Clima Deu no jornal Folha de São Paulo Meio-ambiente Notí­cias Opinião Polí­tica

Recusa ao chamado, por Marina Silva

Mesmo com a visão tolhida pela proximidade dos fatos, arrisco-me a dizer o que saiu 100% vitorioso dessa “Rio-20”. Foram as posições defendidas abertamente pelos negociadores dos EUA -e adotadas por Índia, China e Rússia-, de recusa a submeter seus interesses a decisões multilaterais -uma das melhores formas para encontrar saídas para a grave crise ambiental que ameaça o futuro do planeta.

A Europa, que durante 20 anos sustentou política e operacionalmente a tese da primazia do multilateralismo junto com um grupo de países, entre eles o Brasil, manteve esse discurso no Rio, mas, ao mesmo tempo, transferiu para a burocracia diplomática o papel de subtrair dele a imprescindível chancela da ação.

Já o Brasil optou pela renúncia à ousadia e perdeu o acanhamento em assumir-se conservador no agir e no falar. Esse documento anódino aprovado pode ter sido muito duro para o multilateralismo, na medida em que lhe passa atestado de incompetência como espaço de negociação. Não faltará quem advogue o ocaso do multilateralismo para resolver a crise ambiental. Os resultados pífios da agenda oficial dessa lamentável “Rio-20” devem-se à trama de interesses e de vontades que agiu persistentemente desde a Rio 92, para que nenhuma mudança os afetem ou possa vir a ameaçar sua hegemonia geopolítica.

Em 1992, o apelo da menina Severn Suzuki aos chefes de Estado, para que assumissem compromissos ambientais, comoveu o mundo. Agora, a neozelandesa Britanny Trilford foi mais incisiva: “Vocês estão aqui para salvar suas imagens ou para nos salvar?”. E mais: “Cumpram o que prometeram”. Rostos impassíveis ouvindo a crítica. Será que essa denúncia contundente de sua inação os abala de fato?

A conferência mostrou a distância crescente entre os povos e os Estados. O contraste não foi apenas entre as cores barulhentas da diversidade social e as formalidades do Riocentro. Trata-se de um deslocamento que a sociedade faz, um trânsito na civilização que não é acompanhado pelos governos. Estes limitam-se a falar do futuro enquanto disputam o espólio do século passado e se prestam a ser os guardiães da insustentabilidade.

A grande decepção, infelizmente, foi a recusa do governo brasileiro em assumir a liderança inovadora que sua condição de potência socioambiental lhe dá, afastando-se de sua tradição diplomática na agenda ambiental.

Ao permitir-se ser a mão que enfraqueceu o multilateralismo e reforçou as estratégias exclusivistas dos países ricos, rendeu-se à mesma lógica que levou ao retrocesso interno expresso no Código Florestal. Faltou atitude aos países, e o Brasil nada fez para reverter essa situação ou denunciá-la.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Opinião – Recusa ao chamado – 22/06/2012.

Related posts

Oposição uruguaia convoca chanceler a dar explicações

A edição em que Mino Carta pugnou pela pena de morte para os “terroristas”

Fábio Pannunzio

Sindicato dos Delegados de Polícia de SP repudia abusos da Corregedoria. Policiais programam manifestação

Fábio Pannunzio

2 comments

Lucas 22/06/2012 at 15:01

A Marina, o Avatar do Acre, poderia se candidatar a presidente nas próximas eleições de 2014 para ver como anda a sua bola.
Se cresceu ou murchou.
Acho que estará menor que bola de golfe.
Simples assim…

Reply
Marcjaguar 22/06/2012 at 10:09

Caro Pannunzio

Se a eco-chata Marina nao ficou feliz com a Rio +20 entao eh porque o resultado da cupula foi bom para o Brasil.
Simples assim.

Abraco, Pannunzio

Reply

Leave a Comment