Deu no jornal Economia Folha de São Paulo Notí­cias Polí­tica

Indústria tem novo tombo mesmo após medidas do governo

Diante de um cenário externo ruim e de um esfriamento de demanda doméstica, as medidas adotadas pelo governo para reaquecer a indústria foram insuficientes para evitar que o quadro de contração do setor continuasse se agravando em maio.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a produção industrial caiu 0,9% ante abril, terceira queda mensal seguida. A contração foi puxada principalmente pela fabricação menor de veículos e de alimentos, os dois segmentos com maior peso na indústria.

Na comparação com maio do ano passado, a produção industrial caiu 4,3%. Foi a maior queda desde setembro de 2009 e a nona retração anual consecutiva.

Com isso, produção acumulada nos primeiros cinco meses de 2012 foi 3,4% menor que a registrada do mesmo período do ano passado.

A retração da indústria, tanto em maio quanto no acumulado do ano, foi puxada por fortes quedas, de cerca de 10%, na produção de bens de capital (como máquinas e caminhões) e de bens de consumo duráveis (como carros e aparelhos celulares).

A queda da produção de bens de capital reflete a redução dos investimentos de empresários, que estão mais cautelosos por causa da demanda doméstica mais fraca e do cenário externo incerto.

Desde agosto, o Banco Central já reduziu a taxa de juros (Selic) de 12,5% para 8,5% ao ano, medida que torna mais baratos os financiamentos para investir.

“Mas isso não foi capaz de impulsionar ainda os investimentos exatamente porque o empresário não vê um crescimento forte de consumo à frente”, diz o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – Indústria tem novo tombo mesmo após medidas do governo – 04/07/2012.

Related posts

Valério diz que é falsa lista que cita Mendes

Fábio Pannunzio

João Paulo pode ter pena de ao menos 9 anos

Especialistas nos EUA veem Lei da Transparência do Brasil como pioneira

1 comment

Carlo Germani 04/07/2012 at 22:07

Fatores determinantes da desindustrialização do Brasil:

1)CHINA-mão-de-obra escrava,sem políticas sociais,custos
operacionais irrisórios,(…).
2)BRASIL-Custos altíssimos com impostos escorchantes.
-Distribuição de benefícios sociais insustentáveis
-Mão-de-obra maciçamente não especializada.
-Sistema de governo equivocado com a fraude da social-democracia.
-Estado gigantesco,corrupto,ineficiente,(…),e
megaendividador.
-Gerador e fornecedor de matérias-primas,apenas.
(…)

Resumo da ópera: O Brasil,quando o fantoche-farsante Lula,reconheceu a China como economia de mercado,
sepultou a partir daí a indústria nacional.

O mercado mundial,não paga as benesses brasileiras,com a baixa produtividade (feriados,greves,baixa formação,…).
Ou a China começa a aumentar os seus custos de produção,com a inclusão de benefícios sociais para a população,ou o Brasil faz urgentemente o contrário,começa
a reduzir seus custos,a começar pela arrecadação criminosa de impostos.

PS-Caso haja uma verdadeira reforma fiscal e tributária no Brasil,é preciso ficar de olho no empresariado (90%),que devem rever suas planilhas de custos para beneficiar o consumidor final,e não,embolsar as diferenças de impostos.

Reply

Leave a Comment