Deu no jornal Folha de São Paulo Mensalão Notí­cias Polí­tica

A força do inimigo

MARCELO COELHO

Mais uma vez, quem não queria ver José Antonio Dias Toffoli julgando o mensalão ficou surpreso. Primeiro, ele votou contra o desmembramento do caso, pedido pelo advogado Márcio Thomaz Bastos.

Na terça-feira, votou de novo contra a defesa. José Carlos Dias estava pedindo a interrupção da sessão.

O motivo era a ausência da ministra Cármen Lúcia, que foi cuidar do Tribunal Superior Eleitoral enquanto a defesa dos acusados prosseguia. Comprometeu-se a ver, “na primeira hora da manhã”, a gravação do restante dos trabalhos.

Numa “homenagem” à ministra, Dias argumentou que não seria possível continuar a sessão sem a presença dela.

Sempre amável, o presidente do STF, Ayres Britto, observou que a falta de um magistrado não alterava o quórum exigido. Mas resolveu consultar, um a um, os seus colegas. A decisão foi unânime pela continuidade do julgamento.

Coube a Toffoli, entretanto, levantar um argumento adicional -e sólido, contra a defesa.

Uma infinidade de decisões, lembrou Toffoli, teria de ser anulada se fosse atendido o pedido de José Carlos Dias. Ministros que não assistiram a nenhuma sessão, porque nem ministros eram, dão votos quando assumem o cargo, se se consideram cientes da matéria.

Seja qual for o voto final de Toffoli, por enquanto o ministro do STF esbanja bons raciocínios contra os pedidos da defesa.

Beba na fonte: Folha de S.Paulo – Poder – A força do inimigo – 09/08/2012.

Nota do editor: a propósito do comportamento dos ministros do STF durante o julgamento, vale a pena ler o post Futurologia: como será o resultado do julgamento do Mensalão ?, publicado no dia 3 de julho passado.
Comentários

Related posts

Poema do Big Brother

O ataque às instituições e o jogral de vozes dissonantes em favor de Gurgel

Fábio Pannunzio

Blog vai processar o maior ficha-suja do País

Fábio Pannunzio

2 comments

Mario 09/08/2012 at 13:12

Para mim, o problema de o Ministro Toffoli participar do julgamento não é nem o sentido em que ele vai votar, mas o voto em si mesmo. Se ele der favorável aos réus, deu porque é petista. Se der contrário, deu porque cedeu à pressão dos não petistas. Esta dúvida sempre vai pairar…

O Ministro teria se preservado, se tivesse se declarado impedido.

Mario.

Reply
SideShow Bob 09/08/2012 at 13:04

Um breve lembrete:

Na opinião de João Pereira Coutinho, Reinaldo Azevedo, Demetrio Magnoli e outros este colunista é um petralha, a serviço do politicamente correto.

Portanto, cautela, pois ele alega que que o Ministro Dias Toffolli negou dois pedidos da defesa e depois absolveu os mensaleiros, mas apenas para argumentar, “ah, mas ele indeferiu dois pedidos da defesa”.]

Não se pode esquecer que este ministro é suspeito, pois advogou diretamente para o Zeca Diabo e para o Petismo Radical.

Reply

Leave a Comment