Blog do Pannunzio

Edital prevê “back up” para imagens do Planalto

Do Blog do Josias.

Chama-se Telemática Sistemas Inteligentes a empresa que provê à Presidência da República um circuito interno de imagens.

Foi contratada em 2004, ao custo de R$ 3,2 milhões. Em junho de 2005, o contrato recebeu um tônico de R$ 810,4 mil. Foi a R$ 4,1 milhões.

O edital que especifica os serviços prestados pela Telemática anota: as imagens do vaivém nos corredores do Planalto seriam guardadas em back-up.

Significa dizer que, uma vez apagadas, permanecem armazenadas em arquivos suplementares, de segurança.

Deve-se a descoberta da novidade aos repórtes Amanda Costa e Milton Júnior. A dupla pendurou a notícia no sítio Contas Abertas.

A revelação faz boiar na atmosfesra de Brasília uma incômoda interrogação. Por que diabos o Planalto diz que não dispõe das imagens da visitante Lina Vieira?

Ex-secretária da Receita, Lina diz ter conversado com a ministra Dilma Rousseff em dezembro do ano passado. O dia? Não se lembra.

Em resposta a um requerimento do DEM, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência) informara o seguinte:

Na sede do governo, o período médio de armazenamento das imagens do circuito interno varia “em torno de 30 dias”.

Depois disso, as fitas seriam reutilizadas, apagando-se o passado. Dizia-se que tal procedimento constava das “especificações do contrato”. Lorota.

De fato, reza o contrato que as imagens devem ser armazenadas “por período não inferior a 30 dias”.

Mas, acrescenta o texto, os gravadores digitais do circuito interno do Planalto deveriam ser apoiados por um sistema de back-up.

E quanto aos registros da entrada de pessoas e veículos. Bem, para esses casos, o edital prevê armazenamento de seis meses. De novo, com back-up.

Lina disse e repetiu que, na conversa com Dilma, ouvira um pedido para “agilizar” a fiscalização da Receita em cima dos negócios do “filho do Sarney”, Fernando.

Dilma negou tudo: o encontro e o pedido. Fica agora no ar que, para escorar a versão da ministra, o GSI brinca de esconde-esconde.

Há, reconheça-se, uma alternativa: o gabinete chefiado pelo general Jorge Félix pode estar sendo sincero. Afastada a hipótese de má-fé, restaria apenas a incompetência.

Embora remunere uma empresa para lhe fornecer imagens também em banco de dados longevo, o Planalto, por inepto, abre mão do serviço.

Curioso, muito curioso, curiosíssimo. Imagine-se se, em vez de imagens, estivesse em jogo o fornecimento do áudio da conversa que ora ocorreu ora nunca houve. 

Comentários

Related posts

Sarney sai calado de reunião com Lula, mas assessoria esclarece episódio da mansão

Fora do ar

Fábio Pannunzio

O incrível exército de Bracaleone

Fábio Pannunzio

Leave a Comment