Blog do Pannunzio

Assessor de Kassab responsável pela liberação de edifícios decuplicou patrimônio e tem 106 imóveis

EVANDRO SPINELLI E ROGÉRIO PAGNAN

O diretor responsável pela aprovação de empreendimentos imobiliários de médio e grande porte em São Paulo durante a maior parte da gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD) tem 118 imóveis, 106 dos quais adquiridos nos sete anos em que esteve no cargo.

Com renda mensal declarada de R$ 20 mil, entre rendimentos de aluguéis e salário bruto da prefeitura de R$ 9.400 (incluindo aposentadoria), Hussain Aref Saab, 67, acumulou, de 2005 até este ano, patrimônio superior a R$ 50 milhões -entre os seus 118 imóveis estão incluídas 24 vagas de garagem extras.

A explosão patrimonial de Aref, como é conhecido, foi identificada pela Folha em levantamento feito nos últimos 45 dias em cartórios da Grande São Paulo, do litoral e parte do interior do Estado.

Aref deixou o cargo no mês passado, após a Corregedoria Geral do Município e o Ministério Público passarem a investigá-lo por suspeita de corrupção. A apuração na Corregedoria foi aberta por determinação de Kassab, que recebeu uma carta anônima com denúncias contra o ex-diretor. A defesa de Aref “contesta frontalmente a acusação”.

Em depoimento à Corregedoria, Aref não soube informar seu patrimônio. “Está meio nebuloso hoje”, disse.

VISTA PARA O PARQUE

Entre seus imóveis há, por exemplo, meia dúzia de apartamentos num prédio com vista para o parque Ibirapuera. Esses imóveis estão estimados, no total, em R$ 4 milhões.

Aref era funcionário de carreira da prefeitura. Já aposentado, foi nomeado em janeiro de 2005 pelo então prefeito José Serra (PSDB) -por indicação de Kassab, vice à época- diretor do Departamento de Aprovação das Edificações, conhecido como Aprov. O cargo de confiança é vinculado à Secretaria da Habitação.

Qualquer prédio para ser construído a partir de 500 m² precisa da liberação do Aprov. Depois de pronto, também cabe ao setor liberar o empreendimento para que os moradores possam ocupá-lo.

Até assumir o Aprov, pelo levantamento da Folha, Aref tinha 12 imóveis registrados em seu nome -três deles de herança, dos quais ele detém uma parcela de 1/12.

A estimativa é que esses imóveis valham, ao todo, cerca de R$ 1,5 milhão.

Esse é o mesmo valor que o funcionário aposentado diz ainda ter aplicado em bancos.

Pouco mais de um ano depois de assumir o cargo, Aref registrou em seu nome um loft na Vila Madalena. Seis meses depois comprou, por R$ 80 mil, um apartamento na Chácara Flora, que vale R$ 500 mil. E não parou mais.

Até julho de 2008, registrou 58 imóveis (apartamentos, casas, terrenos, prédios comerciais e vagas de garagem) em seu nome pessoal.

A partir de então, foram mais 46 registrados em nome da SB4 Patrimonial, uma empresa de capital social de R$ 10 mil criada em julho daquele ano que tem como sócios o próprio Aref, com 70%, a mulher e dois filhos dele, com 10% de cota cada um deles.

Aref não quis falar com a Folha, alegando problemas de saúde. O advogado do ex-diretor, Augusto de Arruda Botelho, atribui seu patrimônio a uma herança recebida de seu pai e à receita de um estacionamento da família.

O defensor aponta 11 imóveis de herança. Nos cartórios consultados pela Folha, há registro de só três de herança.

Colaborou IRAN ALVES

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Cotidiano – Enquanto aprovava edifícios, diretor adquiriu 106 imóveis – 14/05/2012.

Comentários

Related posts

PT adia, mais uma vez, reunião da bancada

Dilma confia que candidato do governo usará imagem de Lula

Fábio Pannunzio

Aliado de Sarney paga fábrica com verba indenizatória

Fábio Pannunzio

2 comments

Alex 14/05/2012 at 19:48

Parece que foi demitido como “punição”

Eu quero saber é se vai ser processado, preso e retornar aos cofres públicos o dinheiro roubado para a aquisição dos imóveis.

Vai?

Reply
JACUTINGA 14/05/2012 at 17:24

Quer dizer que o Sr AREF para multiplicar patrimônio era uma
verdadeira FERA. Espero que muito em breve esteja devidamente ODALUAJNE.
E, o jornalismo investigativo da Folha, deixa acontecer primeiro para depois denunciar ??? E, desta maneira parcial ??? O título da matéria deveria ser. KASSAB AFASTOU DIRETOR SUSPEITO DE ENRIQUECIMENTO ILÍCITO. Mas, seria “botar a azeitona” na empada do prefeito, não é ???
Muito feio …

Reply

Leave a Comment