censura Cidadania Notí­cias Polí­tica

Decisões judiciais contra blogueiros pautam a discussão da blogosfera nacional

Por Guilherme Sardas
Em 2010, uma medida liminar da Justiça do Paraná proibiu o repórter e apresentador da Band, Fábio Pannunzio, de fazer qualquer referência a uma quadrilha de estelionatários, com  atuação internacional, que vinha denunciando em seu blog pessoal. Meses depois, com o grupo desbaratado pela mídia formal, e devidamente preso, a liminar seria revogada pelo TJ do estado e arquivada por unanimidade.
Durante o período de restrição, Pannunzio uniu-se à jornalista Adriana Vandoni, do blog “Prosa e Política”, que estava – e continua – impedida de comentar ou emitir opinião de juízo sobre as inúmeras ações de improbidade administrativa envolvendo o presidente da Assembleia do MT, José Riva. “Como nós dois estávamos censurados, passei a veicular as denúncias do Riva, e ela, as denúncias da quadrilha. Isso chama permuta de censura”, explica Pannunzio.

Segundo Adriana, as decisões judiciais que vêm legitimando sua mordaça, como a negativa de um agravo de instrumento no TJ de MT, teriam forte influência da atuação de Riva nos bastidores da Justiça local. “A Justiça do MT é absolutamente comprometida com ele. Para você ter ideia, a alegação de um dos desembargadores que me negou o agravo é que eu estava ferindo o direito de privacidade do político ao falar dos processos que ele responde.”
A situação é apenas um exemplo do quadro de crescente judicialização da censura a que a blogosfera brasileira vem sendo submetida e que levou figuras como o ministro Carlos Ayres Britto, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), a manifestar recentemente sua preocupação com o assunto, recorrendo ao pensador francês Alexis de Tocqueville, para defender que “os excessos da liberdade se corrigem com mais liberdade”.
Os fatos e os números mostram a facilidade de se remover conteúdos da internet brasileira. Segundo o Committee to Protect Journalists (CPJ), no primeiro semestre de 2011, o Brasil foi o campeão mundial de remoção de conteúdo, com 224 ordens da Justiça remetidas ao Google. Para Thiago Tavares, diretor-presidente da ONG SaferNet Brasil, a situação exige a criação de um observatório para as decisões judiciais da blogosfera. “Em alguns segmentos do Judiciário, me parece que há certa interpretação exacerbada da legislação em que se invertem um pouco o direito à informação e o ferimento da honra e imagem da pessoa. Em ano de eleição, a remoção de conteúdo cresce exponencialmente”, explica.

A experiência de Pannunzio é emblemática para a maior vulnerabilidade do blogueiro no país. “Em 31 anos de profissão na TV, fui processado uma única vez. Já no blog, foram seis processos. A figura do blogueiro é muito mais frágil do que a empresa de comunicação.”
Chapa-branca ou oposição?
Não são apenas os abusos jurídicos que têm aquecido a discussão. No final de maio, a cidade de Salvador recebeu o “3º Encontro dos Blogueiros Progressistas”, grupo de jornalistas e não jornalistas, que vêm reivindicando a liberdade de atuação na blogosfera como alternativa à atuação da grande mídia.
O evento contou com a gravação de um vídeo do ex-presidente Lula, que exaltou a atuação dos blogs como alternativa ao setor de comunicações do país, segundo ele, “concentrado em poucas empresas, poucas famílias e poucos lugares”. Entre os articuladores do evento, Franklin Martins, antigo ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social do governo Lula e um dos principais defensores do marco regulatório da mídia no país. O grupo tem o apoio dos jornalistas Paulo Henrique Amorim, Rodrigo Vianna, Luiz Carlos Azenha, Altamiro Borges, entre outros.
Para Borges, que preside o Centro de Estudos de Mídia Alternativa Barão de Itararé, democratizar a rede é um dos principais desafios da blogosfera. “Há, sim, a judicialização da censura, processos que desgastam e levam o profissional à bancarrota, mas há também a dificuldade da democratização da comunicação no Brasil, porque hoje há uma monopolização da mídia brasileira, comandada por sete famílias. É uma aberração democrática”, diz.
Pannunzio rechaça a tese de que os blogs são alternativas essenciais a um suposto “monopólio da grande imprensa”. E ainda critica: “A maioria dos blogueiros que defendem essa tese é da imprensa formal. Começa por aí a contradição deles. Além disso, são parte de um grande projeto de comunicação de pessoas que integravam o governo Lula. Como é que um jornalista de qualquer mídia abre mão de fiscalizar para começar a bajular o poder, a defender a impunidade de gente envolvida com a corrupção, como vem acontecendo?”.
Para Ricardo Noblat, blogueiro político de O Globo, a cisão ideológica dos blogs não é problema – “Sempre vai existir quem é mais próximo do governo e quem é oposição”. A discussão mais delicada, segundo ele, é outra. “O que eu acho complicado é o titular de um blog receber por anúncio veiculado ali. É óbvio que a participação no faturamento publicitário vai implicar conflito de interesse”, afirma. Em meio à asfixia jurídica e às arestas ainda não aparadas da blogosfera brasileira, que a liberdade seja, de fato, a única solução para seus próprios excessos.

Comentários

Related posts

Gaddafi afirma que só sai como mártir

Bruna Pannunzio

Ações de bancos pequenos despencam após suspeitas de fraude no PanAmericano

Resposta da Prefeitura de SP à matéria sobre a ética e o lixo

5 comments

Luciano Buisine 19/07/2012 at 14:56

Então é assim, a justiça atrelada ao Lulismo, não quer que o povo saiba através dos blogs dos processos que correm contra os políticos safados deste país.

Reply
Big Head 19/07/2012 at 09:51

Sim, e o ponto tocado pelo Noblat também é de suma importância. Na verdade, certa parte da blogosfera não passa de correia de transmoissão do oficialismo, muitas vezes contratada a peso de ouro. E o pior é que isso não ocorre só a nível nacional. Em minha cidade há um famoso blogueiro político que vivia a desancar o prefeito. Bastaram alguns banners da Prefeitura para que o valente invertesse o tom dos posts e passasse a tratar a administração a pão-de-ló. É como dizia o Millôr, tam caras que são livres como um chofer de táxi…

Reply
Big Head 19/07/2012 at 09:46

Gostaria mesmo de saber se essa opinião do Lula se aplica a TODA a blogosfera ou só aqulea ínfima parte delça cooptada pelo Franklin Martins. O fato é que há sim liberdade no cyberespaço, o que não impede que juízes com pendores autoritários castrem a liberdade de informação com decisões esdrúxulas e ilegais. Só que esse tipo de castração pode ocorrer também com os veículos ttradicionais. Quem não se lembra da justiça impedindo o Estadão de noticiar casos escabrosos da Famiglia Sarney? No mais, é como bem disse o Pannunzio num post semminal tempos atrás: há que se saber separar o joi do trigo. Liberdade sempre. Só que, pelo menos para alguns próceres da tal blogosfera “pogreçista” (faz-me-rir!), tal valor se confunde mesmo é com a liberação para suas leviandades, difamações, mentiras e, o que é menos nocivo e deveras desimportante, sua ignorância política.

Reply
Jose Almeida 18/07/2012 at 19:54

A solução é fácil, fim da propriedade cruzada e regulamentação do direito de reposta. Quem se habilita?
No Caso dos juizes censores já temos o CNJ, pena que só temos um Calmon.

Reply
damastor dagobé 18/07/2012 at 12:10

A lei diz o que o juiz diz que lei diz…

Reply

Leave a Comment