Bem-vindo, DDT! E rápido!

Um dos maiores erros da história da humanidade foi o banimento do DDT, o mais eficiente inseticida jamais produzido. Foi graças a ele que o Brasil conseguiu, na década de 50, erradicar o Aedes Aegypti, o mosquito-bomba que nos faz novamente tremer diante de epidemias como  dengue, zyca e chikungunya.

Se o DDT não tivesse sido banido em 1972 por pura implicância de fanáticos religiosos do pior ambientalismo, quase 50 milhões de vidas teriam sido salvas na África e nas Américas, onde a malária é endêmica.

Clique para continuar lendo

Fiquem tranquilos. Mundo não acaba antes do natal, diz Marcelo Gleiser

O apocalipse está chegando. O mundo vai acabar antes do natal. Uma estrela — ou um cometa — chamado Nibiru está provocando alterações na inclinação dos anéis de saturno. Há evidências de que ela esteja se aproximando da Terra numa elipse orbital anormal, que provocaria todo tipo de catástofe planetária. Iríamos irremediavelmente para o beleléu.

Diante do apocalipse que se avizinha, só há uma coisa a lamentar: o fato de que nada disso encontra evidências cosmológicas ou físicas. Ou seja: o mundo não vai acabar. Pelo menos por enquanto.

Clique para continuar lendo

CIENTISTAS ANUNCIAM DESCOBERTA DO QUE PODERIA SER “PARTÍCULA DE DEUS”

Uma corrida bilionária que já durou meio século pode estar chegando ao seu fim e a ciência estaria a um passo de uma de suas maiores descobertas: a existência da “partícula de Deus”. Na manhã desta quarta-feira, 4, o Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern) anunciou em Genebra o que é a mais importante prova da existência da partícula que, para muitos, fecharia a explicação sobre a formação do Universo. A apresentação apontou a descoberta de uma nova partícula subatômica que poderia ser o bóson de Higgs, abrindo uma nova era para a Física.
“Atingimos um marco no nosso entendimento da natureza”, declarou Rolf Heuer, diretor do Cern. “A descoberta é consistente com o bóson de Higgs”, disse.
A teoria é que é essa partícula que garante massa a todas as demais e, portanto, central na explicação do Universo. Conhecida fora do mundo da ciência como “partícula de Deus”, trata-se da última fronteira não resolvida pela física. Nos anos 60, Peter Higgs desenvolveu uma teoria na qual uma energia invisível preencheria um vácuo no espaço. Ao se moverem, partículas são puxadas uma contra as outras, dando massa a um âtomo. Já as partículas da luz não sentem essa atração e não contam com massa. Sem a partícula responsável por unir as demais, átomos não conseguiram ser formados no início do Universo e a vida como a conhecemos hoje simplesmente não existiria. O problema é que sua partícula hipotética – o bóson de Higgs – jamais foi encontrada, pelo menos até hoje.
Depois de acumular dados de milhares de choques de partículas no acelerador subterrâneo construído entre a Suíça e França e que custou US$ 8 bilhões, os cientistas praticamente confirmam a existência de sinais da partícula. Dois experimentos diferentes – os detectores Atlas e o CMS- se lançaram na corrida pela partícula no Cern e hoje estão comparando seus resultados.
Joe Incandela, porta-voz do CMS, confirmou que seu experimento detectou fortes sinais do bóson. “São resultados muito sólidos”, disse. Ao mostrar a tabela, ele mesmo confessou: “nem posso acreditar”. “São indícios muito fortes”, disse. A margem de erro ou variação no dado é de um a cada 1 milhão de eventos.
No Cern, cientistas insistem que o resultado final e a revelação sobre o “Santo Graal” da física só teria como rival a descoberta da estrutura do DNA, há 60 anos. “Essa é a semana mais excitante da história da física”, declarou Joe Lykken, do Fermi National Accelerator Lab (Fermilab) que conduziu as pesquisas nos Estados Unidos nesta semana. Se for confirmada sua existência, a descoberta abrirá o caminho para detalhar o funcionamento de átomos e do próprio Universo.

Clique para continuar lendo

Cientistas acham cerâmica mais antiga do mundo na China

RICARDO BONALUME NETO

A cerâmica é bem mais antiga do que se imaginava: fragmentos com cerca de 20 mil anos de idade foram achados na caverna de Xianrendong, na China, recuando em até 3.000 anos o uso conhecido desses artefatos.

A data impressiona, pois mostra que a cerâmica já era usada por tribos de caçadores-coletores 10 mil anos antes de surgir a agricultura.

De acordo com os cientistas, até recentemente se achava que a cerâmica tinha sido desenvolvida primeiro por populações sedentárias, que praticavam agricultura.

Clique para continuar lendo

Em busca do aquecimento global IX – O nível do mar

O que está acontecendo com o nível dos oceanos ? Aumento rápido e mortal, segundo os aquecimentistas. Nada de anormal, de acordo com os céticos.

Fato: ele subiu, mas não nos últimos anos. Assim como tem subido e descido ao longo de toda a história do planeta Terra.

Assista à terceira reportagem feita por mim para o Jornal da Band. Veja o que está por trás dessa polêmica.

 

Revista quer mudar publicação científica

GIULIANA MIRANDA

Uma revista científica com acesso gratuito para o público, transparente quanto às condições de edição dos trabalhos e que cobra taxas de publicação até 90% menores que a concorrência pode sobreviver no bilionário mundo dos periódicos acadêmicos?

Tem muita gente apostando que sim. Parte do entusiasmo se deve a Peter Binfield, que capitaneia a empreitada. Ex-editor da revista científica “PLoS One” e entusiasta do livre acesso à pesquisa, ele ajudou a consolidar o periódico como uma das mais importantes e inovadoras publicações de leitura gratuita.

Clique para continuar lendo

Comissão da Verdade tem de incluir elites civis

JOSÉ LUIZ NIEMEYER DOS SANTOS FILHO, na Folha de São Paulo

A discussão das últimas semanas, referente às ácidas cartas de setores da reserva das Forças Armadas sobre o processo de criação de uma Comissão da Verdade, coloca um ponto importante para nossa reflexão. Quem pensou, organizou e operacionalizou o movimento de 1964?

A resposta soa clara ao aluno desatento do ensino médio: militares. Mas não. A participação ativa dos setores civis da sociedade no golpe militar de 31 de março de 1964 deve ser discutida e aprofundada, inclusive naquilo que se refere à tortura e ao desaparecimento daqueles que se opunham ao regime. Não se muda a história.

Clique para continuar lendo

Cientistas dizem que Amazônia está mais seca

Em 2005, a Floresta Amazônica passou por uma seca tão severa que foi classificada como um fenômeno raro, dos que costumam ocorrer uma vez a cada cem anos. Entretanto, apenas cinco anos depois a região teve uma seca ainda mais forte, de acordo com o estudo feito por cientistas do Brasil e do Reino Unido, publicado nesta sexta, dia 4, na revista Science.

De acordo com a pesquisa, em 2010 a maior floresta tropical do mundo teve ainda menos chuvas do que em 2005. Como secas severas são danosas à vegetação, menos carbono foi capturado no ano passado.

Clique para continuar lendo

País negocia venda de urânio enriquecido – economia – Estadao.com.br

Marta Salomon, de O Estado de S.Paulo – O governo brasileiro já negocia a venda de combustível para usinas nucleares da China, da Coreia do Sul e da França. As negociações têm por base a perspectiva de aumento do número de usinas nucleares no mundo e o alto preço alcançado pelo combustível no mercado internacional. Apesar das negociações, ainda não há uma decisão oficial sobre a produção de urânio enriquecido para a exportação.

O Brasil tem uma das maiores reservas de urânio do mundo e domina a tecnologia de produção do combustível, ainda em pequena escala. Os contatos com autoridades e empresários da área de energia da China, Coreia do Sul e França aconteceram no final do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, segundo relatório de viagem a que o Estado teve acesso.

Clique para continuar lendo

Pela primeira vez, é possível visualizar o Sol inteiro

Até hoje a Nasa só conseguia identificar o lado do Sol que está voltado para a Terra – poderíamos ver tempestades solares acontecerem, mas é muito difícil ver como elas se desenvolvem, por exemplo.

Agora, graças à STEREO (Observatório de Relações Solares e Terrestres), um par de sondas que segue a órbita da Terra (uma adiante de nós e a outra atrás) para analisar o Sol de diferentes pontos de vista. Elas foram lançadas em 2006 e hoje, finalmente, chegamos a um ponto em que podemos analisar o sol de uma visão 360 graus.

Clique para continuar lendo