um abraço.
    Aluizio

    Responder

  • dida

    21/05/2012 #4 Author

    O PIG da’ BOA NOITE ‘a cavalos.

    Responder

  • dida

    21/05/2012 #5 Author

    O importante e’ que PHA caiu em si e hoje ele representa uma sociedade que tem a clareza dE que a politica esta em tudo mas o poder esta com o povo, tanto que esse mesmo povo tem dado uma bela banana para os reacionarios metidos ‘a BESTA,O PIG da’ BOA NOITE

    Responder

  • Irrespondível!

    29/03/2012 #6 Author

    Perfeito apanhado! E mais perfeita ainda a fotografia do moço, que se exalta em pedestal…de prótese de silicone. E, de contrapeso, o uso da 3a. pessoa! A par do pedantismo e da vaidade sem causa, uma tremenda agressão ao Português, imprópria e inaceitável para um jornalista.

    Responder

  • João

    28/03/2012 #7 Author

    Genial, Pannuzio! O obreira estava, na verdade, falando de si mesmo quando tentou difamar o Kamel. Sempre foi chapa branca, sempre foi puxador de saco do governo. Sempre foi anão e babaca. Parabéns.

    Responder

  • Marlon

    27/03/2012 #8 Author

    “Olá, tudo beim”?

    Muito bom o seu trabalho.

    E a figura confrontando Kamel e PHA, foi genial. Queria ver a reação de PHA ao ser confrontado com isso, queria ver a cara dele no momento… É incrível a memória seletiva, e quanto dinheiro rola por baixo.

    Show!

    Responder

  • alvaro

    22/03/2012 #9 Author

    Ao ler estes textos, lembro-me do para jornalista Claudio Marques.
    Para quem não sabe, Claudio Marques foi o dedo duro que não teve escrúpulos em acusar Vladimir Herzog ao DOPS.

    Responder

  • Zé Luiz

    22/03/2012 #10 Author

    Sabe o que mais me choca???
    É que mesmo com todos esses fatos escancarados na cara de todos, ainda tem gente que defendo o PHA!
    Esse tipo de gente me assusta!!!
    Parabéns pelos posts!
    Você opta pela ponderação!
    Mostra a Verdade sem cair na vulgaridade!!!
    Tem aqui um admirador!

    Abraços!!!

    Responder

  • Airton

    22/03/2012 #11 Author

    Se mudasse o nome do ministro da Fazenda , o PHA poderia publicar o mesmo texto hoje e os seus leitores não notariam nada de diferente e o aplaudiriam efusivamente.

    Responder

  • jefferson farias

    22/03/2012 #12 Author

    Parabéns ao blogueiro e jornalista! Nada como o direito à memória não seletiva, a exemplo de certos “ícones” desse jornalismo interneteiro “progreçista”. Realmente, eu não entendo como certos jornalistas, a exemplo do genovês, tem a coragem de pôr o nariz pra fora da porta. Quando vejo a impostura do dito cujo e de outros, a exemplo do pato fanhoso (PHA), sou tomado pela sensação de vergonha alheia. Ganhaste um fã!

    Abraço e continue com o trabalho!

    Responder

  • Candango

    22/03/2012 #13 Author

    Finalmente alguém reage contra o deboche…

    Ainda há luz no fim do túnel.

    Já estava me convencendo que somos mesmo um povo destituído de MEMÓRIA, mas eis que surgiu seu blog.

    Vá em frente, pois ainda há muito a cobrar de certas pessoas que hoje se colocam como donos da verdade.

    Responder

  • Ricardo Contadini

    22/03/2012 #14 Author

    Sensacional !!

    Estou todo dia aqui ! E estou repassando para os meus amigos BESTAs;

    abc e continue o bom trabalho !

    Responder

    • Fábio Pannunzio

      22/03/2012 #15 Author

      Obrigado, Ricardo. Obrigado de coração.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *